Metanfetamina: tudo que você precisa saber sobre a droga - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

Durante a Segunda Guerra Mundial, vários soldados recebiam metanfetamina para melhorar o desempenho e a performance em campo. Sob efeito dessa substância, eles se sentiam mais ativos e menos fadigados, tinham o raciocínio acelerado e experimentavam intensa sensação de poder e de confiança.

Após a guerra, os danos colaterais foram logo percebidos: ex-veteranos ficaram viciados na droga e as crises de abstinência resultaram em diversas complicações mentais. Foram os primeiros sinais de que as metanfetaminas podem causar dependência física e psíquica.

Dada a complexidade que envolve o uso de drogas — e seus efeitos —, vamos compilar informações sobre a origem e composição da metanfetamina. Analisaremos, ainda, os fatores que contribuem para o impacto desse problema na vida moderna.

Confira, então, quais são as características da metanfetamina, os principais danos ao organismo e os melhores tratamentos para ajudar jovens e adultos que precisam se livrar desse problema. Acompanhe!

O que é metanfetamina?

A metanfetamina é uma droga que faz parte das anfetaminas. Ela é um estimulante cerebral e seu uso prolongado pode causar, entre outras complicações, ansiedade excessiva e transtornos de personalidade.

Ela é uma substância ilícita e faz parte da mesma categoria da cocaína e da heroína, por exemplo. No Brasil, ela é mais conhecida como speed ou cristal.

O cristal é usado pelos mais jovens em baladas, festas “raves”, encontros universitários e danceterias. Nesses lugares, a metanfetamina é mais conhecida como ice ou glass.

Essas substâncias são também vendidas pelo nome de “rebite” e são bastante utilizadas por motoristas de caminhão, que usam a droga para aliviar o grande cansaço ao dirigir por horas seguidas. Muitos estudantes a conhecem como “bola” e a usam em épocas de exames difíceis, quando precisam passar a noite toda estudando.

A metanfetamina é uma substância química potente, perigosa e com um forte potencial de viciar o usuário. Como ocorre com todas as drogas, esse produto age primeiramente como um estimulante. No entanto, ainda que não seja percebida, a destruição do organismo ocorre instantaneamente.

Essa droga causa dependência extrema de forma muito rápida e devastadora. O usuário tem a sensação de que o problema só poderá ser aliviado ao aumentar o consumo — sua ação no organismo se assemelha à de outras drogas, como a heroína e a cocaína. Quando o uso de metanfetamina atinge um estado crônico, a dose precisa ser aumentada para evitar crises de abstinência, que provocam aumento de apetite, sensação de cansaço extremo e sonolência.

As metanfetaminas também são utilizadas com o intuito de perder peso. Porém, quando interrompem o seu uso, muitos usuários voltam a engordar novamente. Assim, forma-se um ciclo vicioso e os pacientes enfrentam o conhecido “efeito-sanfona”.

Mas o uso indevido e prolongado desse tipo de droga provoca alterações psíquicas graves, lesões cerebrais irreversíveis e ainda o aumento do risco de convulsões, overdoses e tendência suicida.

Conhecer o mecanismo de ação da metanfetamina no organismo e saber identificar seus sintomas ajuda a direcionar condutas emergenciais diante da suspeita do uso dessa droga. Logo, a questão do abuso de drogas, assim como os problemas que dela decorrem, merecem atenção especial, pois dados recentes apontam o aumento do uso de psicotrópicos até mesmo entre indivíduos com mais de 50 anos.

Qual é a composição da metanfetamina?

Diferentemente da cocaína, por exemplo, que é originária de uma planta, a metanfetamina é uma substância que não existe na natureza. Assim, ela é uma droga artificial comumente produzida em laboratórios clandestinos. Em sua fabricação — geralmente realizada por usuários da droga — são utilizadas várias formas de anfetaminas ou seus derivados.

As anfetaminas são misturadas com outros elementos químicos para tornar a metanfetamina mais forte. Normalmente, comprimidos utilizados para resfriados são adicionados a essa mistura. O “produtor” também combina a sua receita com substâncias como ácido de bateria, querosene, material utilizado para tratamento de esgotos e anticongelante.

Vale ressaltar que esses produtos químicos usados na fabricação da droga são extremamente perigosos, além de potencialmente explosivos. A produção de metanfetamina é feita ilegalmente em trailers, garagens ou habitações de usuários de drogas.

Não é raro que ocorram acidentes graves em que os “produtores” frequentemente se queimam, ficam desfigurados ou mutilados ou morrem quando a composição explode. Acidentes assim adquirem ainda mais complexidade ao colocar em risco a vida de outras pessoas ou moradores das regiões vizinhas.

Qual é o aspecto da metanfetamina?

O aspecto da metanfetamina varia conforme a maneira de fabricação e o modo de uso. A droga pode ser diluída em líquido, mas geralmente ela é comercializada sob a forma de um pó branco, cristalino, com sabor amargo e sem odor, que as pessoas cheiram, ingerem ou injetam com seringas. Ela pode também ser transformada em cloridrato de metanfetamina — uma forma cristalizada que a torna fumável e com maior potencial de causar dependência.

Independentemente da forma de consumo, todos os usuários desenvolvem uma tendência para continuar a usá-la, porque a droga tem efeito estimulante no sistema nervoso central e cria uma falsa sensação de alegria, bem-estar, autoconfiança e felicidade.

Como a metanfetamina pode ser usada de várias formas, essa versatilidade somada ao preço acessível contribui para o aumento do consumo do produto. No entanto, a maior diferença dessa substância para as outras drogas mais baratas é o tempo de duração no organismo — cerca de 8 horas.

Como a metanfetamina age no organismo?

No organismo, os efeitos da metanfetamina são comparados com os do crack, da cocaína ou da heroína: euforia repentina, sensação de alegria, hiperatividade, insônia, fala acelerada e muito mais energia. Os usuários também sentem redução do apetite e os efeitos da substância podem durar até 24 horas.

Ainda que sejam diferentes, todas as drogas interagem de modo muito peculiar com os neurotransmissores e demais sistemas de mensageiros químicos. Em sua maioria, as drogas dominam sistemas cerebrais relacionados ao prazer e à recompensa.

Tais substâncias expressam seus efeitos sobre aspectos psicológicos importantes, como os que envolvem o ato de comer e de beber, questões pessoais e afetivas, relações sexuais e, principalmente, a capacidade de aprendizagem e de memória. Outras alterações comportamentais também são perceptíveis: irritabilidade, prejuízo do julgamento, sudorese intensa, calafrios e extrema sensação de onipotência.

Outro efeito físico preocupante é na circulação sanguínea. A contração das artérias reduz a oxigenação das células e afeta o aporte de nutrientes importantes. O aumento da pressão arterial e da frequência dos batimentos cardíacos (taquicardia) pode evoluir para arritmias cardíacas ou enfartes.

A menor circulação sanguínea em algumas áreas cerebrais acarreta diminuição da atenção, dificuldade de concentração e perda de memória. As questões emocionais também entram em desequilíbrio.

No entanto, a falsa sensação de energia gerada pela metanfetamina resulta em graves complicações: ao disfarçar o cansaço, o corpo é forçado fisicamente sem que o usuário perceba. Porém, quando termina o efeito da substância, ele sente a falta de energia, fica deprimido e volta a usar mais droga.

Qual é a diferença entre metanfetamina e anfetamina?

As anfetaminas são um grande grupo de drogas sintéticas, cuja ação se dá por meio do estímulo do sistema nervoso central. Outros compostos podem ser derivados da anfetamina.

Além de drogas como a metanfetamina, o ecstasy também faz parte da classe das anfetaminas mais consumidas ilegalmente. Um dos principais efeitos das anfetaminas é a indução temporária de um estado de bem-estar e de hiperatividade.

Mas nem todas as drogas são ilícitas: existem anfetaminas que são prescritas para fins terapêuticos e para o controle da obesidade. Entretanto, mediante os riscos inerentes à automedicação, esses remédios só podem ser utilizados com acompanhamento médico.

Ainda que a anfetamina e a metanfetamina tenham efeitos semelhantes, as maiores diferenças entre elas são a composição e os critérios de classificação. Logo, a metanfetamina é um composto químico que faz parte das anfetaminas.

Como identificar a overdose por essas drogas?

A overdose é um conjunto de efeitos danosos ao organismo e que afeta as funções mentais e físicas. Ela resulta do consumo excessivo de drogas, álcool ou remédios e pode ocorrer de forma lenta ou repentina.

Geralmente, as crises de overdose se dão a partir do abuso constante dessas substâncias ou no uso seguinte a uma fase de abstinência. Quando o usuário toma uma dose elevada de qualquer tipo de droga, o organismo não tem tempo para eliminar o excesso das substâncias tóxicas. Consequentemente, o alto grau de toxicidade gera graves efeitos colaterais, como danos ao fígado, lesão cerebral e morte.

Vale destacar que a alimentação insuficiente e o uso concomitante de diversas drogas acentuam bastante o risco de overdose e de óbito, principalmente por parada respiratória.

Diante disso, observe os sinais mais frequentes da overdose causada pelas drogas estimulantes:

  • febre;
  • paranoia;
  • desmaios;
  • convulsões;
  • agressividade;
  • dores torácicas;
  • agitação intensa;
  • confusão mental;
  • fala descoordenada;
  • perda da consciência;
  • fortes dores de cabeça;
  • muita dificuldade para respirar;
  • alucinações com relatos de perseguições.

O que fazer diante de overdose por drogas estimulantes?

A medicina classifica a overdose como uma condição clínica muito grave e que exige intervenção emergencial. Por isso, mediante alguns dos sintomas acima descritos, a pessoa deve ser encaminhada imediatamente para o atendimento médico de urgência.

Esse socorro imediato pode reduzir o risco de complicações, como perda das funções de órgãos, comprometimento de áreas cerebrais ou morte. Em um primeiro momento, quando a vítima apresenta sinais de que está perdendo a consciência e evidencia dificuldades respiratórias, o ideal é adotar a seguinte conduta:

  • não forçar o vômito;
  • não oferecer nenhum líquido ou remédio;
  • evitar a aglomeração de pessoas por perto;
  • tentar mantê-la acordada e chamá-la pelo nome;
  • esperar o socorro médico em local arejado e fresco;
  • não fazer a vítima cheirar álcool e nenhuma outra substância;
  • manter-se atento às condições da vítima e monitorar a respiração dela até chegar a ambulância;
  • se houver perda de consciência, deitar a vítima lateralmente e virada para o lado esquerdo dela — essa posição facilita a respiração e evita engasgos;
  • se possível, encaminhe junto com a vítima a substância que provocou a overdose. Isso ajuda a direcionar a melhor conduta médica.

Como evitar uma overdose?

A melhor orientação de prevenção da overdose é evitar o abuso de drogas. Isso vale mesmo para aquelas que são permitidas, como cigarro, bebidas alcoólicas e medicamentos.

Entretanto, nos casos de uso regular de substâncias psicoativas, o ideal é buscar ajuda profissional o quanto antes. Os familiares, cônjuges e amigos devem estar alertas quanto aos primeiros sinais do uso de drogas e encaminhar o usuário ao tratamento.

Além disso, nunca se deve experimentar o uso de drogas desacompanhado, pois em caso de emergências, como a overdose, deve-se chamar ajuda com urgência.

Quais são as fases da metanfetamina?

O efeito expresso pelas fases da metanfetamina depende dos níveis de uso e da condição clínica do usuário. Tanto para o uso de menor intensidade quanto para o uso ávido de metanfetamina, as fases são as seguintes.

Excitação

Essa fase é a resposta inicial que o usuário experimenta enquanto fuma, ingere ou injeta metanfetaminas. Durante a excitação, o batimento cardíaco, o pulso e o metabolismo estão elevados. Ao contrário de outras drogas, a excitação da metanfetamina pode durar por 30 minutos.

Elevação

A excitação é seguida pela fase de elevação, também conhecida por muitos como “noia”. Nesse período, o consumidor torna-se agressivo, mais enérgico e inteligente e fala muito.

Os efeitos ilusórios da elevação podem resultar em hábitos repetitivos, como limpar repetidamente um mesmo objeto durante várias horas. Geralmente, a elevação por metanfetamina dura de 4 a 16 horas.

Avidez

Entende-se por avidez o consumo descontrolado de substâncias psicoativas, como droga ou álcool. Nessa fase, há urgência do usuário para manter a noia por meio do uso de mais anfetaminas. A avidez deixa o consumidor muito hiperativo e com bastante disposição física e mental e pode durar 2 semanas.

Tweaking

Um usuário de drogas torna-se mais perigoso quando experimenta um período de dependência chamado tweaking. Essa fase caracteriza a parte final da avidez, quando a metanfetamina já não mais proporciona uma excitação ou noia.

Incapaz de aliviar os sentimentos de vazio, depressão e ânsia, o usuário perde a noção da realidade e o sentido de identidade. Ele começa a ter alucinações constantes e é comum “visualizar” perseguições de pessoas querendo matá-lo.

Nessa fase, as alucinações são tão perigosas que parecem ser reais. O indivíduo torna-se hostil e perigoso para si e para os outros. O risco de automutilação e agressividade verbal e física é elevado.

Queda

Para um usuário muito ávido, a fase de queda representa o colapso do corpo. Diante da incapacidade de lidar com os efeitos devastadores das drogas, há um longo período de sonolência. Até um consumidor agressivo e violento torna-se praticamente inanimado nesse período. A queda pode durar cerca de 3 dias.

Ressaca de Meth

Após o período de queda, o usuário retorna bastante desgastado, faminto e desidratado e experimenta uma exaustão física e psicológica. A ressaca contribui para reforçar a dependência, pois, diante dessa situação, a “saída” para os problemas é consumir mais metanfetaminas.

Abstinência

A abstinência é o período em que o usuário fica sem usar as substâncias entorpecentes e o organismo sente falta da droga. Ele fica deprimido, indisposto, irritado e agressivo e não consegue experimentar outros tipos de prazer.

Como a abstinência da metanfetamina é extremamente difícil e dolorosa, muitos dependentes químicos, quando não tratados adequadamente, não conseguem vencer essa fase e retornam à dependência da droga.

Quais são os efeitos colaterais do uso de metanfetamina?

As metanfetaminas produzem variados efeitos no organismo, pois acentuam os neurotransmissores cerebrais — como a dopamina e a serotonina — de modo bastante expressivo.

No entanto, os efeitos podem ser percebidos imediatamente ou após algum tempo de uso. Confira!

Efeitos em curto prazo

Logo após o seu consumo de metanfetamina, o usuário experimenta algumas reações ilusórias, como sensação de euforia, maior capacidade de comunicação, extroversão e muita energia.

Muitos casais optam pelo uso de metanfetaminas para relações sexuais, já que um dos efeitos da droga é a intensificação da libido e a inibição do apetite. Mas essas experiências causam, quase sempre, sensação de vazio e de desolação, típicas de ressaca moral. Com isso, os envolvidos consomem mais droga como uma forma de fugir da realidade.

Porém, alguns sintomas são percebidos também no funcionamento dos órgãos, sobretudo no aparelho cardiovascular: a metanfetamina acentua a frequência cardíaca e a pressão arterial, além de causar febre e sudorese intensa.

Em doses muito elevadas, ela provoca irritabilidade, inquietação, perda da consciência e ataques de pânico. Nos casos mais graves, pode evoluir também para convulsões e levar ao óbito por derrame cerebral e insuficiência cardíaca ou respiratória.

Efeitos em longo prazo

Como um dos efeitos da metanfetamina é a diminuição do apetite, o uso prolongado dessa substância pode causar desnutrição, redução de peso e graves alterações psicológicas.

Indivíduos que usam metanfetamina por um período muito prolongado, quando interrompem o uso, entram em crises de ansiedade e de depressão. Outros sintomas que surgem em longo prazo são os distúrbios do sono, a aparência envelhecida e os danos cognitivos.

Muitos perdem a expectativa de um futuro e abandonam a família e o trabalho, o que leva a ideações suicidas resultantes do desinteresse pela vida. A evasão escolar e os conflitos familiares também são preocupantes, já que o número de adolescentes que usam drogas está aumentando no país.

Não muito diferente do que ocorre com o uso de outras drogas, quando o efeito das substâncias é reduzido, o usuário se sente tão mal e deprimido que volta a consumir quantidades cada vez maiores.

O que sustenta o vício é que o dependente químico vê a droga como remédio para um mal causado por ela. Essa condição é chamada de “efeito senoidal”. O indivíduo fica preso em uma armadilha da qual se torna praticamente impossível sair sem ajuda profissional.

Como é o tratamento para o vício em metanfetamina?

Geralmente, a melhor solução para pessoas que estão viciadas nessa droga é a internação para um tratamento de desintoxicação. Essa conduta visa a monitoração constante do paciente por uma equipe multiprofissional.

A desintoxicação da metanfetamina exige a prescrição de medicamentos antipsicóticos. O objetivo é provocar um efeito calmante e reduzir a angústia, principalmente na abstinência.

No entanto, as substâncias antipsicóticas podem reduzir drasticamente a pressão arterial. Além do mais, os pacientes podem ter alucinações, o que aumenta o risco de mutilações e tendências suicidas. Por isso, fazer esse tratamento em um hospital garante o controle dessas e de outras situações adversas.

Para a completa recuperação do usuário desse tipo de droga, é essencial que ele esteja em um ambiente adequado e que lhe garanta segurança e tranquilidade. A internação em um hospital especializado permite o suporte profissional e a presença dos familiares.

Afastar o indivíduo do contato com drogas também é fundamental nesse processo. Para conseguir ficar limpo, é necessário que haja integração com novas pessoas e novos ambientes. Essa sociabilização é um dos aspectos relevantes e parte integrante do tratamento em um hospital especializado nesse ramo.

O que fazer em caso de surto psicótico por uso de metanfetamina?

O surto psicótico acontece mediante o uso de doses excessivas de substâncias entorpecentes, como droga e álcool. Tal condição pode provocar sérios problemas, comprometer as funções cognitivas e levar o indivíduo a cometer atos insanos.

No entanto, os efeitos do surto podem variar conforme o tipo de droga, se houve ou não mistura de substâncias e a condição física do usuário. Entretanto, mediante suspeita de que alguém está em surto psicótico, o ideal é buscar imediatamente ajuda médica.

Nesses casos, chame uma ambulância ou uma viatura policial para levar a pessoa ao hospital mais próximo e tenha cuidado para não deixá-la fugir. O surto psicótico por metanfetamina provoca reações imprevisíveis e coloca o indivíduo em risco de morte, o que sugere a necessidade de tratamento psiquiátrico.

Percebe-se, então, que os riscos à saúde mental e física decorrentes do uso de metanfetamina não podem ser ignorados. Familiares e amigos de dependentes químicos precisam intervir e ajudar os seus entes queridos a superar esse problema.

A falta de expectativa futura e o risco à vida exigem a busca de apoio profissional urgente. O vício em metanfetamina torna o usuário incapaz de vencer essa luta sozinho. Logo, a internação hospitalar representa a chance de reabilitação mental e física e de renovação da esperança em dias melhores.

Agora que você já sabe tudo sobre metanfetamina, veja também o efeito do álcool e de outras drogas comuns entre crianças e adolescentes!

2 respostas para “Metanfetamina: tudo que você precisa saber sobre a droga”

  1. Tenho um filho AGORA COM 40 ANOS, na EUROPA DO NORTE ONDE VIVI POR 28ANOS e fui pesquisador e professor de 2.grau em biologia/geografia e economia política internacional! É infelizmente ele se deixou levar por esta droga maldita A METANFETAMINA EM FORMA DE CLORIDRATO QUE SE FUMA! ☝️? APESAR QUE TODAS ELAS EM Excesso, no geral,Tanto às ilegais como legais,São perniciosas e destrutores sem exceção! ☝️?onde na minha forma de ver, as NAÇÕES UNIDAS ONU DEVERIA PROPOR PENA DE MORTE GERAL PARA OS TRAFICANTES, DEPOIS DE PROVADO EM 2.INSTANCIA SUAS CULPABILIDADES NO TRAFICO NACIONAL E INTERNACIONAL, OU SEJA O CRIME ORGANIZADO GLOBAL! ☝️ NO BRASIL SERIA POR ENFORCAMENTO P. EX. COMO NA ÉPOCA IMPERIAL Portuguesa! ☝️ É a única forma de dar um basta válido e duro a isto, globalmente! ☝️ Aos usuários tratamento adequado pago pelo estado por meio de nossos impostos! ☝️ Em caso de 3. reincidências, em hospital psiquiátrico, enviar para um manicômio judicial onde o tratamento especializado é humano Será por tempo indeterminado, até que no mínimo 3 psiquiatra de 4 ateste em um tribunal de 1.ou 2. instância, que está pessoa está apta para ser reintegrada a sociedade circundante,! ☝️MAS mesmo assim no primeiro ano terá que ser controlada e se apresentar ao hospital/manicômio judicial cada 14 dias, para tratamentos PSICO-SOMATICOS se necessário for.

  2. Tenho um filho AGORA COM 40 ANOS, na EUROPA DO NORTE ONDE VIVI POR 28ANOS e fui pesquisador e professor de 2.grau em biologia/geografia e economia política internacional! É infelizmente ele se deixou levar por esta droga maldita A METANFETAMINA EM FORMA DE CLORIDRATO QUE SE FUMA! ☝️? APESAR QUE TODAS ELAS EM Excesso, no geral,Tanto às ilegais como legais,São perniciosas e destrutores sem exceção! ☝️?onde na minha forma de ver, as NAÇÕES UNIDAS ONU DEVERIA PROPOR PENA DE MORTE GERAL PARA OS TRAFICANTES, DEPOIS DE PROVADO EM 2.INSTANCIA SUAS CULPABILIDADES NO TRAFICO NACIONAL E INTERNACIONAL, OU SEJA O CRIME ORGANIZADO GLOBAL! ☝️ NO BRASIL SERIA POR ENFORCAMENTO P. EX. COMO NA ÉPOCA IMPERIAL Portuguesa! ☝️ É a única forma de dar um basta válido e duro a isto, globalmente! ☝️ Aos usuários tratamento adequado pago pelo estado por meio de nossos impostos! ☝️ Em caso de 3. reincidências, em hospital psiquiátrico, enviar para um manicômio judicial onde o tratamento especializado é humano Será por tempo indeterminado, até que no mínimo 3 psiquiatra de 4 ateste em um tribunal de 1.ou 2. instância, que está pessoa está apta para ser reintegrada a sociedade circundante,! ☝️MAS mesmo assim no primeiro ano terá que ser controlada e se apresentar ao hospital/manicsômio judicial cada 14 dias, para tratamentos PSICO-SOMATICOS se necessário for.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos