Saiba como funcionam os processos de desintoxicação de drogas e álcool - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

Estudos indicam que 55,5% dos estudantes menores de 14 anos já tiveram algum envolvimento com álcool e drogas ilícitas. Esses números traduzem uma preocupante realidade, o que torna necessário conhecer o funcionamento do processo de desintoxicação do organismo.

A proposta deste artigo é delinear a importância de buscar medidas para que o usuário se livre da dependência. Abordaremos a etapa da abstinência, os métodos utilizados para superar os efeitos da falta da droga e as melhores alternativas de tratamento.

Nesse sentido, entenda por que a desintoxicação é tão necessária à recuperação do equilíbrio emocional exigido para restaurar o convívio harmônico entre indivíduo, família e sociedade. Boa leitura!

O que é o processo de desintoxicação?

É uma maneira de “limpar” e de livrar o organismo do efeito da toxicidade. Para ser eficaz, a desintoxicação de drogas exige acompanhamento médico e o apoio da família e de outros profissionais também. Pois não é fácil se libertar da dependência química e de todos os estigmas a ela associados.

De forma sucinta, a base desse procedimento é a administração de uma quantidade — gradativamente menor — da substância que provoca dependência, até que o organismo do usuário não sinta mais necessidade de utilizar drogas.

Essas substâncias afetam importantes funções do corpo humano desequilibram o estado psicológico. Logo, não é recomendado a interrupção abrupta do consumo de tóxicos, sobretudo se o indivíduo for usuário por muito tempo.

Quais drogas requerem desintoxicação?

Tanto o álcool como os entorpecentes exigem a submissão ao processo desintoxicante. Essas drogas, mediante à ação psicotrópica ou psicoativa cerebral, provocam graves alterações no sistema nervoso central do usuário.

Grande parte das drogas ilícitas que causam dependência se enquadram nessa categoria. No entanto, as mais comuns — e que exigem medidas de intervenção urgente — são maconha, cocaína, crack, LSD (ou ácido lisérgico), heroína, álcool e algumas anfetaminas.

Qual o tempo necessário para ocorrer a desintoxicação?

O processo de desintoxicação não tem, ainda, um tempo determinado. Conforme o estágio do vício e as reações do organismo ao tratamento pode ser necessário alguns meses ou até anos. Em muitos casos, a internação deve ser recomendada, o que permite ministrar, de forma segura, os medicamentos necessários.

Além disso, a internação evita o contato do paciente com locais ou pessoas que usam drogas. Principalmente na etapa inicial do tratamento, exige-se um suporte multidisciplinar para que o usuário tenha o apoio emocional necessário para prosseguir firme em seu propósito.

O que é a fase de abstinência?

É a falta da substância que provocou a dependência química. Sem o uso, há diversas reações físicas e psicológicas. A interrupção do consumo de tóxicos causa, no cérebro, uma espécie de rebote. Isso gera sensações semelhantes ao efeito da adrenalina, um hormônio que, nessas situações, provoca euforia ou depressão.

Por isso, o tratamento realizado em um hospital ajuda a perceber esses sintomas e tomar as providências imediatas. Isso tranquiliza o usuário e o deixa mais forte para perseverar em seu programa de reabilitação.

Entretanto, os sintomas da abstinência exigem atenção especial. Ainda que sejam um denominador comum, alguns sinais podem ser mais expressivos que outros, pois variam conforme a droga utilizada e o perfil do usuário.

Observe, então, as reações mais comuns durante a fase de abstinência:

  • apatia;
  • náuseas;
  • irritabilidade;
  • dores de cabeça;
  • isolamento social;
  • crises depressivas;
  • sudorese excessiva;
  • ansiedade patológica;
  • falta de concentração;
  • insônia ou sonolência;
  • dificuldade na respiração;
  • tremores nas mãos ou no corpo;
  • taquicardia, acompanhada de dores torácicas.

Como reduzir os sintomas da abstinência?

Lidar com os sintomas do processo de desintoxicação exige múltiplas habilidades para auxiliar o paciente nessa meta tão desafiadora. Mostrar-se disponível para ajudar e respeitar as limitações dele é fundamental.

Algumas recomendações são essenciais à redução dos sintomas de abstinência. Acompanhe:

  • incentive as terapias de grupo;
  • mantenha uma alimentação saudável;
  • evite o contato com antigas influências;
  • estimule a prática regular de exercícios físicos;
  • ofereça alternativas, como cursos de música ou atividades da preferência do paciente;
  • priorize ações que contribuam para a mudança no estilo de vida;
  • mostre a importância de reconhecer a necessidade de aprender a lidar com as emoções.

O que acontece após a desintoxicação?

Conseguir manter-se limpo e completar o ciclo da reabilitação não é uma missão simples. Todavia, esses são os passos mais relevantes no trabalho de recuperação. Por isso, exige-se bastante esforço e determinação.

No entanto, o apoio psicológico é indispensável, já que o paciente terá que remodelar os pensamentos para conseguir evitar as recaídas. Como visto, a mudança no comportamento e a reinserção social com novas pessoas — que não usem drogas — são fundamentais.

Logo, o controle das emoções e a firmeza de propósito devem ser prioridades em prol da reconstrução da vida de quem conseguiu se libertar das drogas e do alcoolismo. Mas fazer isso sozinho é quase impossível. Por isso, a ajuda de uma equipe multiprofissional torna-se um diferencial positivo nessa causa.

Quando procurar um hospital especializado?

O tratamento para limpeza do organismo precisa ser feito com muita seriedade e responsabilidade. A complexidade que envolve o processo de desintoxicação sugere a necessidade de que esse tratamento seja feito em um hospital especializado, e com profissionais bastante experientes.

O usuário precisa ser monitorado — em tempo integral — por uma equipe multiprofissional. Mediante isso, é extremamente desaconselhada a automedicação ou quaisquer tentativas de desintoxicação caseira.

Esse cuidado é imprescindível, já que as reações ao efeito dos remédios são imprevisíveis e podem colocar em risco tanto a vida do indivíduo como a de outras pessoas, Em um hospital, não há esse risco, pois a constante vigilância favorece a tomada de decisões imediatas.

Nesse contexto, convém procurar ajuda profissional quando surgirem os primeiros sinais ou sintomas de dependência química. Quantos antes iniciar o tratamento, melhores serão as chances de recuperação.

Não deixe, portanto, para buscar ajuda quando o usuário já estiver em situação muito crítica e representar ameaça para si ou para a sociedade. Infelizmente, o uso de drogas e álcool tem aumentado entre crianças e adolescentes. Por isso, mantenha um diálogo aberto, honesto e ofereça auxílio.
Por fim, atente-se aos indícios do uso de entorpecentes e que sugerem a necessidade de desintoxicação. Depressão, ansiedade excessiva e ideações suicidas requerem intervenção imediata. São fatores que levam ao abuso de drogas e comprometem a saúde do indivíduo e o futuro da sociedade.

​Agora que já sabe como ocorre a desintoxicação, veja também algumas dicas para descobrir se seu filho usa drogas. Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos