Transtorno de Personalidade Borderline: sintomas e como identificá-los - Hospital Santa Mônica
Estamos passando por uma instabilidade no telefone fixo. Entre em contato no número (11) 99667-7454
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

A personalidade é o conjunto de pensamentos, comportamentos e sentimentos que definem um indivíduo, a sua singularidade e o que ele pensa sobre si mesmo. Para pessoas saudáveis, esse pensamento é consistente ao longo dos tempos, mas algumas têm dificuldades em entender o que pensam sobre si e sobre os outros — e é aí que entra o Transtorno de Personalidade Borderline.

Para quem tem transtorno de personalidade, essas dificuldades são ainda maiores e podem afetar negativamente o bem-estar, o relacionamento interpessoal, a forma de lidar com as próprias emoções e o controle sobre os impulsos. 

Existe mais de um transtorno de personalidade, mas neste post o dr. Marcel Vella Nunes, psiquiatra do Hospital Santa Mônica, irá abordar sobre o Transtorno de Personalidade Borderline. Continue a leitura para saber mais sobre essa condição e conheça os sintomas.

O que é o Transtorno de Personalidade Borderline?

Segundo estudos, 1 em cada 100 pessoas tem Transtorno de Personalidade Borderline. As pesquisas também indicam que 75% dos pacientes são do sexo feminino. 

Pessoas com o Transtorno de Personalidade Borderline apresentam as seguintes características:

  • instabilidade emocional;
  • medo de abandono;
  • dificuldades de autopercepção;
  • impulsividade elevada.

A instabilidade emocional do indivíduo com Borderline se mostra, principalmente, nas relações interpessoais — ele costuma apresentar uma hiper-reatividade afetiva, ou seja, enxerga situações boas ou positivas como ótimas, e as ruins ou negativas como catastróficas. Dessa forma, pode considerar ótimas as pessoas à sua volta e, depois de uma pequena frustração, achá-las péssimas.

O medo do abandono também causa grande sofrimento para que tem Transtorno de Personalidade Borderline. Qualquer possibilidade de quebra de vínculo afetivo pode trazer reações negativas e afetar o bem-estar do indivíduo. Em alguns casos, esses sentimentos podem decorrer, inclusive, de sensações imaginárias de abandono.

As pessoas com esse transtorno de personalidade têm ainda uma dificuldade de autopercepção, tanto em relação à imagem física quanto às suas emoções. Essas pessoas nem sempre conseguem se descrever ou identificar suas próprias características, sejam elas positivas, sejam elas negativas. 

A impulsividade também é um traço forte da personalidade Borderline. As atitudes impulsivas acontecem tanto em situações prazerosas quanto agressivas, para gerar prazer ou alívio imediato. A impulsividade aumenta as chances desses indivíduos se envolverem com drogas, álcool ou jogos de azar, e terem reações violentas a situações de estresse, quebrando as coisas ao redor ou até agredindo outras pessoas.

Uma das consequências do comportamento impulsivo pode ser o grande arrependimento, que também causa sofrimento ao paciente. Em alguns casos, essas pessoas chegam a se automutilar, porque têm mais facilidade em lidar com a dor física do que com a dor emocional. 

Por fim, os indivíduos com Transtorno de Personalidade Borderline têm risco aumentado de suicídio e costumam ameaçar tirar a própria vida em momentos de angústia. 

Quais são os sintomas do Transtorno de Personalidade Borderline e como identificá-los?

Como falamos, o Transtorno de Personalidade Borderline afeta a maneira como o paciente enxerga a si mesmo, como se comporta e como compreende a sua relação com outras pessoas. O diagnóstico do transtorno deve sempre ser feito por um médico psiquiatra, que precisa ser procurado quando os sintomas forem observados. 

A seguir, listamos os principais deles para ajudar na identificação do momento de procurar ajuda profissional.

Mudanças no humor e nos interesses

Pessoas com o Transtorno de Personalidade Borderline sofrem com mudanças repentinas no estado mental e com incertezas sobre a forma como enxergam a si mesmas e o seu papel na sociedade. Por isso, os seus interesses também podem mudar repentinamente.

Sentimentos extremos

Os pacientes tendem a enxergar as situações e pessoas sempre como muito boas ou muito ruins. Popularmente, esse comportamento é conhecido como “8 ou 80”.

Instabilidade nos relacionamentos

Como consequência dos sentimentos extremos e das mudanças repentinas de humor, as pessoas com Borderline costumam ter relacionamentos muito intensos e instáveis.

Medo de abandono

A repulsa à ideia de ser abandonado pode levar o paciente a tomar atitudes drásticas, como a quebra do vínculo antecipadamente como forma de proteção a si mesmo ou até ameaças de suicídio, na intenção de fazer a outra pessoa mudar de ideia.

Problemas de autoimagem

As pessoas com essa síndrome costumam apresentar dificuldades para se descrever e para compreender os próprios sentimentos.

Impulsividade

A busca por rápido alívio de algum sentimento negativo ou por prazeres pode levar o indivíduo com Borderline a se envolver em problemas como sexo desprotegido, abuso de drogas, distúrbios alimentares, excesso de bebidas alcoólicas, direção perigosa, entre outros. 

Agressividade

Reações agressivas podem ser decorrentes da impulsividade dos pacientes, que também costumam ter problemas para controlar a raiva.

Dificuldades para confiar

Quem tem essa síndrome nem sempre consegue confiar em pessoas próximas. Geralmente esse comportamento é acompanhado do medo em relação às verdadeiras intenções dos outros.

Outros sintomas incluem a automutilação e a ideação/ameaça suicida.

Quais são as causas e os fatores de risco do Transtorno de Personalidade Borderline?

As causas do Transtorno de Personalidade Borderline ainda não são claras para a ciência, mas um artigo publicado pelo National Institute of Mental Health indica que genética e fatores culturais/ambientais podem aumentar as chances de desenvolvimento do transtorno. 

Isso quer dizer que pessoas com pais ou irmãos Borderline têm mais chance de desenvolver a síndrome. O mesmo artigo também sugere que os pacientes apresentam algumas mudanças estruturais e funcionais no cérebro, principalmente em áreas que controlam os impulsos e regulam as emoções, mas ainda não foi esclarecido se isso é um fator de risco ou uma causa.

Também foi apontado por especialistas que muitas pessoas com Borderline vivenciaram eventos traumáticos, como abuso, abandono, problemas familiares durante a infância ou relacionamentos abusivos, hostis e conflituosos.

Como procurar ajuda?

Ao notar os sintomas do Transtorno de Personalidade Borderline no seu próprio comportamento ou em pessoas próximas, o mais indicado é procurar ajuda médica. O tratamento tem como objetivo a minimização desses sintomas e a melhora no bem-estar e na qualidade de vida do paciente — isso pode incluir o uso de medicamentos, terapias e suporte para a família lidar com o transtorno.

“No Hospital Santa Mônica durante este período da pandemia do coronavírus, tivemos um aumento do número de internações ou reinternações de pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline, seja em virtude do isolamento social, seja em virtude de piora dos quadros de ansiedade. Pacientes com Transtorno de Personalidade Borderline possuem uma maior vulnerabilidade principalmente por terem dificuldades de se auto-regularem emocionalmente e por serem muito suscetíveis às oscilações do meio” salienta dr. Marcell Vella Nunes.

O Hospital Santa Mônica tem mais de 50 anos de experiência no tratamento de transtornos mentais e conta com uma equipe multidisciplinar especializada, que inclui psiquiatras, psicólogos, nutricionistas, enfermeiros etc. A estrutura do hospital foi planejada para dar total suporte ao tratamento, oferecendo conforto aos pacientes — que podem ser internados no local — e possibilidade de praticar diversas atividades complementares, como esportes e terapias ocupacionais. 

Entre em contato conosco e saiba como podemos ajudar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos