Como lidar com o Transtorno de Personalidade Borderline? - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

Conviver com pessoas diagnosticadas com transtornos mentais é um desafio diário que requer paciência, compreensão e conhecimento. Oscilações de humor, brigas frequentes e episódios de impulsividade são comuns em ambientes familiares que lidam com distúrbios psicológicos e psicossociais. A situação pode ser ainda mais grave nos casos de Transtorno de Personalidade Borderline (TPB).

“O indivíduo borderline é muito intenso, rápido e extremista. A instabilidade emocional é um padrão desse transtorno. Seja nas relações interpessoais ou na autoimagem”. Quem afirma é a psiquiatra, do Hospital Santa Mônica, Luana Harada. “O transtorno de personalidade traz sofrimento para a pessoa e para quem é próximo, com prejuízos nas diversas esferas da vida”, completa.

A seguir, você aprenderá mais sobre os desafios do Transtorno de Personalidade Borderline, como identificá-lo e o que fazer para conviver com essa condição no ambiente familiar.

O que é o Transtorno Borderline – origem e sintomas

O termo “Transtorno de Personalidade Borderline” foi cunhado em 1938 pelo psicanalista norte-americano Adolf Stern. À época, a condição descrevia pacientes que se encontravam no limiar entre a psicose e a neurose. Daí a aplicação da palavra “borderline” (“limite” no inglês). O Borderline também é comumente classificado como Transtorno de Personalidade Limítrofe.

A Associação Norte-Americana de Psiquiatria, define nove sintomas comuns ao distúrbio, descritos no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V).

1. Esforços desesperados de evitar o abandono real ou imaginário

Borderlines têm medo intenso do abandono. Muitas vezes, quando se veem na iminência de ficarem sozinhos, são levados a empatizar, até mesmo, com quem possuem pouca afinidade. Para Luana Harada, a sensação de estar prestes a ser abandonado torna essas pessoas ávidas por alguma ligação significativa. ”Os vínculos podem surgir de forma rápida, intensa e com muita intimidade. Porém, são frágeis”, explica a médica.

2.Padrão de relacionamentos instáveis, com extremos de admiração e ódio

Relacionamentos interpessoais de indivíduos borderlines são muito instáveis, com altos e baixos frequentes. As relações são marcadas por extremos de idealização e desvalorização, em uma verdadeira “montanha-russa” de sentimentos.

3. Dificuldade em relação à autoimagem

Indivíduos borderlines têm dificuldade em se enxergar e ver as próprias características, negativas ou positivas. Isso torna difícil a descrição para os outros, não só da autoimagem corporal, mas no que diz respeito às características de identidade.

“Por isso, o TPB também é chamado de transtorno de personalidade emocionalmente instável. A instabilidade está presente em vários contextos”, explica a psiquiatra. Isso inclui mudanças súbitas em relação a imagem, aspirações profissionais, identidade sexual e valores.

4.Impulsividade elevada

A impulsividade pode ser percebida de diversas formas, tanto prazerosas quanto agressivas. A pessoa com transtorno borderline tende a fazer coisas sem pensar, levada  pela gratificação imediata. Comportamentos impulsivos podem incluir o consumo de drogas, álcool, sexo sem proteção e compulsão alimentar. Muitas vezes, os borderlines realizam atos impulsivos com o objetivo de gerar alívio ou relaxamento momentâneo.

5.Comportamento suicida recorrente, com ameaças e automutilação

Comportamentos autolesivos são comuns em diagnosticados com o Transtorno Borderline. Em momentos de instabilidade dos afetos, a dor física é usada como válvula de escape. Além disso, são pessoas com um risco aumentado de suicídio, manifestando ameaças e realizando tentativas em momentos de extrema angústia. Entre 8% a 10% dos indivíduos que possuem o TPB cometem suicídio.

A psiquiatra do Hospital Santa Mônica faz um alerta: “Não é porque essas pessoas falam de suicídio que elas não tentarão consumar o ato. Existe esse mito na sociedade. Estamos lidando com a vida. Se ela se vai, não teremos a chance de fazer diferente. O pensamento suicida nunca deve ser menosprezado e, quando se torna recorrente, é o principal motivo que os levam a pedir ajuda”.

6. Mudanças de humor

Pessoas com TPB vivem no limite entre o amor e o ódio, a raiva e a tristeza. “Essa flutuação de humor também é comum a outros transtornos, como a bipolaridade e a esquizofrenia”, explica Luana Harada. “A diferença está na duração do sintoma, que é mais irregular no borderline”.

7. Sentimento crônico de vazio

Borderlines têm um vazio interno que não sabem como sanar. Isso pode desencadear brigas familiares, conflitos conjugais recorrentes e provocar distúrbios no núcleo familiar.

8. Raiva intensa ou dificuldade de controlar a raiva

Essa característica está associada à instabilidade. O indivíduo pode acordar bem e, ao mínimo de frustração, se tornar extremamente raivoso. Muitas vezes, familiares e amigos não são capazes de entender qual é o motivo. Indivíduos borderline também podem pedir ajuda, por sentir culpa e vergonha após os acessos de raiva e agressividade.

9.Paranoia temporária relacionada ao estresse

Alguns indivíduos em momentos de angústia extrema podem vivenciar sintomas psicóticos. Eles são breves e podem se manifestar na forma de alucinações auditivas ou vivências delirantes. Algumas vezes, esses surtos podem estar relacionados a distúrbios do sono (chamados de alucinações hipnagógicas) e ao momento de despertar ou dormir.

Como diagnosticar o Transtorno Borderline

Quase 80 anos se passaram desde que o termo Borderline foi criado e o diagnóstico correto do transtorno continua sendo um desafio para médicos e especialistas em saúde mental. Estudo realizado pela Universidade de Brown, nos Estados Unidos, revela que 40% dos pacientes identificados com o Transtorno de Personalidade Limítrofe haviam sido mal diagnosticados ou sub diagnosticados anteriormente.

“O diagnóstico não é tarefa simples”, explica Luana Harada. “Existem outras condições com sintomas semelhantes de ansiedade, psicose e intensidade de humor, como a esquizofrenia, a bipolaridade e a depressão”. A avaliação única e pontual pode confundir os sintomas do TPB com distúrbios mentais similares. O diagnóstico deve ser realizado, portanto, com uma análise do padrão de comportamento ao longo do tempo, levando em consideração o contexto geral em que os sintomas se apresentam.

É preciso entender a dinâmica de relação do indivíduo com o meio em que ele vive. Juntando todas as peças é possível realizar o diagnóstico correto.

Relação entre o Borderline e o uso de drogas

É comum ver a comorbidade do transtorno de personalidade limítrofe e a dependência química. Por serem mais impulsivos, esses indivíduos têm a tendência de buscar o prazer imediato que a droga proporciona.

O uso de drogas pode, de fato, agravar alguns aspectos de personalidade borderline. Entretanto, o mais comum é que a dependência química seja consequência de um conjunto de traços da personalidade limítrofe. A personalidade do indivíduo o leva ao uso de drogas e não o contrário. É essencial a conscientização nesse sentido, para que haja engajamento e tratamento corretos.

Como tratar o TPB

O primeiro desafio parte do autoconhecimento do indivíduo diagnosticado com o Transtorno de Personalidade Limítrofe. Ele percebe que precisa de ajuda e enxerga uma necessidade de mudança?

Se sim, a possibilidade de evolução é mais favorável. O desafio é manter a estabilidade do tratamento essencial para recuperação. O tratamento pode ocorrer por diversas vertentes: psicoterapia, medicação e hábito de vida saudável.

Entendendo a Psicoterapia

Apesar da importância de medicamentos, a psicoterapia é a maior aliada no tratamento ao TPB. A partir dela, o borderline tentará achar instrumentos no dia a dia para mudar ou moldar aspectos do temperamento que causem angústia.

Existem duas modalidades com maior número de resultados: a Terapia Psicodinâmica e a Terapia Comportamental Dialética. Ambas demandam engajamento do indivíduo, com benefícios a médio e longo prazo. A participação de familiares e amigos também é essencial no processo de tratamento.

Medicamentos indicados para o TPB

Em um segundo patamar, também pode se cogitar o uso de medicamentos. Principalmente para lidar com a agressividade e impulsividade. Remédios também são utilizados para tratamento da depressão, comumente associada ao borderline.

Alimentação e hábitos de vida saudável no tratamento ao Borderline

Além do tratamento psicoterápico e farmacológico, borderlines podem buscar alívio dos sintomas por meio de hábitos de vida saudável, como boa alimentação e prática de atividades físicas. Hobbies também são importantes, atividades que não são terapias, mas são terapêuticas.

Se você tem algum amigo ou familiar com Transtorno Borderline, ou foi diagnosticado com o TPB, a especialista do Hospital Santa Mônica dá um conselho: “Aproveite os momentos bons, a tranquilidade pode durar pouco. Muito equilíbrio. É importante estabelecer limites. Não aceite o papel de vítima e nem de culpado demais. Incentive seu familiar, amigo ou companheiro a procurar ajuda especializada e, se sentir que precisa, procure ajuda também. Quem cuida e convive com pessoas com borderline também pode adoecer”.

Quer saber mais sobre o Transtorno de Personalidade Borderline ou outros distúrbios mentais? Fale com o Hospital Santa Mônica.

15 respostas para “Como lidar com o Transtorno de Personalidade Borderline?”

  1. Já estive internada neste hospital por 32 dias em 2017. Tenho TPB. Gostei dessas informações da psiquiatra. É terrivel ser borderline, principalmente quando as pessoas ao seu redor não entendem. Estou em crise no momento, faço psicoterapia individual há poucos meses e em grupo por mais de 1 ano. Minha irritabilidade está no limite, e com isso a convivência com a minha amiga, comadre e irmã que mora comigo está insuportável! Preciso de ajuda urgente!!!

    1. Sou casada com uma pessoa que tem TPB, e ele se sente com autoestima baixa, e tudo gera problemas em nós, gostaria de algumas dias e ajuda… pois não sei o que fazer, ele não quer se tratar, e não assume que tem TPB, só quer dormir, não conversa comigo quase, e sempre quer ficar sozinho. Eu estou com medo, pq a qualquer momento tudo explode. Me ajudem

      1. Olá Laryssa, o ideal seria procurar um psiquiatra, ele está fazendo tratamento neste momento? porque sem o tratamento o paciente fica instável.

        1. Ele não aceita o tratamento, ele não quer. Eu descobri que ele tinha pela minha psicóloga. E está tudo bem e do nada qualquer coisa é motivo para ele querer separar, me largar, tudo eu faço errado na visão dele, nada do que eu faço é bom, as vezes ele é o melhor do mundo e do nada ele enloquece e fala que não dá pra ficar cmg e que não me quer, me xinga me humilha eu não sei o que fazer. Ele não aceita se tratar, chora do nada, briga, não conversa, eu amo ele, mas está difícil a situação e minha família já não quer mais que fique com ele, mas eles não sabem da situação dele. Quero tentar ajudar e não sei o que fazer.

  2. Extremamente difícil uma dor do doente e de todos ao seu redor, cada palavra é uma faca no meu coração de mãe? E quando não aceita o tratamento, só Deus….

  3. Difícil o diagnóstico, só agora com a internet fui capaz de entender que tenho o TB, e estou tratando, mas tenho 53 anos, todos os Neuros e Psiquiatras anteriores deram diagnósticos errados, tive inclusive Convulsões epiléticas psicogências tratada com Tegretol por 10 anos.

  4. Prezados
    Boa tarde,

    Há 10 anos atrás fui diagnosticada com BODERLINE, iniciei meu tratamento no instituto psiquiátrico das clínicas, e por 6 meses eu frequentei as consultas, tomei a medicação, direitinho, mas comecei sentir que a medicação me deixava extremamente para baixo, dormindo o dia todo. Comuniquei aos médicos, que mudaram algumas vezes minha medicação, as coisas demoraram a mudar e eu desisti!

    Desde lá,
    Tenho sofrido muito com os resultados que a linha do abismo me traz

    Preciso de ajuda e gostaria de voltas as sessões e ao tratamento

    Hoje não possuo plano de saúde

    Gostaria de saber os próximos passos !

    Estou Cansada de sacrificar bons relacionamentos e pessoas maravilhosas pela falta de tratamento
    Reconheço minha doença e quero ajuda

    1. OLá Natália, infelizmente quem tem transtorno de personalidade borderline, tem que tomar remédios por toda a vida, mas após um período tomando a medicação normalmente consegue ter uma vida equilibrada, por isso é importante seguir um tratamento a risca. O ideal seria procurar um Caps na região onde reside para passar por uma avaliação psiquiátrica. Abraço

  5. Meu nome é Aline e tenho um irmão como o diagnostico de Transtorno Bouderline, casado a 5 anos e a ponto de se separar tem tido crises ocasionando tentativas de suicidio atraves de medicamentos não sei o que fazer, ja conversei aconselhei mas não vejo resultado…esta a mais de 1 ano fazendo terapias e acompanhamento com um psiquiatra, tomando medicamentos,etc.Não sei o que fazer peço ajuda.A esposa dele já não aguenta mais e quer separar perdemos nossa mãe a 8 meses…e agora parece que as coisas pioraram.

    1. Olá Aline, ele está tomando medicações? está em tratamento? o ideal seria procurar o médico dele para entender melhor o que está acontecendo..

    1. Olá Cintia, sim o ideal seria ela procurar um psiquiatra para fazer o tratamento e a família também seguir um acompanhamento para dar suporte, ficamos à disposição!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos