Não aceitamos pacientes do SUS. Cobertura de planos de saúde apenas para internações. Consultas são somente particulares no Centro de Cuidados em Saúde Mental do HSM, unidade externa localizada na Praça da Árvore, em São Paulo.

Dependência Química

5 sintomas de pessoas que usam drogas para ajudar a identificar

5 sintomas de pessoas que usam drogas

Se alguém próximo a você se tornou agressivo, isolado ou está se inserindo em círculos de amizades duvidosas, convém ficar de olho e tentar ajudar. Geralmente, mudanças repentinas de comportamento podem ser sintomas de pessoas que usam drogas.

O fácil acesso a entorpecentes e a convivência com pessoas que usam tóxicos são fatores que favorecem o abuso dessas substâncias. A dependência química é um mal que atinge sutilmente um indivíduo, principalmente quando o primeiro contato com as drogas ocorre ainda na juventude.

Dada à complexidade que envolve essa questão, vamos ajudar a identificar os sintomas dos dependentes químicos e falar sobre como ajudar alguém que usa drogas. Acompanhe!

Banner com oferta de e-book gratuito sobre "Como Tratar a Dependência Química"

Como identificar os sintomas de pessoas que usam drogas?

Um dos pontos relevantes é saber identificar os sintomas de pessoas que usam drogas. Logo, a observação do comportamento para perceber se houve a adoção de novos hábitos e costumes é essencial. Familiares e amigos precisam estar atentos às mudanças muito radicais na personalidade e, mediante essas evidências, buscar formas de auxiliar seus entes queridos. Vamos entender agora quais são os sinais e sintomas de pessoas que usam drogas. Acompanhe!

Mudanças de humor ou de comportamento

Um dos primeiros sinais de que uma pessoa está abusando das drogas é uma mudança radical em seu humor ou em seu comportamento. Ela pode se tornar mais reservada, introspectiva e até apresentar sinais de culpa, depressão ou tristeza.

Dependendo do tipo de entorpecente consumido, o dependente também pode se tornar impaciente ou assumir posturas extremamente agressivas sem motivo aparente.

Os hábitos de alguém que se torna dependente de uma substância química costumam ser repetitivos e padronizados devido ao efeito das substâncias ilícitas. Assim, uma pessoa pode passar a ter hábitos noturnos ou passar a ter conflitos em sua vida social por consequência do abuso desses compostos.

Amizades ou companhias suspeitas

Salvo exceção, um dependente químico procura se aproximar das pessoas que lhe oferecem drogas. Por isso, ele pode passar a ter companhias diferentes e que antes não pertenciam ao seu círculo social.

Se você é próximo de uma pessoa que apresenta alguns dos sinais descritos aqui, procure observar quem são os amigos dela e como é a relação com essas pessoas. Desconfie de amizades muito recentes e que aparentam certo nível de confiança.

Evidências no corpo

Para ajudar a perceber os sintomas de pessoas que usam drogas, é bom  ficar de olho nos sinais ou evidências no corpo delas. Os mais comuns são arranhões, ferimentos, manchas e hematomas. De acordo com o tipo de substância consumida, pode até haver sangramentos ou marca de agulhas.

Além disso, as roupas também podem denunciar essa prática: o cheiro característico ou a mudança no estilo são fortes evidências. Outro sinal é o uso de itens estranhos como cachimbos, canudos, espelhos, garrafas vazias e objetos perfurantes. Essas evidências são importantes para iniciar um diálogo ou um questionamento para ajudar os dependentes químicos.

Alterações na rotina

Um dependente químico pode apresentar alterações também em seu metabolismo. Assim, sinais do abuso de drogas podem aparecer na alimentação: os mais evidentes são a falta ou o excesso de apetite.

O semblante de um dependente químico também costuma refletir o abuso de drogas. Olhos vermelhos, inchados ou mucosas do nariz irritadas também são indícios do uso de substâncias químicas.

Alterações no sono também devem ser consideradas. Problemas como insônia, sonambulismo ou uma inversão de hábitos podem surgir como efeito do abuso de tóxicos.

Distúrbios psicológicos

O abuso de drogas também pode desencadear transtornos mentais. As substâncias químicas usadas com fins recreativos, como as drogas psicoativas ou psicotrópicas, causam graves alterações no sistema nervoso. Em longo prazo, os danos podem ser irreversíveis.

Um usuário de drogas pode demonstrar desequilíbrio mental de diferentes formas. As alterações comportamentais dependem do nível de uso e do tipo de substância consumida. Irritabilidade, ansiedade patológica e depressão são os mais comuns.

Como ajudar alguém que usa drogas a superar esse problema?

O jornal O Globo divulgou uma pesquisa de um instituto ligado ao IBGE afirmando que o uso de drogas está aumentando entre os adolescentes brasileiros.Os resultados das pesquisas mostram que o percentual de jovens de 13 a 15 anos que experimentaram bebidas alcoólicas subiu. Em 2012 o percentual era de 50,3% e passou para 55,5% em 2015. Isso sugere a urgente necessidade de intervenções mais adequadas para conter os impactos negativos resultantes desse problema.

Enumeramos algumas sugestões para ajudar alguém que usa drogas. Confira!

Conversar sobre o assunto

Uma das melhores armas contra os impactos negativos decorrentes do uso de tóxicos é o diálogo aberto e honesto. Agir com paciência, sabedoria e utilizar palavras de incentivo é fundamental para obter êxito diante de situações delicadas como a suspeita do abuso de entorpecentes.

Adotar uma postura mais branda torna mais fácil a abordagem e a transparência durante a conversa. Isso ajuda a evitar que o questionamento sobre as razões que levaram a esse tipo de diálogo não  seja visto como uma ofensa ou ameaça à moral.

Conquistar a confiança do dependente químico

Ter mais confiança nos pais, irmãos, tios ou parentes próximos é muito importante para lutar contra a questão das drogas e vencer o vício. Logo, familiares e amigos devem evitar julgamentos ou juízos de valor em relação ao problema ou ao comportamento do dependente químico.

Se o usuário de drogas for ouvido e compreendido, isso será interpretado como uma motivação a mais para enfrentar esse problema. O equilíbrio nas relações familiares contribui bastante para fortalecer a pessoa e ajudá-la a crescer diante das adversidades.

Confiar nas pessoas próximas influencia diretamente o estado emocional e ajuda a preparar a pessoa para lutar contra o vício. Ter a certeza de que não está sozinho incentiva o compartilhamento de experiências e dos sentimentos mais difíceis.

Demonstrar que a família quer ajudá-lo

É muito difícil ver um ente querido sofrer ou fazer escolhas equivocadas que impactam negativamente sobre sua vida pessoal, afetiva, acadêmica ou profissional. Por isso, os familiares precisam demonstrar interesse em ajudá-lo.

Em algum momento, o usuário de drogas precisa perceber que a família está preocupada com a saúde, o futuro e o bem-estar dele. De certa forma, a certeza de que ele está sendo observado pode contribuir positivamente para fortalecer os laços familiares e, juntos, procurarem a melhor solução para o caso.

Como é o tratamento para a dependência química?

Ajudar uma pessoa a abandonar o vício em drogas não é uma tarefa fácil. Isso exige tempo e paciência para fazer com que a pessoa se conscientize a respeito de sua situação em relação às drogas.

Reconhecida a necessidade de iniciar um tratamento, é preciso buscar um diagnóstico correto que direcione à intervenção mais adequada. Em alguns casos, o estágio da dependência é tão avançado que compromete outras questões relacionadas à saúde do paciente, como distúrbios físicos ou mentais.

Para reverter esse quadro é preciso buscar o tratamento adequado, de forma que a recuperação seja eficaz e não haja recaídas no futuro. Além da desintoxicação, pode ser necessária a prescrição de medicamentos para regular as funções do organismo e controlar as emoções negativas.

O acompanhamento psicológico do paciente também é altamente recomendado. O ideal é buscar instituições que ofereçam um tratamento integrado por meio de intervenção multidisciplinar. O apoio de médicos clínicos, psicólogos e psiquiatras são imprescindíveis ao sucesso do tratamento.

Todo esse processo se torna mais fácil, se aliada à intervenção terapêutica, há o apoio familiar e dos amigos. Esse suporte fortalece a decisão em abandonar o vício e ajuda a evitar que a pessoa volte ao estado de dependência química.

Quando buscar ajuda profissional?

Saber como ajudar alguém que usa drogas é um dos aspectos mais relevantes nesse processo de luta contra o abuso dessas substâncias. Isso requer habilidades e técnicas que, nem sempre os familiares ou pessoas próximas possuem.

Tendo isso em vista, antes que o problema se transforme em algo irrecuperável, a busca de um tratamento especializado contra as drogas torna-se uma das melhores alternativas.

A intervenção médica varia de acordo com o nível de dependência do organismo. É necessário realizar um processo de desintoxicação gradual. Mas não é recomendado que uma pessoa em grau mais avançado de dependência interrompa o consumo dessas substâncias.

A interrupção brusca pode até oferecer um risco à saúde da pessoa, uma vez que a expõe a crises de abstinência. Por isso, o tratamento hospitalar é o mais seguro para ajudar alguém que usa drogas.

Dependendo do estado de saúde e do nível de comprometimento mental, a internação do paciente pode ser necessária. Ela pode ser feita de forma voluntária, ou seja, com o consentimento do dependente.

Nos casos mais graves, ela também pode ser feita de forma involuntária ou compulsória. Essa alternativa é a mais indicada quando a situação do dependente oferece risco a integridade dele ou a das pessoas de seu círculo social.

Igualmente relevante é compreender que a própria dependência química impõe uma condição muito complexa sobre a vida da pessoa. Por conseguinte, os usuários de drogas ficam completamente dominados pelo vício e transtornados pela falta de força emocional para lutar contra esse quadro.

Os sintomas variam de uma pessoa para outra, mas o padrão de dependência e os danos à saúde mental e física são, praticamente, os mesmos. Nesse sentido, a busca por ajuda em instituições especializadas em reabilitação mental, como o Hospital Santa Mônica, garante que haja meios para reverter os sintomas de pessoas que usam drogas, além de promover o bem-estar e a qualidade de vida.

Aprendeu com o nosso conteúdo? Então, você não deixe de ler também de aprender sobre como identificar um usuário de drogas?

37 Comentários em “5 sintomas de pessoas que usam drogas para ajudar a identificar”

  • Dark

    diz:

    Uma amiga minha chamada Manuela começou a usar drogas com a Menina que eu gosto, oque eu faço pra tentar ajudar socorro

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Olá, você já tentou conversar com ela sobre o assunto?

      Responder

  • JANETE INÊS BRESOLIN

    diz:

    Meu filho usava cocaína e eu não sabia…fiquei sabendo por outras pessoas ele ficou desesperado e me contou…Diz que jamais fará isso..Nao moramos na mesma cidade..
    Não sei oque fazer para ajudá-lo..ele diz que não usou muito..mas seus colegas dizem que sempre usou bastante…Chegou a ficar 3 anos sem usar…ahora estava usando novamente…Tem mania de perseguição…depressao preguiça. Não sei oque fazer…preciso de ajuda.

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Olá Janete, vamos entrar em contato

      Responder

  • Katia Camargo Pontes

    diz:

    Olá . Tenho notado um comportamento estranho com meu filho. Ele oi chegava ficar um dia inteiro sem se alimentar e dormindo. Ele se tranca no quarto e diz que assiste a séries. Tem o habito de jogar à noite no computador. Hoje o denunciaram para mim. Vim em casa e, quando ele saiu para trabalhar de tarde, remexi suas coisas e encontrei vários invólucros com tampa, pequenos de plástico incolor, vermelho e preto. Também havia um canudo e folhas finas de papel. Encontrei também dois saquinhos com fumo dentro. Qual vício ele provavelmente está tendo. O que fazer com ele. Não dá para fingir que ele não usa droga. Estou sem rumo.

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Olá Katia, provavelmente pode estar usando cocaina e maconha, não dá para afirmar, mas pelo comportamento relatado e pelos achados. O melhor caminho seria uma avaliação com um psiquiatra especializado em dependência química urgente e convencê-lo a um tratamento, ficamos à disposição.

      Responder

  • Monike

    diz:

    Descobri que meu amigo de muitos anos se viciou em maconha (e suspeito que outras drogas) durante essa pandemia. Ele tem andando com pessoas estranhas e criou um vínculo de amizade muito repentino (exatamente como vocês descreveram). Eu tentei alerta-lo sobre os prejuízos disso, como ele pode está acabando com a própria vida, mas ele apenas ficou extremamente agressivo com isso, uma agressividade que nunca havia manifestado antes. Tem alguma forma de ajudá-lo? Porque estou vendo uma pessoa tão inteligente, sempre foi um bom aluno, se perdendo para as drogas, e não sei mais o que fazer. É frustrante ver alguém que ama destruir o próprio futuro assim. A única opção que vejo é cortar contato, porque não quero me envolver com pessoas assim, mas queria saber se tem uma forma de ajudá-lo, alguma coisa que se possa fazer antes de tomar uma medida tão drástica.

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Monike, a maconha é a porta de entrada para outras drogas, o ideal seria internar para um tratamento, se quiser saber mais sobre o assunto nosso whatsapp é 11 99534-4287

      Responder

  • Andressa

    diz:

    Comecei a namorar um rapaz e sabia que usava eventualmente cocaína, mas agora o uso está mais frequente, acredito q devido a eventos recentes, como perdeu o emprego, etc. Ele diz que quer parar, mas nem sempre consegue controlar e se recusa a buscar ajuda. Moro em outra cidade, ele me afastou, não quer q eu vá ve-lo. Tenho medo, pois ele mora sozinho e não tem muito contato com a família. Devo insistir em ir visita-lo e tentar ajuda-lo?

    Responder

      • Dr. Carlos Roberto

        diz:

        Sua solução eh sempre internar todo mundo, as vezes aumenta sua gama de clientes né…
        Drogas é sim uma questão de saúde pública que deve receber muita atenção, mas aconselhar oferecendo seus serviços tão na cara assim só faz com que as pessoas não confie mais em tratamentos ou na ideia de que existe alguém realmente disposto a ajudar…
        Seja mais delicada com seu objetivo prospero-profissional

        – Dr. CARLOS ROBERTO

        Responder

        • Mônica

          diz:

          Olá Dr. Carlos, nem todos os casos são de internação, só o psiquiatra analisando o caso pode recomendar ao paciente ou familiar a internação, mas já prestamos assistência a inúmeros pacientes com dependência química, muitas vezes o tratamento ambulatorial não é fácil e a recaída vem, por isso, é importante internar para fazer uma desintoxicação e entender melhor as razões que levam a pessoa a consumir as drogas. Ficamos à disposição!

          Responder

  • Priscila flores

    diz:

    Hoje quando meu marido foi me buscar no curso ele desceu pra comprar uma coca cola , quando eu percebi uma coisa arrolada no usulfilme era maconha e quero a separação porque no meu ponto de vista ele está usando essa maldita droga , e está trazendo riscos para meus filhos , então amanhã cedo vou mandar ele sair da minha casa não quero .aos ele do meu lado e nem do lado dos meus filhos.

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Olá Priscila, nossa sugestão é o diálogo, sabemos que não é fácil, mas a primeira coisa é conversar e entender porque ele está usando a maconha e se ele tem intenção de parar pela família, abraço

      Responder

  • Meu filho usa cocaína , mas está desempregado , agora deu pra sair andar e pegar lixo e roupas velhas as passa 3 dias fora de casa , volta com os pés machucados e sujo acho que está desenvolvendo transtorno mental

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Olá Andreia, o melhor caminho é fazer uma internação involuntária para ajudá-lo no tratamento, ficamos à disposição (011) 99667-7454
      (011) 99534-4287

      Responder

  • Heloa

    diz:

    Tinha um irmão diabético que tomava remédios controlados devido a convulsões frequentes. Eu soube que ele usou maconha, mas pela idade eu até considerava coisa de adolescentes. Até que o pior aconteceu. Ele acabou falecendo e teve uma parada cardíaca. Com o laudo médico descobrimos que ele fazia o uso de cocaína, e agora sim eu entendo o porque de tantas convulsões (devido ao uso das drogas os remédios acabavam não fazendo efeito e até piorando a sua condição). Hoje a culpa é grande, e eu me pergunto como eu não percebi… Ele apresentava todos esses sinais relatados.

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Olá Heloa, primeiro é importante é trabalhar o seu emocional porque além de perder seu ente querido, você está trabalhando com a culpa por não ter visto os sinais, cuide da sua saúde mental para que possa superar essa perda na sua vida.

      Responder

  • Daiane

    diz:

    Meu namorado tem vício em cocaina deis da adolescência, a 5 anos quando perdeu a mãe da filha dele ele se afundou cada vez mais, a família tentou internar mais ele ficou 1 mês e já quis sair, conheço ele a 2 anos e há 2 anos é essa luta, tento de várias forças ajudar, já Internei ele, ficou 2 meses na clinica e em fevereiro ele saiu por vontade própria e voltou pras drogas e está até hj nessa luta, já estou querendo desistir de ajudar ele, nos temos agressões físicas direto, já não aguento mais, e ao msm tempo não quero deixá-lo pois ele irá se afundar mais ainda, e a família dele o abandonou e não quer mais contato com ele então estou carregando esse fardo sozinha ? meu psicológico está muito abalado pois a 1 ano interreu meu filho e agr meu namorado tá querendo se matar também ?

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Olá Daiane, já ouviu falar em internação involuntária? Talvez seja o caminho, mas você também precisa se cuidar e cuidar da sua saúde mental e do seu filho… Se precisar, seguem os nossos contatos (011) 99667-7454 / (011) 99534-4287

      Responder

    • Eloisa

      diz:

      Bom dia, Daiane. Sinto muito pelo que vc está passando e pela perda do seu filho. Vc já ouviu falar de co-dependencia? Todo dependente químico tem um co-dependente, uma pessoa com quem ele pode contar e até “descontar”. Leia sobre o assunto na internet. Pesquise e afaste-se dessa pessoa. Experiência própria. Busque ajuda de um psicólogo. Te desejo felicidades.

      Responder

  • Adelina

    diz:

    Ola!me add no watts,preciso de orientações sobre meu filho adolescente,urgente!(79)99690-7591

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Olá Adelina, vamos entrar em contato com você!

      Responder

  • Tatiana Lima Costa

    diz:

    Olá tenho um primo que, usa cocaína bebida alcoólicas ultimamente está com mania de perseguição, falta de sono, repetitivo. Está bebendo todos os dias. Nós da família não sabemos como ajudar a 2 semana atrás tinha umas manchas roxas no peito e no braço. Será que isso é por conta da droga?
    Moramos em Salvador tem slgum lugar que, podemos levá-lo para ajudar ele?

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Olá Tatiana, o ideal seria levá-lo em uma consulta com um psiquiatra especializado em dependência química, ele deve pedir exames para entender se são os efeitos das drogas ou se é algum problema clínico. Ficamos à disposição.
      (011) 99667-7454
      (011) 99534-4287

      Responder

  • Maria

    diz:

    Ola eu desconfio que meu filho está usando drogas, se fizemos um exame, descobrir q ele usar drogas?

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Olá Maria, tem exame toxicológico que identifica o uso de drogas, mas o ideal seria um diálogo aberto com ele, se precisar, ficamos à disposição – ooks
      (011) 99667-7454
      (011) 99534-4287

      Responder

  • Marleide

    diz:

    Preciso de ajuda meu namorado está se acabando em vício começou dizendo q era bebida agora cocaína mas acredito q pode ser crack pois está descontrolado e agressivo além de uma ansiedade fora dele.
    Não sei como ajuda_lo?
    Nunca m vi nessa situação.

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Já ouviu falar em internação involuntária? Entre em contato conosco (011) 99667-7454/(011) 99534-4287

      Responder

  • Aline

    diz:

    Sinto q preciso de ajuda .
    Mas nao posso me internar .

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Olá Aline, se não pode se internar, seria melhor agendar uma consulta com um psiquiatra especializado em dependência química e iniciar um tratamento, mas o melhor caminho é fazer a desintoxicação.

      Responder

  • Luzineia Ferreira de Morais

    diz:

    Meu marido sempre bebeu mais de uns dois anos para cá tenho notado que intensificou o uso do álcool ele apresenta falta de apetite quase não se alimenta direito perda de peso incontinência urinária lentidão não para mais em emprego vive nervoso desanimado chora fala que por conta do falecimento da mãe tem 2 anos de falecida ou vive assim sem ânimo por conta do ambiente e do irmão que lhe trabalho fica sem tomar banho até 3 dias não se importa com nada em sua aparência reclama muito de tudo parece viver um desgosto pela vida a urina dele tem cor alaranjada tenho brigado muito para ele ir no médico ele não quer fora que vi ele pegar um tubinho de cocaína de um cara que ele mais entrega para o irmão que é usuário ele jura que não usa drogas só mesmo a maldita pinga o que devo fazer será que ele usa outras drogas além da álcool me sinto perdida me ajudem

    Responder

  • Maria

    diz:

    Meu marido está usando drogas não sei qual é mais usa com uma lata não sei mais o que fazer diz que vai para mais depois faz dinovo

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Olá Maria já pensou em internação involuntária? Entre em contato conosco e saiba mais (011) 98657-4262 /(011) 99534-4287

      Responder

  • Dilcileia Conceicao Santana

    diz:

    Sou do Rio de janeiro.
    Meu marido é usuário de álcool e cocaína.
    Descobri a 11 anos.
    Não a se abre comigo e não aceita ajuda. Não sei mais oque fazer.

    Responder

    • Mônica

      diz:

      Olá Dilcileia, recebemos pacientes de todo o país, o ideal seria um tratamento para desintoxicação, seguem nossos contatos (011) 98657-4262 /(011) 99534-4287

      Responder

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

gradient
Cadastre-se e receba nossa newsletter