Publicado em 2 comentários

Abandonar o vício em drogas: é possível fazer isso sozinho?

É possível abandonas o vicio de drogas sozinho

O vício em drogas causa danos à saúde e pode afastar um dependente químico de seu convívio social. A facilidade no acesso aos entorpecentes e a influência de outras pessoas que consomem essas substâncias fazem com que o viciado precise de ajuda para sair das drogas.

Mas será que é possível deixar de usar drogas sozinho? O tratamento médico e a ajuda de outros profissionais podem ser dispensados em determinados casos?

Este post busca esclarecer essas questões e também os procedimentos necessários para deixar de uma vez por todas o consumo de drogas. Acompanhe e tire todas as suas dúvidas sobre o assunto.

Entenda o que está por trás do consumo de drogas

Entender os motivos do consumo de drogas é essencial para determinar o modo de combater a dependência química e abandonar o vício.

Existem diversos fatores que levam uma pessoa a abusar dessas substâncias. Eles podem ser sociais, emocionais ou podem estar relacionados a algum distúrbio físico ou mental.

O ambiente em que o dependente está inserido é uma das questões com o maior peso. O contato com entorpecentes costuma acontecer por meio de pessoas muito próximas, como amigos ou até familiares.

Não são raros os casos de crianças e adolescentes cujo consumo de drogas inicia diante do exemplo de familiares e de outras pessoas cujo contato é mais direto e constante. Ter consciência de que essa influência não é positiva para uma pessoa vulnerável às drogas é muito importante. Porém, não é fácil tomar a decisão de evitar o convívio com essas pessoas.

Os fatores emocionais estão relacionados ao meio social em que um dependente químico convive. O abuso de substâncias pode acontecer diante do envolvimento emocional com quem estimula ou facilita o acesso a essas substâncias. Também pode se dar como uma forma de fuga de determinada situação, como o luto, por exemplo.

A dependência química também pode causar ou esconder outros problemas de saúde. Como muitos entorpecentes atuam no sistema nervoso do indivíduo que os consome, eles podem desencadear ou agravar transtornos mentais. Em alguns casos, essas substâncias mascaram os sintomas, dificultando o diagnóstico correto.

Por conta de todos esses fatores, abandonar o vício exige tratar também causas que vão além do uso de drogas. Essa tarefa dificilmente pode ser realizada sem ajuda médica especializada. O acompanhamento profissional adequado será capaz de tratar as vulnerabilidades do paciente, as quais podem ter sido responsáveis pelo início do consumo de entorpecentes.

Conheça o primeiro passo para abandonar o vício em drogas

Muitas vezes, o consumo de substâncias químicas deixam o indivíduo em um estado de euforia ou depressão, de modo a não conseguir compreender os efeitos desses compostos sobre seu organismo.

Assim, a medida mais importante para abandonar o vício em drogas é a pessoa reconhecer seu estado de dependência química. Ter essa consciência é o primeiro passo para começar a combater esse quadro e buscar a ajuda necessária.

Porém, quanto mais o paciente demorar a buscar tratamento, mais difícil e longo tende a ser o processo de recuperação. Em determinados estágios, é necessário fazer a desintoxicação do organismo e até mesmo a internação pode ser recomendada.

Se você tem contato com alguém nessa situação, procure estabelecer uma relação de confiança com a pessoa, a fim de que ela se sinta apoiada. Esse contato fará com que um dependente químico reconheça a necessidade de buscar ajuda e assim acelerar a sua recuperação.

Descubra como é o tratamento médico e a internação

Os efeitos das drogas no organismo tendem a se agravar quanto mais recorrente for o consumo dessas substâncias. A maioria dos entorpecentes consumidos com fins recreativos atua no sistema nervoso central de um indivíduo, causando alterações que vão desde uma sensação física de relaxamento até alucinações.

Como se não bastassem esses efeitos, à medida em que o organismo se torna dependente dessas substâncias, a falta dela também faz mal. Não são raros os casos de crises de abstinência de quem é privado ou tenta abandonar abruptamente o consumo de drogas.

Assim, deixar de consumir essas substâncias exige primeiro a desintoxicação do corpo. Ela deve ser acompanhada por profissionais especializados, pois o consumo da droga deve ser reduzido gradualmente até a total limpeza do organismo.

E como mencionamos no primeiro tópico, um dependente químico pode apresentar transtornos mentais causados ou agravados pelo abuso de drogas. Nesses casos, o tratamento médico é fundamental para evitar a piora do estado de saúde do paciente.

Em quadros clínicos mais graves, a internação do indivíduo pode ser necessária. Ela requer uma equipe de profissionais especializados para fazer o acompanhamento durante e depois desse procedimento.

Conheça a importância da reinserção social e prevenção de uma recaída

O objetivo maior de qualquer tratamento contra a dependência química é o retorno do paciente ao convívio social e, consequentemente, possa realizar normalmente suas atividades de rotina. Voltar a se sentir bem e revigorado é algo motivador.

Porém, uma pessoa que tenha apresentado um quadro de dependência química precisa de apoio e acompanhamento constantes para evitar uma recaída. Assim, a assistência médica especializada continua sendo fundamental, mesmo depois da recuperação completa.

Os casos que envolvem o tratamento de transtornos mentais também necessitam de acompanhamento psicológico ou psiquiátrico adequados. Dependendo dos danos causados à saúde de um indivíduo, o uso de medicação pode ser recomendado de forma temporária ou definitiva.

Os principais desafios que o usuário de drogas enfrenta na reintegração social

Certamente, muitos desafios surgem quando alguém está no processo de recuperação e reinserção social. O preconceito aparece como uma das principais barreiras a serem ultrapassadas, pois é complicado confrontar o descrédito e a discriminação.

Sabemos que o usuário de drogas, não rara às vezes, está ligado a um histórico de vulnerabilidades emocionais e conflitos nas relações interpessoais. Tais fatos geram muita desconfiança no núcleo social, o que pode ocasionar mais dificuldades nesse processo de retomada.

A fase de recolocação na sociedade envolve aspectos relacionados à recuperação da confiança em si mesmo e de terceiros. A pessoa em tratamento convive com o próprio receio de ter recaídas, pois ainda está na fase de reestruturação psicológica e fisiológica.

Além disso, a sociedade carrega consigo a desconfiança no que diz respeito ao pleno restabelecimento do indivíduo ex-usuário de substâncias nocivas. É comum julgarem que a pessoa, em algum momento, sucumbirá novamente ao vício.

Outra tarefa árdua será evitar as tentações. É certo que o dependente químico tem amigos que também são usuários. Esses que podem ser instigados a também largar o vício em ver o outro enfrentar essa luta, podem ser, por outro lado, os maiores influenciadores negativos e provocar a recaída da pessoa em tratamento.

Ainda no enfrentamento das tentações, faz-se necessário a busca pela aquisição de novos hábitos. É plenamente possível se divertir sem usar substâncias nocivas. Sendo assim, procure praticar algum esporte de sua preferência, coloque na sua rotina atividades ao ar livre, dentre outras ocupações positivas. Isso proporcionará bem-estar e mais autoestima.

Diante desses fatores, vale destacar a relevância de encontrar apoio para enfrentar esses desafios, sobretudo estando ao lado das pessoas certas, as quais, geralmente, são os familiares e os amigos mais íntimos. Esses serão os responsáveis por manterem o indivíduo emocionalmente forte e motivado.

Entenda a importância do apoio da família e dos amigos como ajuda para sair das drogas

Diálogo e compreensão são fundamentais para auxiliar a recuperação de um dependente químico. Durante o tratamento, é necessário que ele não se sinta julgado ou reprimido. O que deve ser priorizado é fazer com que a pessoa adquira o sentimento de pertença. A sensação de pertencer a um grupo familiar e de amigos será a base estrutural psicológica para o indivíduo superar o vício.

Recomenda-se, por exemplo, que pessoas as quais lidam com pacientes nessa situação evitem expressões como a palavra “viciado” para se referir a um dependente químico. Isso porque ela tem um significado pejorativo e seu uso pode afastar o indivíduo em vez de fazer com que ele se sinta acolhido.

Lembre-se: o apoio de pessoas próximas é determinante para a recuperação de uma pessoa que abusa das drogas. Ele tem grande poder para fazer com que o paciente siga em frente em seu tratamento e evita que ele volte ao quadro de dependência desses compostos. Estar rodeado de pessoas que entendem o seu problema e que proferem constantemente palavras de força, é algo revigorante para aquele que enfrenta tal problema.

Aprenda os benefícios de optar pelo tratamento em uma clínica de reabilitação

Não há dúvidas que essa opção traz muitas vantagens e pode tornar a recuperação menos difícil. Um dos benefícios é o suporte médico e psicológico disponibilizado. Por meio desse aparato, o paciente dependente químico será tratado de forma especializada, fazendo a ingestão adequada de medicamentos e passando por uma reestruturação da base emocional.

Além disso, aquele que quer se libertar do vício terá como suporte uma infraestrutura, que o protegerá de todas as possíveis tentações, evitando as traumáticas recaídas. Nesse ambiente, o usuário tem acesso à acomodações limpas e confortáveis, alimentação balanceada e nutritiva, atividades saudáveis e o mais importante terapias individuais e em grupo com profissionais especializados em dependência química. Esses são elementos fundamentais para a eficácia do tratamento e que ajudam o indivíduo a ter novos hábitos saudáveis.

Então, vimos neste post os fatores que estão por trás do consumo, a atitude inicial para se livrar da dependência, os aspectos relacionados ao tratamento adequado e o apoio familiar e de amigos como ajuda para sair das drogas. Abandonar o vício em entorpecentes é uma tarefa praticamente impossível de realizar sozinho. Portanto, busque auxílio com a equipe especializada do Hospital Santa Mônica.

Gostou do artigo? Se você tiver mais dúvidas sobre o tema ou estiver em busca de tratamento, entenda tudo o que você precisa saber sobre drogas e os procedimentos para combater a dependência.

2 comentários sobre “Abandonar o vício em drogas: é possível fazer isso sozinho?

  1. preciso me livrar da cocaína, sou dependente químico há aproximadamente uns 25 anos. Quero muito deiixar esse vício maldito, mas não tenho apoio dos meus irmãos. Me ajudem pelo Amor de DEUS! serei eternamente grato!

    1. Inaldo, por favor passe seu contato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *