Você conhece quais são os efeitos da depressão em seu corpo? - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

A depressão é uma das doenças mentais mais comuns no mundo, estima-se que mais de 300 milhões de pessoas, de todas as idades, sofram com esse transtorno, segundo dado da OMS – Organização Mundial de Saúde. A depressão é um distúrbio mental, mas também afeta sua saúde física e bem-estar. Aprenda mais sobre alguns dos sintomas mais comuns da depressão, e também como a depressão pode afetar todo o seu organismo, principalmente se não for tratada, conforme o artigo publicado pela Healthline.

Sentir-se triste ou ansioso às vezes é uma parte normal da vida, mas se esses sentimentos durarem mais de duas semanas, podem ser sintomas de depressão. De acordo com a OMS, cerca de 5,8% da população brasileira sofrem de depressão – um total de 11,5 milhões de casos. O índice é o maior na América Latina e o segundo maior nas Américas, atrás apenas dos Estados Unidos, que registram 5,9% da população com o transtorno e um total de 17,4 milhões de casos.

No entanto, a depressão clínica, especialmente se não for tratada, pode interromper sua vida cotidiana e causar um efeito cascata de sintomas adicionais.

Depressão afeta como você se sente e também pode causar alterações em seu corpo. A depressão maior (uma forma mais avançada de depressão) é considerada uma condição médica séria que pode ter um efeito dramático na sua qualidade de vida.

Sistema nervoso central

A depressão pode causar muitos sintomas no sistema nervoso central, muitos dos quais são fáceis de descartar ou ignorar.

Adultos mais velhos também podem ter dificuldade em identificar alterações cognitivas porque é fácil descartar os sinais de depressão relacionados ao “envelhecimento”. Segundo a Associação Americana de Psicologia, os idosos com depressão têm mais dificuldades com perda de memória e tempo de reação durante as atividades diárias comparadas com adultos mais jovens com depressão.

Os sintomas da depressão incluem tristeza e um sentimento de culpa. Pode ser descrito como um sentimento de vazio ou desesperança. Algumas pessoas podem achar difícil colocar esses sentimentos em palavras. Também pode ser difícil para eles entenderem, pois os sintomas podem se manifestar e causar reações físicas. Episódios frequentes de choro podem ser um sintoma de depressão, embora nem todos os que estão deprimidos chorem.

Alguns sintomas incluem:

  • Você também pode se sentir cansado o tempo todo;
  • Ter problemas para dormir à noite;
  • Irritabilidade;
  • Raiva;
  • Perda de interesse em coisas que costumavam trazer prazer, incluindo sexo.

A depressão pode causar ainda dores de cabeça, dores corporais crônicas e dores que podem não responder à medicação. Às vezes, também é um efeito de certas doenças neurológicas, como Alzheimer, epilepsia e esclerose múltipla.

Pessoas com depressão podem ter problemas para manter um horário normal de trabalho ou cumprir obrigações sociais. Isso pode ser devido a sintomas como incapacidade de concentração, problemas de memória e dificuldade em tomar decisões.

Algumas pessoas deprimidas podem recorrer ao álcool ou drogas, o que pode aumentar os casos de comportamento imprudente ou abusivo. Alguém com depressão pode conscientemente evitar falar sobre isso ou tentar mascarar o problema. Pessoas que sofrem de depressão também podem se preocupar com pensamentos de morte ou se automutilar.

Embora exista um risco 25 vezes maior de suicídio, mesmo durante o processo de recuperação, a Associação Americana de Suicidologia relata que o tratamento para a depressão é eficaz de 60 a 80% do tempo.

Sintomas em crianças

A depressão pode ser mais difícil de detectar em crianças que não conseguem articular seus sintomas. Comportamentos que você pode querer observar incluem persistência de aderência, preocupação e falta de vontade de frequentar a escola sem melhorar com o tempo. As crianças também podem ser excessivamente irritáveis ​​e negativas.

Sistema digestivo

Embora a depressão seja frequentemente considerada uma doença mental, ela também desempenha um papel importante no apetite e na nutrição. Algumas pessoas lidam com excesso ou compulsão. Isso pode levar ao ganho de peso e doenças relacionadas à obesidade, como o diabetes tipo 2.

Você pode até perder completamente o apetite ou deixar de comer a quantidade certa de alimentos nutritivos. Uma súbita perda de interesse em comer em idosos pode levar a uma condição chamada anorexia geriátrica.

Problemas alimentares podem levar a sintomas que incluem:

  • Dor de estômago;
  • Cólicas;
  • Prisão de ventre;
  • Desnutrição.

Esses sintomas podem não melhorar com a medicação se uma pessoa não comer a dieta correta. Doces e alimentos ricos em carboidratos podem proporcionar alívio imediato, mas os efeitos são frequentemente temporários.

É importante manter uma dieta saudável ao experimentar depressão. Os nutrientes são essenciais para garantir que os neurotransmissores do corpo estejam funcionando corretamente. De acordo com um estudo Trusted Source, as deficiências nutricionais e vitamínicas mais comuns são:

  • Ácidos gordurosos de omega-3;
  • Vitaminas B;
  • Minerais;
  • Aminoácidos.

Sistema cardiovascular e imunológico

Depressão e estresse estão intimamente relacionados. Os hormônios do estresse aceleram a frequência cardíaca e apertam os vasos sanguíneos, colocando seu corpo em um estado prolongado de emergência. Com o tempo, isso pode levar a doenças cardíacas.

A recorrência de problemas cardiovasculares está mais ligada à depressão do que a outras condições, como:

  • Fumar;
  • Diabetes;
  • Pressão alta;
  • Colesterol alto.

Se não tratada, a depressão aumenta o risco de morte após um ataque cardíaco. As doenças cardíacas também são um gatilho para a depressão. A Cleveland Clinic estima que cerca de 15% das pessoas com doenças cardíacas também desenvolvam depressão maior.

Depressão e estresse podem ter um impacto negativo no sistema imunológico, tornando as pessoas mais vulneráveis a infecções e doenças. Uma revisão analisou estudos e descobriu que parecia haver uma relação entre inflamação e depressão, embora a conexão exata não seja clara. A inflamação está ligada a muitas doenças, como o estresse. Alguns agentes anti-inflamatórios demonstraram beneficiar algumas pessoas com depressão.

Em alguns casos, quando recomendada pelo profissional da área da saúde, a internação deve ser considerada como a melhor forma de tratar a depressão. O Hospital Santa Mônica atua há 50 anos prestando atendimento psiquiátrico, com destaque ao trabalho que realiza na área de saúde mental.

Interessa-se pelo tema deste artigo e quer receber mais publicações como esta? Para continuar a nos acompanhar, não deixe de assinar nossa newsletter e receber atualizações!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos