Famosa perdeu habilidade de falar e entender os outros durante crise de estresse - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

FERNANDA LABATE 29 DE JANEIRO DE 2020

Conforme artigo publicado no site Vix no último dia 29, Usando seu perfil no Instagram, a blogueira e empresária Shantal Abreu relatou recentemente ter sido diagnosticada com uma crise de estresse após sentir alterações na visão e dificuldades tanto para falar quanto para entender palavras – sintomas que a preocuparam pela semelhança com os sinais que o corpo dá durante um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Crise de estresse: famosa relata o que sentiu

Com a ferramenta Stories da rede social, Shantal publicou vídeos em que aparece deitada em uma cama de hospital contando como foram os sintomas de sua crise emocional. Segundo a blogueira, tudo começou em casa, quando ela subitamente passou a enxergar de forma estranha. “Sabe quando um flash vem no seu olho e aí você fica enxergando meio esquisito? Eu estava enxergando assim”, descreveu ela.

Perda da fala

Após comer algo e não notar uma melhora, ela decidiu se deitar para ficar de olhos fechados, mas, quando tentou avisar o marido, Mateus Verdelho, percebeu que não estava conseguindo falar normalmente. “Eu não conseguia formar as palavras para falar. […] Eu não lembrava das palavras, tentava falar qualquer coisa e não saía”, afirmou, ressaltando que, ao pegar o celular para tentar ler, tudo ficou mais confuso.

“Eu não conseguia ler! As palavras, para mim, pareciam uma imagem que não tinha significado nenhum”, explicou Shantal, que continuou tentando explicar a situação para o marido, com pouco sucesso. “[Ela] não falava nada com nada, umas palavras que não existiam”, relatou Mateus nos vídeos, e Shantal comentou que também não estava conseguindo entendê-lo.

“Eu falava palavras que não existiam, ele me falava umas palavras e eu não entendia o que ele estava falando, como se ele estivesse falando árabe”, relatou a empresária que, por ter trombofilia, pensou que podia estar tendo um AVC – algo que não se confirmou. “Fiz os exames e foi só um ‘nervous breakdown’. Foi um surto, Tive uma crise emocional”, explicou a empresária.

Segundo ela, seu dia anterior havia sido conturbado e cheio de situações estressantes, algo que pode ter motivado os sintomas. Ao deixar o médico, porém, ela relatou uma recomendação para buscar um neurologista para descartar outras possibilidades, como a enxaqueca com aura, que pode apresentar sintomas semelhantes em alguns casos.

Crise de estresse: o que é

Estresse recorrente e seus sintomas

O estresse é uma emoção natural do ser humano e, quando acontece repentinamente, gera reações fisiológicas também naturais no corpo – mas passar por este processo constantemente é algo que pode, a longo prazo, prejudicar o organismo como um todo.

De acordo com Marcel Vella Nunes, psiquiatra do Hospital Santa Mônica, o estresse afeta praticamente todas as áreas do corpo e tem reações bem características.

Conforme explica, o estresse eventual causa tensão muscular, respiração rápida e coração acelerado como forma de “preparar” o corpo para um eventual perigo. Se ocorrer de forma constante, no entanto, a pessoa pode desenvolver dores crônicas de cabeça, na lombar e nos membros superiores, pressão alta, queda da libido, alteração no ciclo menstrual nas mulheres e impotência sexual nos homens.

A partir do momento em que o corpo tem estas reações de “defesa” com frequência, porém, ele pode ficar exausto. “À medida que o sistema nervoso autônomo continua a desencadear reações físicas, [ele] causa um desgaste no corpo. Não é tanto o que o estresse crônico faz com o sistema nervoso, mas o que a ativação contínua do sistema nervoso faz com os outros sistemas corporais que se torna problemático”, diz ele.

O que ocorre durante a crise

O acúmulo disso ou a ocorrência de algo emocionalmente desgastante (como a perda de uma pessoa próxima ou até a mudança brusca gerada na vida com a chegada de um filho, por exemplo) pode então desencadear a crise. Com isso, é possível que a pessoa sinta um mal-estar geral marcado por sintomas mais simples, como náuseas e dores de cabeça, até mais agudos, como formigamento e dificuldades para falar.

Os sintomas relatados por Shantal, segundo o psiquiatra, têm caráter dissociativo, ou seja, fazem com que a pessoa tenha alterações da percepção do ambiente e controle do corpo em diversos sentidos. Além da dificuldade em se expressar e entender o que se vê, é possível que o paciente apresente também alterações na visão, perda de memória, crises de identidade e chegue até a convulsionar.

Ter estes sintomas com muita frequência, no entanto, pode indicar a presença de um distúrbio psicológico que não necessariamente tem relação com o estresse e precisa ser devidamente avaliado por um especialista.

Tratamento e prevenção

Segundo o especialista, uma crise de estresse pode, a curto prazo, ser manejada com medicamentos que estabilizam o paciente e seus sintomas, mas também é importante agir na raiz do problema, identificando as causas da instabilidade emocional e buscando resolvê-las (ocasionalmente com o uso de psicoterapia no processo). Já a prevenção está em um estilo de vida equilibrado e uma boa rede de apoio.

“Existem algumas estratégias benéficas para o estresse como manter uma rede de apoio social saudável, praticar exercícios físicos regulares e ter uma boa qualidade de sono”, afirma ele, ressaltando que é importante buscar um profissional de saúde mental devidamente licenciado para identificar e encontrar formas de solucionar obstáculos que estejam impedindo o paciente de ter esse estilo de vida saudável.

Crise de estresse x AVC x enxaqueca com aura

Apesar de tanto a crise de estresse quanto o AVC e a enxaqueca com aura poderem trazer dificuldade de fala e compreensão, estes problemas são diferentes. Em geral, enquanto a crise ocorre como descrito, a enxaqueca e o AVC se diferenciam pelos fatos de a primeira frequentemente trazer sensibilidade à luz e responder a medicações, e de o segundo causar uma dor incapacitante que não melhora com analgésicos administrados em casa e no hospital.

É importante lembrar, porém, que, a partir da manifestação destes conjuntos de sintomas, é importante buscar atendimento médico independentemente da interpretação pessoal sobre o quadro, mas entender as características de cada um desses males pode ajudar a tranquilizar o paciente.

Enxaqueca com aura: o que é, sintomas e como identificar

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a enxaqueca acomete cerca de 15% da população mundial – e, para algumas das pessoas que sofrem desse intenso tipo de cefaleia, ela aparece com a chamada aura. Nestes casos, a dor de cabeça é precedida por alguns sintomas que não costumam ser relacionados com a enxaqueca e, entre eles, está a dificuldade em falar.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBC), a aura é um conjunto de sintomas que aparecem antes da dor de cabeça e são, em grande parte das vezes, visuais. Para 90% das pessoas que têm enxaqueca com aura, é comum enxergar pontos pretos ou brilhantes e imagens em zigue-zague que surgem em uma parte do campo visual e podem aumentar com o passar do tempo.

Além das alterações visuais, outro sintoma frequente são as alterações sensitivas, em que o paciente pode sentir formigamento ou dormência em um lado do corpo. Aqui, é comum que essa sensação comece nos braços, na face e até na língua, também se espalhando progressivamente. Já o terceiro tipo de aura é o que tem sintomas como os descritos por Shantal: ou seja, a disatria e a afasia de expressão.

Durante uma crise de enxaqueca com aura, o paciente pode apresentar tanto dificuldades para pronunciar algumas palavras (disatria) quanto a emissão de sons incompreensíveis ao tentar falar, mesmo conseguindo pensar normalmente nas palavras que quer falar (afasia de expressão). Após o término da aura, é possível que surja uma dor de cabeça intensa.

Enquanto a enxaqueca com aura se diferencia de outros tipos de cefaleia justamente pela presença destes sintomas sensoriais, a enxaqueca normal é diferente das demais dores de cabeça por apresentar dor latejante em apenas um dos lados da cabeça e ser, geralmente, acompanhada por sensibilidade à luz e a barulhos, náuseas e vômitos.

AVC: o que é, sintomas e como identificar

Segundo informações do Hospital do Coração (HCor), há dois tipos de AVC. O primeiro e mais comum é o isquêmico, caracterizado pela falta de sangue em uma área do cérebro causada pela obstrução de uma artéria, enquanto o segundo é o hemorrágico, que é um sangramento causado pelo rompimento de um vaso sanguíneo. Apesar de diferentes, ambos são perigosos e requerem atendimento de emergência.

Com o AVC, o paciente apresenta sintomas mais repentinos que os da enxaqueca com aura e mais agudos que os da crise emocional, que evoluem gradualmente e, geralmente, têm um gatilho. É comum, aqui, a pessoa sentir fraqueza, formigamento na face e em um lado do corpo, dor de cabeça intensa sem causa aparente, falta de equilíbrio, perda da fala, tontura, confusão, e alterações visuais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos