Automutilação e tentativas de suicídio! Conheça os sintomas de adolescentes internados atualmente - Hospital Santa Mônica
Estamos passando por uma instabilidade no telefone fixo. Entre em contato no número (11) 99667-7454
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

Diante do crescimento (lento, porém constante) do suicídio entre os jovens brasileiros nos últimos anos, a saúde mental desses indivíduos passou a ser um tema recorrente, tanto na mídia quanto no ambiente familiar. Engana-se, portanto, quem pensa que este é um problema esporádico.

O estudo anual realizado pelo Ministério da Saúde, denominado Mapa da Violência, aponta que nos últimos 12 anos o número de suicídio entre jovens de 15 a 29 anos apresentou um aumento considerável de quase 10%.

Nesse contexto, práticas de automutilação também merecem atenção porque alertam para um sofrimento intenso, podendo estar relacionadas a sinais precoces da tentativa de suicídio.

Neste artigo, você vai entender os principais sintomas e hábitos que adolescentes com transtornos mentais manifestam e como a identificação desses sinais pode auxiliar o tratamento. Acompanhe!

Como identificar comportamentos de automutilação?

O ato de automutilação considera qualquer intuito de se ferir deliberadamente. Cicatrizes, queimaduras e cortes realizados de forma intencional por meio de facas, tesouras, lâminas de barbear ou mordidas são alguns exemplos desse comportamento.

É fato que a maioria dos adolescentes que se automutilam tentam esconder as marcas e cicatrizes dos familiares. Desse modo, é importante se atentar ao comportamento desses indivíduos.

Muitas vezes, eles utilizam calças e blusas de manga comprida mesmo em dias quentes, se isolam frequentemente ou apresentam algum retraimento social. Outros fatores a serem observados são feridas e contusões inexplicáveis, a presença de objetos afiados sempre próximos e o abuso de álcool e drogas.

Qual a relação entre automutilação e suicídio?

Não é exagero dizer que a autolesão é um indício da pretensão suicida. Esse comportamento expressa um sofrimento psíquico importante e é um dos poucos sinais que a psicologia consegue identificar que predizem a tentativa de suicídio dentro de alguns meses.

A automutilação acontece principalmente devido à necessidade de reduzir a tensão, estresse ou sofrimento que o jovem vivencia. Ao se mutilar, algumas substâncias opioides são liberadas no organismo e acontece uma falsa sensação de alívio da situação pela ligeira anestesia causada.

O problema, nesse caso, é que depois que essa sensação passa, o adolescente é acometido por sentimentos de culpa e vergonha. Desse modo, quadros de tristeza e insatisfação são potencializados.

Quais os sintomas dos pacientes internados?

Os pacientes que são internados devido a automutilação ou tentativa de suicídio apresentam alguns sintomas ou hábitos em comum. São eles:

  • agressividade e irritabilidade;
  • diminuição do apetite e emagrecimento;
  • delírios e alucinações;
  • transtornos bipolares;
  • prejuízo de memória;
  • insônia;
  • ansiedade e depressão;
  • frases confusas e desconexas.

É importante ressaltar que essas manifestações são percebidas em jovens internados tanto por abuso de drogas quanto por transtornos mentais.

Como lidar com essa situação?

Estabelecer um diálogo constante pode ser o primeiro passo para que problemas de ansiedade, depressão ou transtornos de personalidade sejam identificados e, a partir desse ponto, acompanhados por um profissional da saúde.

Além disso, esses comportamentos não se desenvolvem do dia para a noite. O processo leva meses para alcançar esse ponto e é fundamental tratar os sinais, sem minimizar ou diminuir os sentimentos dessas pessoas.

Diante da identificação do quadro de automutilação, os pais devem procurar o psiquiatra ou pediatra para avaliar a situação clínica desses pacientes. O suporte e orientação desses profissionais também vão se mostrar imprescindíveis, pois serão de grande ajuda ao decidir sobre qual é a melhor conduta a ser adotada.

Medidas como hospitalização e tratamentos de distúrbios, que possam aumentar o risco de suicídio, são algumas das alternativas. Contudo, o mais importante é compreender os problemas e angústias que o seu familiar está passando, pois isso é imprescindível para um tratamento eficaz. O jovem que tem atitudes de automutilação ou tentativa de suicídio precisa ser ouvido sem julgamentos, sendo o diálogo uma busca constante.

E então, tirou algumas das suas dúvidas sobre o assunto? Que tal assinar nossa newsletter e aprofundar seus conhecimentos sobre saúde mental?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos