Vigorexia: entenda as causas, sintomas e qual o tratamento indicado - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

O exercício físico é conhecido por trazer benefícios à saúde — aumenta a disposição, diminui o estresse, melhora o condicionamento físico, ajuda a controlar a ansiedade e a depressão, entre outros. Além disso, a sua prática frequente auxilia no controle do peso, o que é um atrativo para muitas pessoas.

O que algumas delas não sabem é que, como todas as outras coisas, o excesso pode ser prejudicial. O exagero traz consequências físicas, como dores musculares e problemas nas articulações, por exemplo, além de emocionais. A vigorexia é um tipo de transtorno psicológico que pode ser causado pelo excesso de exercícios físicos.

Quer saber mais sobre a doença e entender como ela pode afetar a vida das pessoas? Continue lendo este artigo!

O que é vigorexia?

A vigorexia é uma doença psicológica caracterizada pela preocupação constante em não ser suficientemente musculoso. O transtorno também é chamado de Dismorfia Muscular e Anorexia Nervosa Reversa. Os indivíduos acometidos com a vigorexia estão sempre insatisfeitos com os seus corpos e passam a ter uma visão distorcida sobre as suas próprias formas.

Como consequência, o paciente adota hábitos cada vez mais extremos, como dietas rigorosas, consumo de suplementos alimentares, uso de anabolizantes e a prática excessiva de atividades físicas. Isso acaba desenvolvendo exageradamente alguns grupos musculares e tirando a uniformidade da figura corporal.

O indivíduo com vigorexia tende a se enxergar como alguém fraco e pequeno, quando, na verdade, já tem músculos desenvolvidos em níveis acima da média da população. Tal distorção da própria imagem muitas vezes faz com que essa pessoa deixe de sair em público, por vergonha do seu corpo, ou use muitas camadas de roupas, mesmo quando faz calor, para evitar a exposição. 

Quais são as causas da vigorexia?

Uma das causas da vigorexia é o padrão estético estabelecido pela sociedade, cada vez mais exigente em relação aos atributos físicos. Com o excesso de tecnologia e uso de redes sociais, o indivíduo está mais exposto a esses padrões e passa a almejar o “corpo ideal”.

Além disso, pessoas que não são consideradas atraentes sofrem discriminação, o que pode trazer sérias consequências emocionais. Um estudo aponta que esse tipo de situação pode dificultar o desenvolvimento de habilidades sociais e prejudicar a autoestima.

A vigorexia pode ser observada em mulheres, mas acomete, principalmente, homens com idade entre 18 e 35 anos. A presença de alguns fatores pode fazer com que o individuo seja considerado como parte do grupo de risco para a doença, como o estado emocional em que ele se encontra, o ambiente, baixa autoestima e o uso de anabolizantes.

Quais são os principais sintomas da vigorexia?

Algumas pessoas podem pensar que vigorexia e fisiculturismo são a mesma coisa. Essa ideia é errada, porque o fisiculturismo é um estilo de vida caracterizado pela prática normal de musculação associada a uma rotina saudável. A vigorexia, por sua vez, é uma doença definida pela obsessão do desenvolvimento de músculos e visão distorcida sobre a própria imagem.

É preciso estar atento aos sinais do transtorno para saber diferenciá-lo do fisiculturismo saudável e saber quando é hora de buscar ajuda. Veja, agora, uma lista com os principais sintomas da vigorexia:

  • distorção da imagem corporal;
  • preocupação excessiva com a dieta e ingestão de proteínas;
  • prática de exercícios físicos até sentir dor ou ter lesões musculares;
  • críticas constantes ao próprio corpo;
  • consumo excessivo de suplementos alimentares;
  • uso de esteroides anabolizantes;
  • alterações de humor;
  • perda de compromissos ou obrigações sociais para não deixar de malhar ou não sair da dieta;
  • insônia;
  • aumento da frequência cardíaca mesmo quando em repouso;
  • menor desempenho sexual;
  • sentimento de inferioridade.

Como é o tratamento para vigorexia?

O tratamento contra vigorexia deve ser feito por uma equipe multiprofissional especializada, com médico, psicólogo, nutricionista e um profissional de Educação Física. Apesar de não existir uma terapia específica para a doença, algumas práticas usadas em quadros correlatos trazem resultados satisfatórios no tratamento da doença.

Um dos primeiros passos do tratamento é a suspensão do uso de anabolizantes. Esse processo pode ser bastante difícil para o paciente, por isso, o acompanhamento médico e psicológico é fundamental. Muitas vezes, essa ação é tomada em simultaneidade com a introdução de medicamentos antidepressivos à base de serotonina, com o objetivo de controlar os sintomas relacionados à ansiedade e o comportamento obsessivo compulsivo.

O tratamento psicológico é voltado para a recuperação da autoestima e identificação dos padrões distorcidos de percepção corporal. Esse trabalho estimula o reconhecimento de pontos positivos na própria aparência e a adoção de hábitos mais saudáveis.

A prática de exercício físico não deve ser interrompida durante o tratamento. Por isso, a presença de um profissional de Educação Física na equipe é indispensável. Assim, o paciente pode começar a fazer treinos que sejam compatíveis com a sua capacidade corporal, sempre com supervisão e orientação profissional.

Como o Hospital Santa Mônica pode ajudar?

O Hospital Santa Mônica é uma instituição especializada em Saúde Mental com mais de 50 anos de experiência. Contamos com uma equipe multiprofissional capacitada, com médicos, psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas e outros profissionais do ramo da Saúde.

O hospital está construído em uma área de mais de 80 mil m² com mata preservada, o que proporciona uma mudança de ambiente e sensação de bem-estar nos pacientes. A nossa estrutura física é ideal para o acolhimento e tratamento de pacientes com transtornos psicológicos. Contamos com salas, quadras, piscina, consultórios e leitos para internação, caso seja necessário. 

O Hospital Santa Mônica propõe aos pacientes algumas atividades que são importantes para a sua recuperação e proporcionam momentos de recreação, como prática de esportes, hidroginástica, academia, pilates, pintura, dançoterapia, terapias com animais, dentre outras.

A vigorexia é uma doença séria e pode causar graves efeitos no corpo, como danos nos rins, fígado e coração, além de problemas nas articulações, lesões musculares e nos tendões e até a morte.

Se você acha que tem uma visão distorcida sobre o próprio corpo e sofre com as consequências dos atos praticados para se encaixar em um padrão estético, pode ser que esse seja um caso de vigorexia. O mais indicado é procurar apoio profissional para o correto diagnóstico e início do tratamento.

Entre em contato conosco e saiba como podemos ajudar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos