Como o excesso de tecnologia afeta a saúde mental de crianças e adolescentes? - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

O excesso de tecnologia tem sido uma das maiores preocupações da saúde pública. Isso porque esse problema pode atrapalhar o desenvolvimento infantojuvenil e comprometer a saúde mental de crianças e adolescentes.

Recentemente, a Organização Mundial de Saúde (OMS) inseriu o vício em games na lista das doenças classificadas como distúrbios mentais. Esse fato exemplifica o quanto é preciso priorizar ações educativas visando o controle sobre o uso excessivo de eletrônicos na era digital.

Neste texto, vamos explicar como a excessiva exposição à tecnologia impacta negativamente a saúde mental de crianças e de adolescentes. Acompanhe!

Como o excesso de tecnologia afeta a saúde mental de crianças e adolescentes?

Entender como a tecnologia compromete a saúde mental na infância e juventude é essencial para direcionar ações preventivas capazes de conter esse problema.

Para ajudar você nessa tarefa, listamos abaixo as situações mais comuns e que evidenciam maiores riscos à saúde:

Smartphones

Olhar o celular a todo instante já se tornou um hábito entre jovens e adultos. Entretanto, o uso excessivo desses dispositivos consome um tempo considerável que poderia ser destinado a outras tarefas ou dedicado a algo mais importante.

Na infância e na juventude, o fato de o indivíduo ainda estar se descobrindo e se desenvolvendo o torna mais vulnerável à dependência de tecnologia. Nessa fase, o surgimento de sintomas de irritabilidade e ansiedade também são mais evidentes ao ficar muito tempo desconectado.

Redes sociais

Quem já nasceu na era digital gosta de ficar por dentro de tudo o que está acontecendo. Assim, crianças e adolescentes se mantêm o tempo todo conectados às redes sociais para conferir atualizações de amigos, celebridades ou o que mais julgarem interessante.

Adolescentes dependentes de tecnologia costumam deixar de lado os compromissos e perder o interesse por aquilo que antes era visto como importante. Geralmente, eles apresentam muita dificuldade em se dedicar às tarefas escolares e se afastam da família e dos amigos.

Quando esse hábito por eletrônicos foge à regra e se torna uma obsessão, é preciso buscar ajuda. Isso porque, entre outras consequências, o uso excessivo de tecnologia também pode evoluir para problemas mais graves, como a ansiedade e a depressão.

Games

A dependência em games, principalmente entre crianças e adolescentes, é estimulada por uma reação bioquímica que ocorre no cérebro. Durante o jogo, há a liberação de dopamina, substância associada à sensação de prazer, euforia e recompensa. Isso faz com que o jogador tenha tanta dificuldade para sair da tela.

No entanto, esse hábito afeta o comportamento e compromete a capacidade de raciocínio quando o indivíduo não está jogando. É como se o cérebro se tornasse dependente dessa situação para exercer as suas funções vitais.

Como reduzir os impactos desse problema?

A grande disponibilidade de informações, a perda de interesse por outras atividades e a dificuldade para lidar com problemas geram constantes desequilíbrios emocionais. Nos mais jovens, esses fatores influenciam o isolamento social e acentuam os transtornos de ansiedade e o estresse.

Certamente, as inovações tecnológicas surgiram para melhorar a nossa vida. Todavia, quando o uso desequilibrado desses recursos assume uma dimensão patológica, o ideal é buscar tratamento para reverter esse quadro.

Perspectivas de soluções seriam campanhas educativas que conscientizassem crianças e adolescentes sobre a importância de desenvolver o autocontrole para preservar a saúde mental. Mas, no nível crítico, o excesso de tecnologia exige intervenção profissional psicológica.

Se você conhece alguém que está lidando com esse problema, compartilhe este artigo nas suas redes sociais e ajude os amigos a repensar o uso da tecnologia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos