Dia Mundial de Combate ao Mal de Parkinson: como perceber sinais antecipadamente - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

O dia 11 de abril de todos os anos é o Dia Mundial de Combate ao Mal de Parkinson. A data é uma maneira de chamar atenção para a Doença de Parkinson como forma de conscientizar a população sobre os cuidados necessários com os pacientes.

Neste post, a doutora Luciana Mancini Bari, clínica geral do Hospital Santa Mônica irá abordar um pouco mais sobre essa data, explicando o que é a doença e como ela afeta o organismo, mostrando quais são os principais sinais e sintomas. Confira!

Dia Mundial de Combate ao Mal de Parkinson: a importância da conscientização

O Dia Mundial de Combate ao Mal de Parkinson foi criado com a intenção de conscientizar a sociedade sobre a doença e os seus perigos, além de disseminar informações sobre os avanços no tratamento.

Dra. Luciana Mancini Bari reforça que “Quando falamos em Parkinson devemos pensar no doente e não somente na doença. Ainda que a doença não tenha cura e ainda não haja uma resposta definitiva sobre o que causa o seu desenvolvimento, mas hoje em dia já possível duplicar a expectativa de vida dos pacientes graças às pesquisas feitas no setor.”

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, melhores são os resultados do tratamento. É muito importante que a população esteja consciente sobre os sintomas da Doença de Parkinson — assim, sempre que identificá-los, vão entender a necessidade de procurar um especialista.

O que é a Doença de Parkinson

A Doença de Parkinson é degenerativa, crônica e progressiva, e atinge o sistema nervoso central. Ela acontece quando há uma diminuição na produção de dopamina pelo corpo, substância responsável pela transmissão de mensagens entre as células nervosas. É a dopamina que ajuda na realização de movimentos voluntários automáticos do corpo, aqueles que são feitos sem que o indivíduo precise pensar sobre eles antes de realizá-los. 

Sem a dopamina, o controle motor é perdido, o que ocasiona os sintomas mais conhecidos da doença, que são os tremores e a lentidão nos movimentos. 

A Doença de Parkinson é mais comum na terceira idade. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 1% da população mundial com mais de 65 anos é portadora da doença. Ao todo, são mais de 4 milhões de parkinsonianos no planeta, e com o aumento da expectativa de vida, a estimativa é que esse número dobre até 2040. 

Os principais e primeiros sintomas que indicam o Parkinson

Os sintomas da Doença de Parkinson podem se manifestar de maneiras diferentes em cada indivíduo. No geral, eles aparecem primeiramente em um dos lados do corpo e costumam se agravar nessa região, mas isso não quer dizer que o outro lado também não vá ser afetado.

Segundo um artigo publicado pela Mayo Clinic, estes são os principais sintomas da doença:

  • tremores em repouso — os primeiros tremores costumam afetar os membros do corpo, principalmente mãos e dedos, enquanto estão em repouso;
  • lentidão motora — com o tempo, o indivíduo começa a apresentar lentidão nos movimentos, o que pode tornar difíceis e demoradas algumas tarefas do dia a dia, como se sentar ou trocar de roupa. A caminhada também se torna mais lenta, geralmente com passos curtos e pés arrastando no chão;
  • rigidez nas articulações — isso pode acontecer em qualquer parte do corpo, assim como a rigidez muscular, e pode causar dores e limitações nos movimentos;
  • mudanças na fala e na escrita — a fala se torna mais lenta e pode ocorrer alguma hesitação antes de pronunciar palavras. A escrita também se torna mais difícil e, geralmente, as letras desenhadas são menores do que as de costume.

Sempre que um desses sintomas for observado, é importante procurar ajuda médica especializada para que o diagnóstico seja confirmado ou descartado o mais rapidamente possível, dando início ao tratamento, quando necessário. 

A especialista salienta que “Nem todos os pacientes irão desenvolver os mesmos sintomas, por isso, é necessário ter uma abordagem multidisciplinar, com médico, psicólogo, fisioterapeuta, fonoaudiologista e o profissional da área de educação física. Esse tratamento global pode  melhorar muito a vida do paciente. Provavelmente, ele não conseguirá voltar a realizar tudo como antes da doença, mas poderá desfrutar da vida dentro da sua capacidade.”
 
Ressalta ainda que “Outro ponto importante é que toda a família esteja orientada e informada sobre a doença, para que esteja preparada para dar o suporte necessário ao paciente, que pode conviver muito bem com a doença.”
 

O Hospital Santa Mônica tem uma equipe multiprofissional especializada no tratamento de doenças crônicas ou degenerativas e no auxílio a pessoas que não consegue realizar as atividades do dia a dia. Oferecemos cuidados integrais a pacientes hospitalizados e àqueles que vivem na nossa comunidade, com consultas médicas, terapias e atividades físicas no tratamento de pacientes idosos com a Doença de Parkinson, que têm como objetivo melhorar a qualidade de vida dos pacientes. 

No Dia Mundial de Combate ao Mal de Parkinson, reafirmamos o nosso compromisso com a saúde dos nossos pacientes e nos colocamos à disposição para ajudar. Para marcar uma consulta ou tirar dúvidas sobre o tratamento, entre em contato conosco!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos