Alzheimer: 4 sinais que indicam necessidade de internação - Hospital Santa Mônica
Estamos passando por uma instabilidade no telefone fixo. Entre em contato no número (11) 99667-7454
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa progressiva, considerada uma das principais formas de demência, com prevalência entre pacientes idosos. Nela, há perda de memória e da capacidade de aprender que, aos poucos, passam a comprometer até mesmo a realização de tarefas banais do dia a dia.

Segundo a Associação Brasileira de Alzheimer, hoje há mais de 1 milhão de portadores no Brasil. No mundo, o número ultrapassa 35 milhões. Seus sintomas, que começam com esquecimentos sutis, podem levar à completa dependência de um cuidador para atividades como comer e realizar a higiene pessoal.

Para entender mais sobre a doença, conheça a seguir quatro sinais que indicam a necessidade de internação do paciente e saiba como é realizado o tratamento.

1. Dificuldade de realizar a higiene pessoal

O Alzheimer costuma ser classificado em três estágios: leve, moderado e avançado. Quando o transtorno está em seu estágio avançado, dessa forma, impacta ações de cuidados pessoais e até mesmo a capacidade de ir ao banheiro, com casos comuns de incontinência urinária e fecal.

Assim, a internação é recomendada a fim de que os pacientes possam receber as intervenções clínicas necessárias para que não tenham problemas com a evacuação e recebam auxílio na hora de tomar banho, pentear os cabelos e escovar os dentes, por exemplo.

2. Problemas para se alimentar

À medida que a doença avança, é comum que os pacientes se esqueçam de comer. Aos poucos, todavia, ela afeta até mesmo a capacidade de desempenhar essa ação, o que demanda acompanhamento.

Em casos mais avançados, há dificuldade de deglutição, o que torna fundamental o uso de sonda para nutrição do indivíduo.

3. Facilidade para se perder fora de casa

Conforme a doença progride, seus sintomas podem ser identificados pelo próprio paciente, enquanto a demência não tem um avanço extremo, ou por familiares e pessoas próximas.

É recorrente entre esses sintomas. a partir do estágio moderado, que haja limitações para andar na rua, como em visita a locais da vizinhança, e surja em seu lugar dificuldade para retornar ao lar.

Você provavelmente já deve ter ouvido falar sobre algum idoso perdido na rua, certo? Esse é um quadro comum que o Alzheimer pode acarretar e a internação se torna uma alternativa segura para a integridade do paciente, já que sua vulnerabilidade pode expô-lo a riscos e até mesmo à má fé de pessoas com intenção de os roubar ou praticar violência contra eles.

4. Excesso de agitação e agressividade

A demência e a perda de memória são situações bastante duras de se lidar, capazes de afetar a autoestima e o humor dos pacientes com Alzheimer.

Casos nos quais há episódios sucessivos de agitação e agressividade podem precisar de um auxílio médico diário, com prescrição de medicamentos e cuidados clínicos possíveis à manutenção de seu bem-estar

Como é feito o tratamento?

Hoje, ainda não há cura para o mal de Alzheimer. A medicina apresenta, entretanto, formatos de tratamento capazes de prolongar as fases iniciais da doença e amenizar seus sintomas, permitindo aos pacientes mais qualidade de vida e momentos agradáveis ao lado da família e dos amigos.

A primeira medida é o tratamento farmacológico. Nele, é utilizada uma medicação capaz de inibir a degradação da acetilcolina, uma substância presente no cérebro que pode ser a responsável pelo avanço da doença.

Ademais, cada sintoma psicológico e comportamental pode solicitar remédios específicos voltados a manter o quadro estável.

Tão importantes quanto a utilização de medicamentos são as estimulações das capacidades cognitivas, sociais e físicas de cada indivíduo. Com o exercício delas, acredita-se que seja possível frear por mais tempo o avanço da doença a seu estágio mais avançado.

Podendo ser necessária a partir do momento em que o Alzheimer causa declínio cognitivo moderado a severo, a internação é uma forma de garantir sua segurança e a terapia necessários a mantê-lo bem por mais tempo, de modo que possa ter uma qualidade de vida mais satisfatória diante de suas limitações.

Se você quiser saber mais sobre internação e tratamento para a doença, entre em contato com nossa equipe, do Hospital Santa Mônica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos