Como funciona a dependência química no trabalho? - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

De acordo com o Relatório Mundial sobre Drogas, do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), pelo menos 200 milhões de pessoas usam alguma substância ilícita. Nesse sentido, o crescimento da dependência química no trabalho tem se tornado uma preocupação cada vez maior para as empresas.

Embora o uso do álcool, maconha, cocaína e outros tipos de drogas muitas vezes passe despercebido nas organizações, a verdade é que trabalhadores dependentes químicos sofrem com grandes dificuldades em decorrência desse hábito.

A diminuição da motivação, o surgimento de conflito entre os funcionários e até a demissão do emprego são consequências que podem ser geradas a partir da dependência química.

Por esse motivo, dada a relevância do assunto, preparamos este post para explicar como é a relação de um dependente químico com o trabalho. Continue a leitura!

Quais são os impactos do uso de drogas no ambiente corporativo?

Sabe-se que a dependência química interfere diretamente tanto em fatores físicos quanto psicológicos. Desse modo, é indiscutível que também impactará de forma bastante negativa as atividades trabalhistas e ações cotidianas na empresa.

Abaixo, apontaremos algumas consequências no ambiente corporativo, resultantes do uso de drogas:

  • queda da qualidade do trabalho;
  • perda da produtividade;
  • atrasos com frequência;
  • diminuição da capacidade atencional;
  • necessidade de saídas em horário de expediente;
  • alterações no comportamento;
  • mudanças nos hábitos cotidianos (descuido com a aparência, higiene pessoal etc).

A quais sinais de alerta as empresas devem ficar atentas?

É importante destacar que, assim como a família, as empresas também precisam ter atenção a determinados acontecimentos que podem indicar que um indivíduo é dependente químico. Confira!

Ausências durante o trabalho

Normalmente, pessoas que sofrem com a dependência química passam a ter atrasos com frequência ou costumam deixar seus postos de trabalho em horário de serviço. Esse hábito pode ser explicado pela inquietação ocasionada pelo vício ou pela grande necessidade do uso da droga em dado momento.

Ocorrência de acidentes de trabalho

Uma das principais causas dos acidentes de trabalho é a dependência química. Estima-se que um em cada cinco acidentes é provocado pelo consumo de drogas, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

As substâncias presentes na maconha, cocaína e heroína, por exemplo, afetam a capacidade de concentração e coordenação, o que dificulta a utilização de máquinas corretamente, bem como reflete no mau uso dos equipamentos de segurança.

Queda de produtividade

As drogas provocam mudanças intensas no funcionamento do cérebro, e quanto mais intenso o vício, piores são os efeitos na produtividade. Isso porque a concentração é afetada, já que a ansiedade pelo uso de substâncias químicas é grande.

Além disso, se o trabalhador faz pausas em suas atividades, há uma interrupção do seu fluxo de ação, o que aumenta a dificuldade de produzir rapidamente e resulta na perda de tempo.

Dificuldades no relacionamento interpessoal

Alternâncias no comportamento com os colegas, reações exageradas às sugestões ou críticas, isolamento e tendência a evitar o contato em grupo também podem ser um sinal do uso de drogas.

Como lidar com trabalhadores dependentes químicos?

Diante da situação, é fundamental que a empresa adote uma postura proativa. Em vez de optar apenas pela concessão de licenças ou pelo afastamento do funcionário, o ideal é encontrar uma atuação adequada.

O estímulo de práticas saudáveis e a promoção da conscientização são as melhores opções. Inclusive, é importante informá-lo que a internação não deve ser cogitada somente em situações extremas, pois quanto mais cedo for realizado o tratamento, mais rápida será a recuperação.

Nesse sentido, alertar também que o mais adequado é procurar uma instituição de referência, como o Hospital Santa Mônica, que conta com uma equipe multidisciplinar, trabalha de forma personalizada, tem infraestrutura diferenciada e assim fornece todas as condições para o alcance de um estilo de vida livre das drogas.

Perceba então que a dependência química no trabalho é um assunto que merece atenção, não só pelas consequências que tem para a empresa, mas principalmente também pelos prejuízos que serão causados aos trabalhadores dependentes químicos.

Toda a equipe do ambiente corporativo será essencial para o restabelecimento da qualidade de vida que foi reduzida em decorrência do uso das drogas.

Gostou deste post? Então, aproveite para complementar a leitura e entender se existe relação entre suicídio e carreira!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos