Publicado em 18 comentários

Como posso ajudar um dependente químico que não quer ajuda?

Como posso ajudar um dependente químico que não quer ajuda

A maioria dos usuários de substâncias químicas não reconhece que são pessoas dependentes, pois vivem a angustiante dualidade de não querer mais consumir a droga e, ao mesmo tempo, não entender como podem viver sem ela. Familiares e amigos sofrem ao tentar estabelecer estratégias em como ajudar um dependente químico e fazê-lo reconhecer que precisa de tratamento.

O apoio e a ajuda são atitudes fundamentais para que os dependentes tenham um tratamento positivo. Porém, é preciso saber como ajudar, pois muitas famílias acabam, sem querer, agindo como aliados do consumo e dos comportamentos inadequados.

Diante dessa situação crítica, é compreensível que familiares e amigos tenham muitas dúvidas sobre como agir adequadamente. Por isso, existem algumas dicas fundamentais para dar suporte a um dependente químico que não quer ajuda. Continue e leitura!

Procure um lugar calmo para conversar

O primeiro passo para ajudar um dependente químico é estabelecer uma relação de proximidade, confiança e segurança. Para isso, procure um momento a sós para conversar e oferecer todo apoio e ajuda que ele precisa.

É importante não se colocar no lugar de cúmplice, demonstrando conivência com as escolhas ruins que ele fez, mas sim oferecer um diálogo aberto e franco, com o objetivo de fazer o dependente entender sobre os impactos do vício e reconhecer que sua ajuda é mesmo necessária.

Para isso, é muito importante se preparar. Tenha a certeza de que reuniu todas as informações existentes sobre o vício, para saber como conversar e expor suas ideias, conscientizando o dependente sobre os perigos que ele corre.

Então, escolha um local público, onde o dependente se sinta seguro, pois esse é um diálogo muito difícil e desconfortável para ambos. Procure apresentar suas preocupações com clareza, mostrando situações em que o vício têm causado problemas. Além disso, deixe claro que, caso o dependente queira se tratar, haverá sempre disposição para ajudá-lo.

Para auxiliar na conversa e buscar o equilibro, caso aconteça algum conflito, leve um mediador para fazer parte da conversa. Alguém em que ambos possam confiar e ter segurança, mas que também seja uma pessoa que não tenha uma ligação tão intensa e emocional com o dependente.

Use palavras de apoio e incentivo

Para alcançar a proximidade com o dependente, especialmente quando se trata de um familiar muito próximo, esteja sempre alerta e vigilante com seu modo de falar. Palavras negativas e xingamentos terão efeito contrário e contribuirão para piorar a convivência.

Para isso, é essencial estabelecer controle emocional, não deixando que o nervosismo e a decepção invadam seu coração e alcancem as palavras, pois, uma vez proferidas, elas não voltam atrás.

Sempre que estiver com o dependente, busque palavras para incentivar e demonstrar atitudes positivas, evitando brigas e conflitos. Isso não significa compactuar com os erros, mas criar uma conversa amigável, prazerosa, confiável e de proximidade, pois o foco é promover a ajuda necessária.

Uma estratégia pode ser apontar alguns comportamentos que não são aprovados, sem exagerar nas críticas ou ameaçar com punições. Em seguida, ofereça sua presença como um suporte na tentativa de buscar o tratamento.

Crie uma estratégia de como ajudar um dependente químico sem acusações

Em qualquer relação, acusações são sempre o pior caminho na busca por soluções para os conflitos. O dependente químico precisa confiar em quem está se disponibilizando a ajudá-lo, por isso estabelecer um relacionamento nesse tom não ajudará em nada.

Para muitas famílias, após descobrir que a pessoa é dependente, o primeiro impulso é querer assumir o controle, impondo castigos e fazendo comparações. Não tenha essa reação, pois ela pode fazer a pessoa se afastar, o que contribui para afundá-la ainda mais no vício.

Os familiares devem avaliar a situação e os acontecimentos ao redor, para encontrar os motivos que possam ter estimulado o uso de uma substância entorpecente. Assim, pressionar o dependente não é o melhor caminho. Antes é preciso estabelecer um vínculo, para que ele saiba com quem pode contar e assim encontre o tratamento mais eficaz.

Estabeleça limites

O consumo de substâncias químicas faz o dependente perder alguns parâmetros de convívio social e familiar. O uso das drogas não gera apenas problemas de saúde, mas também de relacionamentos interpessoais, escolares/profissionais e, às vezes, até jurídicos.

Isso torna a situação bem mais complicada. Fica difícil estabelecer uma forma de ajudar um dependente químico que não quer ser auxiliado. Por isso, é muito importante estabelecer limites do que pode e do que não pode ser feito, especialmente quando a pessoa estiver sob efeito das drogas.

Para isso, é necessário se afastar e deixar que o dependente perceba que suas ações têm consequências sob seus relacionamentos. O afastamento não precisa ser somente físico, mas pode incluir atitudes como não realizar as tarefas que o dependente deveria fazer em casa, no trabalho ou na escola. Além disso, não cobrir suas despesas, para que, estando sóbrio, tenha que encarar os impactos dos seus atos e do seu vício.

Busque ajuda médica

Quando um familiar ou amigo busca por soluções de como ajudar um dependente químico, um passo importante é encontrar um profissional preparado, que possa oferecer conselhos e determinar o tratamento adequado para aquele tipo de vício.

O médico especializado poderá propor o uso de medicamentos e encaminhá-lo para uma clínica de reabilitação. Por isso, é importante conhecer a clínica e saber qual a metodologia utilizada na reabilitação dos dependentes.

O tratamento deve ser feito por uma equipe multidisciplinar, que inclua médicos, enfermeiros, psicólogos, nutricionistas e orientadores, que possam fazer um acompanhamento periódico do paciente e avaliar a evolução do tratamento.

Para garantir que o dependente sinta-se confortável, ofereça companhia para ir às consultas, acompanhar as conversar com os médicos e visitar a clínica escolhida, pois é essencial que ele saiba do apoio que possui, e que não está sozinho no processo de recuperação.

É muito comum enfrentar alguma recaída nesse processo, o que gera frustração e sentimento de derrota no paciente. Por isso, tente agir com naturalidade, espere o momento certo para falar e não imponha cobranças. Apenas auxilie na oportunidade de recomeçar, pois isso é determinante para a permanência e o sucesso do tratamento.

Procure ajuda também

Enfrentar as consequências da dependência química de um familiar ou amigo é uma situação extremamente delicada e penosa pois, no dia a dia, os sentimentos de raiva, culpa e medo tomam conta dos pensamentos.

Por isso, parte do processo de como ajudar um dependente químico envolve a busca por  assistência para familiares e amigos envolvidos. Existem, em muitas cidades, grupos que promovem encontros, físicos e on-line, com o objetivo de reunir familiares de dependentes para oferecer ajuda mútua, ensinando como agir e compartilhando tratamentos eficazes para os pacientes.

Escolher o caminho da reabilitação não é uma decisão conjunta pois, somente o dependente pode reconhecer sua dependência e optar por investir em um tratamento.

Porém, o empenho dos familiares em descobrir como ajudar o dependente químico é o combustível para que sintam-se amparados e possam utilizar todo o apoio, cuidado e confiança que lhes são oferecidos para deixar o vício e seguir em busca da recuperação.

Para saber mais como agir nos momentos delicados da vida, leia estas dicas de como lidar com as adversidades e superar as tristezas.

 

18 comentários sobre “Como posso ajudar um dependente químico que não quer ajuda?

  1. Preciso Muito ajudar meu filho primeiro parar de fumar e em seguida não fazer uso da maconha .não necessita e tá difícil já procurei ajuda aqui na minha cidade Cláudio. E ele não aceitou agora já vai fazer 20 anos e desde os 12 anos ele fuma …e de cortar o coração de uma mãe.me ajudem por favor. Obrigado. Viviane.

    1. Olá Viviane, você poderia agendar uma consulta com o psiquiatra, se ele se recusar você pode avaliar a internação involuntária, seguem mais informações
      https://hospitalsantamonica.com.br/internacao-involuntaria-quando-e-o-momento-certo/

  2. Não sei como ajudar meu filho, ele tem 25
    anos e não tem objetivos na vida, devido ao
    uso de maconha e álcool. Ele leva na brincadeira. Precisamos de ajuda.

    uso de maconha e álcool. Precisamos de
    ajuda.

    1. Olá Yone, você pode fazer uma internação involuntária, sabia mais aqui https://hospitalsantamonica.com.br/internacao-involuntaria-quando-e-o-momento-certo/ ou ligue para (011) 99534-4287 que daremos orientação para você.

  3. Meu filho e dependente do craque

    1. Olá RITA, podemos ajudar?

  4. Meu Marido está usando droga, já conversei segui oq esta escrito aqui e mesmo assim ele não para de usar e alega que não consegui mais para, estpu desesperado tenho uma bebe de 2 anos ele chega fica vendo coisas na casa, alguém me ajuda por favoe eu ja nao sei oq fazer

    1. Olá Gabrielly você pode fazer uma internação involuntária, https://hospitalsantamonica.com.br/internacao-involuntaria-quando-e-o-momento-certo/ saiba mais sobre o assunto, ou entrar em contato com a nossa equipe para passar por uma avaliação e validação da necessidade de internação (011) 99534-4287

      Ficamos à disposição

  5. Tem filho.ele usa droga ja ficou 6 mes e saiu pior …nao quer mais ir pra clínica fazer tratamento oqur ru faco neste causa preciso de ajuda

    1. Olá Cleide, bom dia, passe seu contato para ligarmos para você ou ligue para (011) 99534-4287, você pode fazer uma internação involuntária, saiba mais em https://hospitalsantamonica.com.br/internacao-involuntaria-quando-e-o-momento-certo/

  6. Pessoal, tudo em paz?
    Tenho um filho, 16 anos, que há cerca de 3 anos tem demonstrado mudanças de comportamento e, acompanhando de perto essas alterações, após muitas conversas, ele confessou o uso de maconha. Ele é um menino muito bom… até que não tentemos impedi-lo de sair. Qualquer ajuda nossa, como pais, ou da família e amigos, ele ouve, respeita, mas sempre termina com a fala: “eu sei de todas as consequências, mas eu quero!”
    Ele já largou a escola. Hoje ele trabalha, porém, já apresenta grandes indícios de falta de compromisso com o trabalho a ponto da empresa nos convocar para uma reunião.
    Não sei o que fazer para ajudar uma pessoa que não quer ajuda…
    Vocês podem nos ajudar??? É desesperador!! Ele ainda é muito novo.
    Agradeço desde já… Deus os abençoe.

    1. Olá Carina, o ideal seria iniciar um tratamento com um psiquiatra e aí ele poderá avaliar se é o caso de internar ou fazer um acompanhamento ambulatorial, porque muitas vezes, a maconha serve de porta de entrada para outras drogas. Caso deseje agendar uma consulta conosco, nosso contato é 11 98500-3238

  7. Boa tarde eu uso cocaína a 12 anos
    Mais eu sou muito ansioso é tenho muita tristeza no coração , não gosto mais quando me vejo em situações difícil triste busco essa saída
    Mesmo sabendo que depois piora
    Não faço uso contínuo mais
    Eu criei isso como uma saída
    E quero para pois não gosto
    O que faço

    1. Olá Lucas, o ideal seria passar por uma internação e entender os motivos que o levou ao uso e te preparar para ficar longe das drogas, pense nisso, caso queira mais informações nosso whatsapp é 11 99534-4287

  8. Boa tarde meu filho é usuário de drogas já faz tempo e não quer se tratar fala que não é viciado mais é a muinto tempo me ajude por favor a livrar meu filho desse mal

    1. Olá Fátima, você já ouviu falar em internação involuntária? Saiba mais neste vídeo

  9. Tenho um filho que vai fazer 30 anos,ele é viciado e quer ajuda, já ficou mais de um ano limpo. Como faço pra ajudar ele nesse momento

    1. Olá Denise, você pode fazer uma internação involuntária, ficamos à disposição para orientá-la (011) 99667-7454 / (011) 99534-4287

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga nossas redes sociais