Publicado em 4 comentários

12 dicas para escolher a clínica de reabilitação mais adequada

6 dicas para escolher a clínica de reabilitação mais adequada

A Organização Mundial de Saúde (OMS) alerta para o fato de que a dependência química é uma doença que atinge milhões de pessoas. Assim, a escolha da clínica de reabilitação mais adequada para o tratamento de um adicto é uma medida que requer atenção e cuidado. Nessa investida, o apoio e a participação da família também são parte importante do tratamento.

Para amigos e familiares, é fundamental saber como funciona a internação para dependentes químicos. Por isso, antes de tomar uma decisão sobre essa forma de lidar com a dependência da pessoa, conheça as 12 dicas que o psicólogo do Hospital Santa Mônica, Antonio Chaves Filho, preparou para ajudar você a escolher a melhor opção. Boa leitura!

Quando a clínica de reabilitação é indicada?

Optar pela clínica de reabilitação já não é uma decisão fácil de ser tomada, mas o tratamento multidisciplinar costuma ser bastante eficaz. Além disso, é preciso afastar a pessoa de sua rotina, de maneira a evitar as influências que a levam a consumir drogas com frequência.

Assim sendo, lançar mão dessa alternativa é uma saída para ajudar quem se encontra em um estágio mais avançado da dependência de substâncias químicas. No entanto, para que esse processo tenha resultados satisfatórios, é necessário que o próprio paciente tenha consciência de sua situação.

Ademais, não é rara a constatação de que somente afastar um dependente químico de seu círculo social habitual não será eficaz para combater a adição Por conta disso, o apoio de amigos e familiares também é crucial nesses casos, por evitar que ele abandone o tratamento ou tenha uma recaída.

Aliás, são muitos os casos de pessoas que deixam de se tratar ainda no início da reabilitação. A privação do consumo da droga e dos hábitos de rotina, se não for bem trabalhada, pode agravar a situação de uma pessoa que abusa desses compostos.

Portanto, é necessário prestar atenção a alguns detalhes essenciais para eleger um estabelecimento que realmente atenda às expectativas do paciente e de sua família. O ideal é que ofereça um tratamento de qualidade e confortável para o paciente, possibilitando, assim, uma recuperação definitiva.

Como escolher a clínica de reabilitação ideal?

Listamos algumas questões que devem ser consideradas na escolha da instituição para internar o seu familiar com problemas de adicção em drogas. Confira!

1. Analise a infraestrutura

Sempre que possível, a pessoa que responde por um dependente químico precisa avaliar as condições do local em que a internação será realizada. Assim, o ideal é fazer uma visita antes de tomar qualquer decisão.

Via de regra, esses locais precisam ter a infraestrutura adequada para garantir a realização de todos os cuidados médicos de rotina necessários. Tais aspectos não podem ser desconsiderados, visto que influenciam diretamente os resultados das terapias.

Logo, a clínica escolhida para o tratamento do seu ente querido também precisa estar preparada para intervenções de emergência. Se for o caso, serviços como médico, carrinho de parada e farmácia para dispensação de medicação devem estar disponíveis nas 24 horas.

2. Saiba qual é a especialidade do estabelecimento

Procure checar o histórico do local escolhido para o tratamento de reabilitação do dependente. Verifique quais são os casos mais frequentemente atendidos e, se possível, busque informações sobre o estado atual de pacientes que já se trataram na instituição.

Escolha, portanto, um estabelecimento com boas referências e que tenha sido recomendado por pessoas com autoridade no assunto. A atenção a esses detalhes faz muita diferença na qualidade do atendimento e do tratamento.

3. Pesquise a duração do tratamento e rotina do paciente

Outro ponto de atenção é a duração. Por isso, preste atenção ao plano estabelecido para o tratamento do dependente químico. Busque informações sobre a rotina durante o período de reabilitação e a previsão para o fim de cada etapa do processo.

Além do mais, o sucesso depende também da reação do paciente. Procure acompanhá-lo de perto e faça a sua própria avaliação sobre os seus progressos. Analise, também, a satisfação com o andamento do tratamento e os serviços oferecidos pelo local.

Finalmente, considere que a recuperação eficaz do paciente pode exigir muito tempo. Porém, é necessário que ele esteja confortável desde o primeiro momento. Só assim, ele terá condições de evoluir em seu tratamento.

4. Veja quem fará o acompanhamento do paciente

Hospitais e clínicas especializadas em reabilitação têm equipes multidisciplinares para cuidar de dependentes químicos que promovem por meio de grades terapeuticas dinâmicas com os pacientes com o intuito de tratar a dependência. Em geral, essas equipes são formadas por médicos, enfermeiros, psicólogos e outros profissionais de saúde.

Por essa razão, procure informações sobre quantos e quais profissionais compõem essa equipe. Pesquise sobre o tipo de assistência prestada ao paciente e em quais momentos eles estarão presentes.

5. Pergunte sobre os tipos de medicamentos e técnicas que serão utilizados

Como parte do tratamento, a reabilitação de um dependente químico exige um processo de desintoxicação. Nesses casos, não é recomendada a interrupção brusca do consumo de drogas, devido a possíveis efeitos colaterais ou crises de abstinência.

Por isso, o ideal é que o paciente consuma essas substâncias em doses cada vez menores, até a total desintoxicação do organismo. Nisso consiste a diferença de escolher uma clínica com expertise no assunto.

Afinal, somente profissionais experientes podem administrar esse processo e, se necessário, ministrar outros medicamentos, caso o paciente tenha desenvolvido outros males em função do abuso das drogas.

6. Verifique como será o tratamento pós-internação

Busque saber se o local oferece apoio para o dependente químico após a reabilitação.

Geralmente, pessoas que passam por processos de desintoxicação apresentam sintomas de doenças ou distúrbios psicológicos que, antes, estavam mascarados pelo consumo das drogas.

Por isso, dê preferência a estabelecimentos que tenham planos para depois do processo de reabilitação, como consultas periódicas com especialistas e acompanhamento psicológico.

Promover a participação em grupos de autoajuda também pode ser relevante para a recuperação de uma pessoa após a reabilitação. Isso, porque a chance de dividir a experiência com outros pacientes é uma forma de fortalecer os objetivos em comum.

7. Considere a localização da clínica de recuperação

Em linhas gerais, é necessário atentar às questões de localização da clínica, pois a facilidade de acesso é um importante diferencial. Afinal, quanto mais estruturado for o local, maior será o nível de segurança tanto para o paciente quanto para os seus familiares.

Além do mais, a família deve levar em conta as características da região. Nesse sentido, o ideal é que ela seja afastada de locais que ofereçam acesso a entorpecentes.

8. Pesquise sobre a clínica com quem conhece o estabelecimento

Atualmente, há várias formas de saber a opinião dos usuários de certos serviços, principalmente das instituições de saúde. Ademais, a ampliação do acesso à internet revolucionou as formas de interação e de relacionamento entre clientes e empresas.

Você pode aproveitar essas facilidades para colher informações e dados sobre a instituição. Uma opção interessante é conferir cases de sucesso de outros pacientes que já se internaram na clínica de seu interesse.

Outra dica, seria perguntar sobre os estabelecimentos em grupos de autoajuda para familiares como: Amor Exigente, Al-Anom e Nar-Anon, saber se conhecem e o que acham é importante, pois já tiveram a experiência.

Ouvir a opinião de outras pessoas e acessar as avaliações disponíveis na internet possibilita avaliar a credibilidade das instituições, por gerar dados para a análise do nível geral de satisfação com a qualidade dos serviços.

9. Converse e interaja com a equipe

A reabilitação contra a adicção em drogas depende de um trabalho multidisciplinar. Ou seja, o paciente precisa de uma série de intervenções que envolve a atenção especializada de vários profissionais da medicina e áreas correlatas.

Por isso, o responsável familiar deve buscar um meio de visitar a instituição e conversar com os profissionais da equipe. Desse modo, é possível conhecer as particularidades do tratamento e obter as informações necessárias para a tomada de decisão. Também é importante ouvir deles o relato de casos e experiências de quem já superou a dependência química.

Inegavelmente, valorizar essa interação com a equipe multidisciplinar favorece de forma positiva o sucesso do tratamento. Assim como para os familiares, esse contato ajuda a perceber o nível de atenção e de acolhimento que a equipe oferece.

10. Visite o estabelecimento

Uma visita ao estabelecimento de interesse é essencial para não errar na escolha do local em que seu familiar será atendido. Independentemente da modalidade de tratamento — ambulatorial ou internação —, conhecer o ambiente pode ser esclarecedor em diversos sentidos.

Em primeiro lugar, você vai conferir, de perto, a infraestrutura, o atendimento, as propostas de intervenção e os modelos de assistência utilizados. Dessa forma, será muito mais fácil decidir-se pela adesão ao contrato ou por continuar a busca.

Se possível, leve o familiar que sofre de dependência química para acompanhar essa visitação, de modo que ele também conheça as características e o funcionamento de uma clínica de reabilitação.

Isso ajuda bastante na avaliação da instituição e, inclusive, no sucesso do tratamento, já que quem vai receber a atenção participará da decisão, o que amplia seu senso de responsabilidade e pertencimento ao processo.

11. Busque mais informações sobre os profissionais relacionados ao tratamento

Um dos aspectos cruciais ao sucesso das terapias contra a dependência química é conhecer o perfil dos profissionais responsáveis ou envolvidos diretamente nesse processo. Por conta disso, obtenha o máximo de informações sobre a equipe que atua na instituição.

Confira, se possível, o currículo, o nível de conhecimento e se esses profissionais realmente têm experiência no ramo. Considere que, como cliente, você tem o direito de conferir esses detalhes. Obviamente, é preciso ter tato e sutileza na abordagem para captar essas informações.

12. Descubra os diferenciais da clínica de recuperação

O Hospital Santa Mônica presta serviços de assistência médica especializada há mais de 50 anos. A instituição começou suas atividades em 1969. Desde então, sua marca vem se fortalecendo por meio das atividades em prol da medicina do país.

Estruturalmente, a instituição passou por importantes momentos de conquistas e expansão. Foi em um deles que o hospital se reposicionou no mercado, focando seu trabalho no tratamento de pacientes psiquiátricos.

Assim, os atendimentos especializados em saúde mental e dependência química passaram a ter prioridade. Contudo, a assistência na área de retaguarda clínica para os pacientes crônicos também se manteve, já que nossos profissionais participam, constantemente, de cursos e atualizações.

Portanto, entre os nossos diferenciais mais relevantes, destacam-se a infraestrutura, a qualidade no atendimento e a expertise de nossa equipe. Estabelecido em uma área de mais de 83 mil metros quadrados — sendo cerca de 50 mil de mata atlântica nativa preservada —, nossa unidade proporciona mudança de ambiente e condições de bem-estar aos pacientes.

Hoje, o Hospital Santa Mônica conta com 250 leitos e investe sempre na formação de suas equipes médicas e multiprofissionais. Além do tratamento, também oferecemos atividades recreativas e de integração entre os pacientes.

Como você percebeu, é necessário escolher uma clínica de reabilitação mais humanizada e que ofereça um atendimento qualificado. Nossa equipe se mantém sempre alinhada às novidades de congressos e estudos internacionais, a fim de garantir a excelência em todas as etapas da assistência ao paciente.

Quais são os cuidados que a família de um dependente químico deve tomar?

De modo geral, por medo de ser reprimida ou julgada, uma pessoa que abusa das drogas busca esconder a dependência dessas substâncias. Diante disso, é importante que o paciente se sinta seguro e à vontade para pedir ajuda, pois criar esse ambiente depende muito da compreensão e do diálogo aberto.

Logo, se você precisa lidar com essa situação ou conhece alguém com esse tipo de problema, ofereça-se para acolher o dependente químico e ajudar em seu tratamento.

O apoio psicológico durante a reabilitação é fundamental, pois a superação desse problema inclui várias etapas.

Primeiramente, é necessário promover a desintoxicação do organismo; depois, o retorno ao convívio social de maneira que não haja recaídas. Para tanto, o ideal é escolher uma clínica de reabilitação que ofereça um tratamento multidisciplinar e eficiente.

Além do mais, o apoio da família ajuda o paciente a se sentir mais confortável para dividir suas angústias e seguir em frente na luta por sua recuperação definitiva. Vale lembrar que esse processo pode levar anos, mas o importante é motivar a adesão ao tratamento.

Como você percebeu, optar pela clínica de reabilitação pode ser uma ótima alternativa para quem deseja ver um ente querido livre das drogas. Conhecer os diferenciais oferecidos pelo Hospital Santa Mônica dá a certeza de acerto nesse processo.

Gostou deste conteúdo? Entre em contato com o Hospital Santa Mônica e conheça nossos serviços especializados!

4 comentários sobre “12 dicas para escolher a clínica de reabilitação mais adequada

  1. Sou dependente químico e desejo me tratar tenho um pequeno comércio e terei que abandoná-lo como eu devo fazer e não tenho ninguém para me ajudar minha situação financeira é difícil mas para poder parar de usar droga e for necessário vendo até tudo que tem

    1. Olá Luciano, entre em contato conosco (011) 99667-7454 (011) 99534-428

  2. Tenho o meu pai que vive na dependência química, ele chega bêbado em casa todos os dias e por milhares de vezes ele chega ferido por suas quedas na rua.
    Já não aguento e não sei o que fazer com ele, pois ele não quer ajuda e ver ele assim, me mata ao verlo se matar pouco a pouco.
    Chego a orar pela piora dele, em questão de que ele vá ao hospital a força, pois ele não quer ir tão pouco.

    1. Olá Luana, entendemoso seu sofrimento, caso precise de ajuda, estamos à disposição nos telefones (011) 99667-7454 / (011) 99534-4287

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga nossas redes sociais