Siga nossas redes sociais

Publicado em Deixe um comentário

Abuso de drogas anestésicas em profissionais que atuam na área da saúde: riscos e efeitos

O uso de drogas anestésicas como substâncias químicas psicoativas entre os profissionais da área da saúde ocorre por diferentes fatores. Além da facilidade de acesso aos medicamentos, o estresse causado pela pressão no ambiente de trabalho também ajuda a estimular a opção pelo consumo de tais substâncias.

Nesse contexto, dra. Luciana Mancini Bari, médica e dr. Marcel Vella Nunes, psiquiatra, ambos do Hospital Santa Mônica, irão explicar os riscos e efeitos de drogas anestésicas em profissionais que atuam na saúde. Primeiramente, entenda o conceito de drogas anestésicas e seus principais tipos. Ainda, conheça as melhores alternativas de tratamento para reduzir o efeito do abuso dessas substâncias sobre a saúde mental e física.

Acompanhe!

Drogas anestésicas

Entende-se por drogas anestésicas todas as substâncias psicoativas que, quando consumidas por via oral ou administradas no organismo (seja por via endovenosa, intramuscular ou inalatória, por exemplo), têm potencial para alterar as funções mentais e cognitivas. Portanto, os anestésicos são fármacos que podem bloquear as capacidades sensitivas do organismo.

Por isso, tais substâncias são largamente empregadas no alívio da dor — ou analgesia — e no efetivo bloqueio das funções sensitivas que levam à anestesia durante cirurgias, exames e outros procedimentos médicos invasivos. Entre os tipos de anestésicos mais utilizados nos serviços de saúde, destacam-se:

  • agentes inalatórios: gases anestésicos, como óxido nitroso e xenônio;
  • agentes inalatórios;
  • gases anestésicos, como óxido nitroso e xenônio;
  • anestésicos intravenosos, exemplificados pelos sedativos hipnóticos, bem como opioides.

Consumo de drogas anestésicas por profissionais de saúde

Um estudo sobre o uso de medicamentos psicoativos entre profissionais de saúde, publicado na Revista de Enfermagem da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), confirmou o envolvimento da classe com drogas anestésicas. Ele aponta que 37,4% do total de profissionais participantes admitiram consumir remédios tranquilizantes e ansiolíticos, sendo alguns com ação anestésica.

Conforme os entrevistados, a sobrecarga de trabalho à qual estão expostos cria um ambiente muito favorável ao uso dessas drogas. Profissionais de medicina e de enfermagem são os maiores usuários, já que são responsáveis pelo controle e dispensação desses medicamentos.

Segundo eles, o consumo de substâncias psicoativas é justificado no intuito de reduzir a tensão e o estresse causados pela jornada exaustiva. Assim, tal comportamento é visto entre eles como uma tentativa de minimizar o sofrimento resultante das condições inadequadas de trabalho, que expõem a biossegurança do funcionário.

Somado a isso, a influência da globalização na dinâmica trabalhista atual faz com que os profissionais enfrentem, diariamente, diferentes desafios. Independentemente da área de atuação, todos precisam se adaptar às mudanças de um mundo moderno e vencer a crescente concorrência de mercado por meio de qualificação profissional, sem precisar recorrer à relação entre autossabotagem e drogas.

No setor da saúde, essas exigências são ainda maiores e, muitas vezes, são somadas aos desafios que envolvem a realidade da rotina hospitalar alternada com estudos, a disputa por funções hierárquicas e questões pessoais. Nesse cenário, os profissionais se sacrificam no trabalho em busca de resultados e expectativas que elevam os riscos de comprometimento da saúde.

Principais tipos de anestésicos

Listamos alguns dos principais tipos de anestésicos usados nos procedimentos hospitalares. Veja quais são!

Morfina

Pertencente ao grupo dos analgésicos opioides, a morfina é um dos analgésicos e anestésicos mais potentes. Pode ser empregada para pré-tratamento farmacológico no alívio da dor, principalmente, antes da indução da anestesia. Nessas circunstâncias, ela é útil para potencializar a sedação e para manter o paciente sem dor no pós-operatório.

Porém, quando utilizada indiscriminadamente, pode induzir efeitos adversos, como dores de cabeça, tontura, náuseas, vômitos e depressão respiratória, além do potencial para dependência. Por tal razão, a morfina não deve ser utilizada sem prescrição médica, já que os efeitos colaterais dessa droga anestésica colocam a vida em risco.

Codeína

Obtida a partir da morfina, a codeína é um fármaco classificado como alcaloide opiáceo, já que é uma substância extraída do ópio. A morfina também tem a mesma origem, um líquido espesso presente na papoula. Assim como ela, a codeína tem excelentes propriedades sedativas e analgésicas.

Os efeitos hipnóticos da codeína induzem o paciente ao sono, e o efeito analgésico pode causar depressão e queda das funções do sistema nervoso central. Devido a essas características, tais substâncias aliviam a dor e também são chamadas de narcóticas.

Citrato de fentanila

A fentanila é um dos analgésicos opioides mais potentes para indução da analgesia. Em alguns casos, os médicos anestesistas utilizam apenas a fentanila, pois seu uso no controle da dor é tão eficaz que pode, até mesmo, dispensar a necessidade de anestésicos gerais. Assim, essa droga pode ser utilizada tanto para a indução como para a manutenção da anestesia.

Sulfato de atropina

A atropina é uma droga com função anticolinérgica, que bloqueia a sensibilidade à dor diretamente no sistema nervoso central. Além de funcionar como um potente anestésico, esses fármacos são empregados em tratamentos para disfunção urinária, úlcera péptica, síndrome do cólon irritável e doença de Parkinson.

Cloridrato de midazolam

O midazolam é um anestésico da classe dos benzodiazepínicos, fármacos que podem ser aplicados por via intramuscular. O grande problema dessa anestesia menos invasiva é a imprevisibilidade dos efeitos. Assim, o desafio para os profissionais é o ajuste de uma dose exata de midazolam, que mantenha o paciente sedado durante o procedimento.

A dinâmica do midazolam no organismo ajuda a entender melhor os impactos do uso de drogas no trabalho e da automedicação. Na maioria dos casos, as respostas aos medicamentos variam entre indivíduos. Ou seja, os efeitos colaterais são imprevisíveis e, por isso, o risco de prejudicar a saúde é bem maior.

Riscos e efeitos do uso de drogas anestésicas pelos profissionais de saúde

Além dos agravos à saúde, o fenômeno das drogas também tem implicações sociais, familiares, econômicas e políticas. Os profissionais da saúde estão mais suscetíveis à dependência devido ao fácil acesso e à possibilidade de autoadministração. Estudos comprovam que de 10 a 15% dos profissionais têm envolvimento com essas substâncias.

Os efeitos negativos do consumo de drogas anestésicas causam diversos transtornos emocionais, mentais e físicos. Entre os trabalhadores da saúde, também há evidências de prejuízos no trabalho, conflitos nas relações sociais, afetivas e maior propensão ao tabagismo e alcoolismo.

Soluções e tratamentos do Hospital Santa Mônica 

Nosso artigo já está chegando ao final. Mas ainda há tempo de destacar as soluções do Hospital Santa Mônica para ajudar a quem precisa superar esse problema. Em nossa instituição, você encontrará parceiros de sua linha de trabalho, com experiência na reabilitação da saúde mental. 

Portanto, não perca mais tempo e conheça nossas opções de tratamento disponíveis. Saiba que o Hospital Santa Mônica está pronto para receber profissionais que necessitam de apoio e atenção especializada para vencer os desafios impostos pelo abuso de drogas anestésicas.

E você, precisa de uma solução para superar problemas assim? Entre em contato conosco e fale com os nossos especialistas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *