O que você precisa saber para tratar a dependência química agora mesmo - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

Antes mesmo de falarmos sobre como tratar a dependência química, é preciso entender que essa doença, infelizmente, tem comprometido a vida de muitas pessoas e ocasionado problemas gravíssimos em muitas famílias.

Especialistas na área da saúde reconhecem como dependência química o uso desenfreado de drogas, álcool ou outras substâncias tóxicas, por um longo período. Segundo a Organização das Nações Unidas — ONU, estima-se que cerca de 29 milhões de adultos são dependentes químicos.

A quantidade de pessoas que sofrem com a dependência química é uma preocupação para as autoridades e os especialistas na área da saúde. A boa notícia é que existem vários tratamentos aos quais recorrer para quem sofre de algum vício. A cura para a dependência, apesar de custosa, é perfeitamente possível!

Feliz em saber disso? Então continue a leitura deste post, pois explicaremos a você como funcionam os tratamentos que podem ajudar a sair da dependência das drogas!

Razões para iniciar o tratamento

Um primeiro passo importante para buscar um tratamento para a dependência química é reconhecer e entender quais são as razões que motivam uma decisão como essa. No caso do uso de substâncias químicas caracterizado como uma doença, é preciso que haja a conscientização do indivíduo sobre a importância de procurar ajuda.

Embora seja importante, o estímulo da família e dos amigos pode acabar soando como uma certa pressão sobre o dependente químico. Em muitos casos, aqueles que decidem iniciar uma recuperação em função do apelo familiar ou de outros motivos (como determinação judicial) acabam desistindo do tratamento logo em seguida.

Isso acontece pela falta de boas razões para seguir no caminho da desintoxicação. E quais seriam essas razões, afinal? Bem, cada dependente terá as suas. Mas a motivação pessoal de reconquistar a sua sobriedade, sua liberdade e controle sobre a própria vida costumam ser bastante frequente entre essas pessoas.

Desintoxicação para tratar a dependência química

Se a pessoa estiver debilitada pela dependência química, as primeiras etapas do tratamento são dedicadas à desintoxicação. Essa fase objetiva a restauração do paciente e deve ser feita sempre com o devido acompanhamento médico, por meio de internação.

Uma vez internado, o dependente químico passa a ser monitorado por especialistas para a eliminação das substâncias tóxicas que sobrecarregam seu organismo, em função do vício. Isso é o que permitirá que ele tenha condições de reagir ao tratamento e avançar para as etapas seguintes.

A fase inicial do tratamento é a mais intensa, por ter como objetivo o controle das crises de abstinência e das fissuras que são provocadas pela ausência das substâncias tóxicas no corpo do dependente químico. É um período muito importante para a limpeza do organismo e o restabelecimento da sobriedade.

Manutenção de uma vida saudável

Para que os sintomas da abstinência possam ser superados, é importante que o paciente estabeleça uma rotina com hábitos saudáveis, que vão desde cuidados com a alimentação e ingestão de alimentos ricos em nutrientes, até a prática de alguma atividade física, um sono de qualidade e assim por diante.

Uma alimentação rica em minerais, proteínas e vitaminas fornecerá o que o corpo precisa para se desintoxicar das substâncias químicas. Da mesma forma, as atividades físicas são complementares nesse processo, estimulando a mobilidade física, a vitalidade, a força, a disposição e muito mais.

Os esportes são de grande valia para quem está em tratamento, pois liberam endorfina — substância responsável pela sensação de prazer e bem-estar. Além disso, esportes coletivos realizados durante o tratamento podem ser benéficos como uma atividade de interação social, para o fortalecimento de laços afetivos e o desenvolvimento de um senso de comunidade e pertencimento.

Em suma, para se ter uma vida psicológica saudável, a prática constante de atividades físicas e a alimentação equilibrada são essenciais.

Medicamentos que diminuem os desejos e restauram a função normal do cérebro

Outra abordagem no tratamento para a dependência química é a administração de medicamentos, indicados por um psiquiatra, que diminuem a vontade de usar as drogas ou de ingerir bebidas alcoólicas, por exemplo. Podemos separar tais medicamentos segundo seus objetivos.

Combater o desejo de usar as drogas

Para combater o desejo desenfreado do paciente em fazer uso das drogas, podem ser usados remédios ansiolíticos e antidepressivos. Esses são os medicamentos mais indicados e receitados pelos médicos.

Controlar a abstinência

As crises de abstinência são um dos grandes desafios no tratamento do vício. Sendo assim, é necessário o uso de medicamentos para aliviar os sintomas de tais crises, como:

  • dificuldades para respirar;
  • insônia;
  • transpiração intensa;
  • tremores;
  • irritabilidade;
  • vômitos, náuseas e diarreias;
  • perda de concentração;
  • tensão muscular, entre outros.

Tratar as doenças decorrentes do uso das drogas

Alguns remédios têm como objetivo tratar os efeitos de outras doenças, decorrentes do uso das drogas. Dependendo da gravidade, do tempo e da quantidade em que a droga foi ingerida, tais doenças podem acarretar complicações graves ao organismo.

Terapia comportamental

A terapia comportamental tem como principal objetivo auxiliar os dependentes químicos no processo de reflexão e compreensão dos motivos que os levaram a iniciar o uso das substâncias tóxicas. Ela é tão importante quanto o tratamento medicamentoso, o apoio familiar, uma rotina saudável ou mesmo a motivação pessoal.

Muitas das razões que levam as pessoas a se envolver com drogas ou álcool se relacionam com a pressão e o estresse do dia a dia, seja no trabalho, nos estudos, nas suas relações sociais ou mesmo em decorrência de traumas vividos. Por vários motivos, a pessoa não desenvolve uma estrutura emocional para lidar com as dificuldades e acaba recorrendo ao refúgio ilusório das drogas.

Nesse contexto, o psicólogo atua como um importante aliado desses pacientes, ajudando-os a desenvolver táticas para lidar com o estresse de uma maneira saudável, fechando mais uma porta para o vício. Nesse caso, a terapia ajuda o indivíduo a superar a dependência química de dentro para fora.

Acompanhamento médico de longo prazo e apoio

Devido ao fato de muitos dependentes químicos apresentarem recaídas, voltando a usar as substâncias tóxicas pouco tempo depois de iniciarem seu tratamento, é necessário que haja o acompanhamento médico por médio e longo prazo. Dessa forma, as chances desse desfecho ocorrer diminuem consideravelmente.

A assistência dos profissionais da saúde é muito importante para acompanhar o progresso do paciente, mostrando para ele seu avanço no tratamento. Além disso, é primordial para que sejam realizados ajustes no plano de recuperação de uma forma mais próxima e alinhada às conquistas do dependente.

Por ser um tratamento longo, é preciso ter paciência e persistência, até que o paciente esteja totalmente livre e seguro de que não retornará a usar substâncias prejudiciais à sua saúde. A orientação de um profissional preparado para lidar com esse tipo de situação é indispensável.

Aconselhamento para o dependente e sua família

No período de tratamento, a família acaba sendo a fonte de suporte, força e esperança para o dependente, o que pode ocasionar a sua sobrecarga. Para isso, existe a terapia familiar, uma forma encontrada para criar uma rede de suporte e apoio para todos os afetados pela dependência química.

Esse tipo de terapia auxilia e orienta os familiares do paciente a lidarem da melhor forma possível com o contexto de dependência química, sem reproduzir uma pressão excessiva ou mesmo perder a esperança no decorrer do processo. Como esse é um tratamento que pode enfrentar altos e baixos, é preciso preparar o grupo familiar para superá-los.

Ter alguém querido sendo “refém” do uso desenfreado das drogas ou do álcool gera muitos sentimentos de impotência, desconforto e desequilíbrio emocional. Nem todos estão preparados para lidar com isso. Por essa razão, o aconselhamento se torna ainda mais relevante.

Sendo assim, a terapia familiar auxilia na reintegração da pessoa viciada ao meio familiar e à própria sociedade. A motivação maior da terapia familiar é dar um suporte emocional aos familiares do dependente químico, levando-os a entender que fazem parte da conquista da restauração da saúde do ente querido.

Grupos de autoajuda

No grupo de apoio, o dependente químico terá a oportunidade de conhecer outras pessoas que passam por situações semelhantes à dele. Esses momentos são muito importantes, pois nesses espaços existe a oportunidade de trocar experiências e oferecer suporte uns aos outros. Além disso, o dependente químico encontrará um ambiente de apoio e compreensão, certamente benéficos à sua recuperação.

O terapeuta Erick Marangoni, especializado em Dependência Química do Hospital Santa Mônica, está realizando na Unidade Integrativa Santa Mônica, na Vila Nova Conceição, todas as quartas-feiras das 19 às 21h, um Grupo de Apoio a Dependentes Químicos e familiares; para mais informações, acesse aqui.

Motivação

Existem alguns fatores determinantes para o sucesso de um tratamento contra a dependência química, e a motivação é um deles. Essa é uma característica pessoal, que cada indivíduo desenvolve de uma maneira diferente. A motivação consiste nas razões pelas quais uma pessoa decide tomar a atitude de buscar ajuda e abandonar o vício.

O principal requisito para um tratamento dar certo é que o indivíduo queira participar desse processo. Quando uma pessoa faz tentativas por causa da vontade dos outros, ela não tem motivação suficiente. A motivação genuína surge a partir do desejo por recuperar a saúde, uma vida equilibrada e o autocontrole, por exemplo.

Por isso, a pressão da família e dos amigos pode acabar atrapalhando o tratamento em vez de ajudar. O mesmo é válido para quem procura ajuda por causa de outro problema grave de saúde ou ainda por ordem judicial. Depois de uma ou duas semanas, essa motivação externa se extingue e o paciente acaba desistindo do processo.

A motivação pessoal é o fator que mais estimula a mudança comportamental e uma consequente reabilitação. Os medicamentos e o apoio social podem ajudar muito, mas quando as dificuldades surgem, são as razões pessoais pelas quais um indivíduo decidiu iniciar o seu tratamento que o fortalecem no processo.

Prevenção de recaídas

As recaídas são um dos piores inimigos de quem está procurando o tratamento contra a dependência química. Isso porque, quando o organismo deixa de receber esses elementos dos quais é dependente, começa a desencadear uma série de sintomas desagradáveis que vão desde sensações físicas, como sudorese e tremores, até problemas psicológicos, como depressão e ansiedade.

Para superar essa fase, é preciso estar atento a alguns pontos, como:

  • evitar a manipulação emocional, seja do dependente com a família ou vice-versa;
  • estabelecer uma relação de confiança e fugir das críticas duras e mentiras;
  • participar de todas as etapas de recuperação, especialmente do acompanhamento psicológico;
  • manter uma comunicação aberta e tolerante;
  • ajudar a estabelecer uma rotina, equilibrando os momentos de lazer;
  • auxiliar na identificação de potenciais gatilhos que podem levar à recaída.

Existem muitas outras formas de reduzir as chances de acontecerem as recaídas. O processo de tratamento contra a dependência química exige vigilância constante, porém, sem pressão. É importante entender que é uma jornada de conquista, que deve ser realizada passo a passo, até que se alcance o sucesso desejado

Reinserção social

A dependência química afeta não só os aspectos biológicos e psicológicos de um indivíduo, como também os sociais, mesmo após o tratamento. Para que a recuperação seja considerada efetiva, todas essas áreas devem ser trabalhadas, fazendo com que os relacionamentos sejam restabelecidos e a recuperação se consolide.

Assim, mesmo que um dependente esteja em abstinência, é importante trabalhar o convívio com as outras pessoas. Afinal, isso é o que proporciona a sensação de acolhimento e valorização nesse momento tão delicado. Do mesmo modo, é necessário que outras atividades sejam recuperadas, como o trabalho. Apesar de não ser um processo tão fácil, a reinserção social é de suma importância para que um dependente químico continue o tratamento.

O momento para procurar ajuda

A dependência química não afeta apenas o indivíduo, mas também a sua família. Em alguns casos, os entes mais próximos ficam sem comer, sem dormir, saem às ruas procurando o dependente e ficam doentes com o estresse da situação. Por isso, procurar ajuda logo é um fator importante para preservar a saúde psicológica e emocional de todo o grupo familiar.

Apesar de não ser indicada, a internação compulsória acaba sendo um recurso em casos mais extremos, dispensando a necessidade de aceitação por parte do paciente. Mas isso só ocorre em situações de risco eminente, como quando a saúde está muito debilitada, quando o dependente começa a ameaçar a vida de outras pessoas ou quando sua própria vida é ameaçada por outros.

Quando não se trata de nenhuma dessas situações, a iniciativa da busca pelo tratamento deve partir do dependente químico, quando ele toma consciência do que está acontecendo na sua vida. Assim, quando ele demonstra interesse na desintoxicação, é importante responder a esse pedido de ajuda com o máximo de compreensão, apoio e respeito possível.

Assim, será preciso buscar o auxílio de uma instituição especializada nesse tipo de serviço, que conte com uma equipe multidisciplinar preparada para dar suporte em todas as etapas, desde o tratamento de sintomas físicos até a rede de apoio emocional e psicológica que será necessária.

Seja qual for o caminho a ser percorrido, é necessário que o processo de cura ocorra em locais com estrutura adequada, que disponham de profissionais com experiência e competência para tratar a dependência química.

E nós queremos ajudar você a restaurar de forma completa sua saúde, por meio de um tratamento eficaz, para que se livre de vez da dependência química. Acredite, é possível!

Para saber mais, entre em contato conosco e descubra como podemos ar você nessa conquista!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos