Publicado em Deixe um comentário

Dia Nacional do Uso Racional de Medicamentos: conheça os perigos da automedicação

Mediante os perigos da automedicação, obter informações sobre o tema é crucial no combate a essa prática. Recentemente, um estudo realizado pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF) constatou que, no Brasil, a prática da automedicação é comum a 77% da população.

Tal pesquisa objetivou a avaliação do comportamento dos brasileiros quanto ao uso indiscriminado de remédios. Além disso, esses dados também serviram para subsidiar a campanha nacional de conscientização do Dia Nacional do Uso Racional de Medicamentos.

Nessa perspectiva, a Farmacêutica Responsável do Hospital Santa Mônica, Mônica Breves Baruffaldi Clemonte, irá abordar os riscos da automedicação e a importância do uso racional de medicamentos para manter a saúde em dia. Veja a relevância desta data para a reversão dos prejuízos resultantes do uso inadequado de diferentes tipos de remédio. Acompanhe!

Qual é a origem do Dia Nacional do Uso Racional de Medicamentos?

Comemorado em 5 de maio, o Dia Nacional do Uso Racional de Medicamentos objetiva alertar a população quanto aos riscos da automedicação para a saúde. O objetivo é ressaltar o perigo que essa prática representa para quem cultiva tal hábito.

Um dos fatores mais relevantes é utilizar a data para chamar a atenção sobre os altos índices de intoxicação por remédios entre a população brasileira. Essa rotina está relacionada aos aspectos culturais e à dinâmica da assistência oferecida pelos serviços de saúde, tanto na esfera pública quanto na privada.

Há, portanto, riscos potenciais de consequências adversas ao organismo de quem consome remédios por conta própria. Nessas circunstâncias, o mais comum é que ocorram reações como dependência, toxicidade e até a morte.

Assim, a criação dessa data visa à divulgação de dados e informações sobre os perigos da automedicação ou de não seguir as orientações médicas. É necessário esclarecer a população sobre os riscos da ingestão inadequada dessas substâncias, principalmente, no que se refere aos efeitos colaterais de remédios sem prescrição médica.

Por que é importante que haja conscientização sobre o assunto?

Um estudo publicado no Scielo apresentou os resultados do uso indevido de medicamentos entre crianças e adolescentes brasileiros. Nesse grupo, foi constatado que a prevalência da automedicação é de 56,6%. Os remédios mais utilizados por conta própria são anti-inflamatórios, analgésicos e as chamadas smart drugs.

Logo, priorizar campanhas de educação preventiva é crucial para estimular a mudança de comportamento em relação ao uso indiscriminado de medicamentos. Isso porque o consumo correto dos remédios é uma das formas mais seguras de melhorar a saúde, reduzir a evolução de doenças e salvar vidas.

Entretanto, para evitar o risco desse tipo de complicações ao organismo, o uso de remédios deve ser feito conforme as orientações médicas. Fora isso, os medicamentos podem se tornar verdadeiros venenos, já que um dos maiores perigos da automedicação é a ameaça aumentada de intoxicação.

Mesmo que uma pessoa consiga se restabelecer após a intoxicação por remédios, os danos ao fígado e aos rins serão permanentes. Isso acontece porque tais órgãos são responsáveis pela metabolização das drogas presentes na composição dos medicamentos. Logo, quando há excesso dessas substâncias, as células hepáticas e renais são lesionadas ou mortas.

Portanto, ainda que pareça uma solução imediata, o uso indiscriminado de remédios pode fazer mais mal do que bem ao organismo. Isso reafirma a importância de campanhas como a do Dia Nacional do Uso Racional de Medicamentos, cuja proposta é induzir à reflexão sobre essa problemática.

Qual é a relação entre o uso racional de remédios e a saúde mental?

Quanto ao consumo de remédios por conta própria, o uso excessivo dessas drogas e a falta de adesão às recomendações médicas colocam a saúde em risco. Além disso, de acordo com o tipo de automedicação, ainda podem surgir graves consequências para o organismo.

Considerando a intrínseca relação entre mente e corpo, os efeitos desse ato não se limitam apenas ao aspecto físico. Além de provocar maior resistência a bactérias — devido ao uso inadequado de antibióticos — e reduzir a defesa imunológica, há o risco de causar dependência também.

Um artigo publicado pela Revista Médica da USP relacionou o uso indiscriminado de remédios com o desenvolvimento de lesões cerebrais que provocam danos cognitivos na terceira idade, grupo com maior costume de automedicação. O material alerta para a prevalência geral de comprometimento cognitivo leve (CCL) na população de idosos brasileiros, que é de 15 a 20%.

Quais são os perigos da automedicação?

Diversas são as razões que desestimulam o consumo de drogas medicamentosas sem prescrição. No entanto, é necessário conhecer os perigos da automedicação para assegurar o bem-estar e evitar prejuízos à saúde: 

  • a utilização de remédios sem prescrição médica pode mascarar os sintomas, dificultar o diagnóstico e gerar complicações irreversíveis;
  • os efeitos colaterais dos medicamentos podem agravar outros problemas pré-existentes;
  • a ingestão indiscriminada de remédios sem receita médica eleva o risco de alergias e reduz a defesa imunológica;
  • sem acompanhamento médico, há maior risco de conflito com outras drogas, pois um medicamento pode anular o efeito do outro;
  • a automedicação aumenta a resistência de microrganismos causadores de doenças virais e bacterianas.

Por tal razão, independentemente dos sintomas, o uso indevido de remédios não é recomendável em hipótese alguma. Vale destacar que as razões não se limitam apenas aos efeitos colaterais. Ou seja, além de proteger a sua saúde, ter esses cuidados também evita o acúmulo de remédios em casa, e diminui o risco de incidentes, como a ingestão de medicações vencidas.

Outro aspecto relevante e que envolve essa prática não recomendada é o vício em remédios. Alguns pacientes — principalmente, os que utilizam antidepressivos e ansiolíticos — tendem a praticar a automedicação. Casos assim devem ser acompanhados por profissionais que tenham expertise em terapias centradas na recuperação da saúde mental.

Portanto, antes de consumir qualquer medicamento, a orientação é realizar uma consulta médica e seguir as determinações do profissional. Para os casos que se configuram vício em remédio, e que elevam os perigos da automedicação, o ideal é contar com o suporte profissional do Hospital Santa Mônica, instituição especializada em saúde mental.

Você precisa de ajuda nesse sentido? Aproveite a visita ao nosso site e entre em contato conosco!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *