Publicado em Deixe um comentário

Surto psicótico no trabalho: o que fazer?

A Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) divulgou uma pesquisa com 400 médicos psiquiatras de 23 estados brasileiros e do Distrito Federal. Os resultados apontaram que 89,2% desses especialistas relataram piora da saúde mental em seus pacientes durante a pandemia de Covid-19. E mais: problemas como depressão, ansiedade e surto psicótico no trabalho ganharam destaque.

Sob essa ótica, o psiquiatra do Hospital Santa Mônica, dr. Marcel Vella Nunes, irá explicar o que é o surto psicótico e os males que ele representa à saúde. Entenda por que as questões da pandemia e a pressão da rotina corporativa mexem tanto com a cabeça das pessoas. Veja quais são os riscos associados a esses fatores e as alternativas de tratamento para superar o problema. Boa leitura!

O que é um surto psicótico?

Em linhas gerais, pode-se afirmar que é um transtorno psiquiátrico cuja principal característica é uma sensível perda de conexão com a realidade. Durante um episódio de surto psicótico, os sintomas predominantes são delírios e alucinações.

Nesse quadro, a pessoa começa a dizer coisas sem sentido, pode se tornar agressiva e adotar comportamentos perigosos. Sendo assim, a natureza desses surtos é incompatível com a realidade. Consequentemente, esse quadro coloca não apenas o paciente, mas outras pessoas em risco.

Às vezes, a pessoa em surto tende a acreditar que está sendo perseguida por alguém, alega que vê pessoas (imaginárias), ouve vozes ou ordens para realizar alguma ação. No surto, essas alterações de comportamento resultam de pensamentos desorganizados, desconexos e típicos de transtornos psíquicos e emocionais.

Quais distúrbios psiquiátricos podem resultar em surto psicótico no trabalho?

Especificamente no ambiente corporativo, é preciso saber as principais situações que influenciam o surgimento dessas ocorrências. Características como pressão por metas, queda da produtividade e ameaças de desemprego abalam as emoções dos trabalhadores e geram diferentes reações físicas e psicológicas.

Somado a isso, ainda há o impacto gerado pela pandemia devido às mudanças resultantes da necessidade de adequação às medidas sanitárias. Além disso, muitas pessoas perderam o emprego em decorrência da crise econômica gerada pela pandemia. Por conta disso, houve um aumento considerável de casos de doenças como depressão.

Além desses desajustes emocionais, existem outros que atingem com mais frequência colaboradores de profissões e cargos distintos. Entre esses, os mais comuns e com ligação ao surto psicótico no trabalho são:

  • transtorno de ansiedade generalizada (TAG);
  • transtorno obsessivo-compulsivo (TOC);
  • transtorno bipolar;
  • esquizofrenia;
  • transtorno por uso de substâncias.

Qual é a possibilidade de um surto psicótico acontecer no trabalho?

Nos últimos anos, o avanço da tecnologia e as transformações experimentadas pela sociedade remodelaram o comportamento e provocaram sensíveis mudanças no estilo de vida contemporâneo. Com isso, a pressão por acúmulo de posses ou por manutenção de um status — ainda que irreal — afetou a psicodinâmica interna de todas as relações de trabalho.

Por conseguinte, muitos passaram a trabalhar mais em busca desses objetivos, mas em detrimento de importantes questões como o tempo para si, para a família ou mesmo para dormir. Essa inversão de valores, baseada em princípios tipicamente capitalistas, gera desequilíbrios que comprometem a saúde, o bem-estar e a qualidade de vida.

Nesse contexto, tais condições expõem o trabalhador moderno ao risco de desenvolver distúrbios emocionais que podem cursar para o surto psicótico. Dada à importância de ações preventivas mais eficazes para conter os efeitos desse problema, enumeramos alguns fatores que influenciam esses episódios. Confira:

  • baixos salários;
  • carga horária excessiva;
  • maior pressão no trabalho;
  • falta de tempo para o lazer;
  • falta de reconhecimento profissional;
  • negligência quanto à atenção à saúde mental;
  • tendência a subestimar o autocuidado emocional;
  • tendência a buscar “solução” nas drogas ou no álcool;
  • ausência de suporte especializado em saúde mental pela empresa;
  • hábitos que não contribuem para um funcionamento psíquico saudável.

O que é recomendável fazer nesses casos?

Independentemente do grau de comprometimento, o surto psicótico no trabalho caracteriza uma emergência médica. Logo, o ideal é encaminhar o empregado em surto psicótico para o hospital mais próximo.

Nesses casos, não se pode ter dúvidas sobre o que fazer durante um surto psicótico. É necessário acalmar a pessoa em crise e, por segurança, afastar os demais funcionários do local. Caso a pessoa ameace se machucar ou ferir a outros, também há a opção de chamar o Samu, o Corpo de Bombeiros ou, até mesmo, a Polícia.

Quais providências precisam ser tomadas em relação ao surto psicótico no trabalho?

Nos espaços corporativos, as próprias condições de trabalho são, muitas vezes, os gatilhos para o desenvolvimento desses surtos. Por isso, a gestão precisa adotar estratégias que minimizem esses riscos e protejam a saúde de seus aliados.

Nessa perspectiva, as empresas devem avaliar, sob uma visão mais humanizada, quais são as suas prioridades. Isso porque dificilmente alcançará seus objetivos com a força de trabalho doente ou com a produtividade abaixo do esperado.

Além disso, em muitos locais de trabalho impera um sentimento de impotência, de insegurança e de desvalorização. Tais questões contribuem para a instabilidade emocional, que leva à perda da motivação e à queda do desempenho. Quando somados, esses fatores elevam as chances de surto psicótico no trabalho.

Nessas circunstâncias, existem algumas práticas que podem reduzir esses riscos. Observe:

  • cuidar da saúde mental dos trabalhadores;
  • falar mais sobre a importância da saúde mental;
  • promover campanhas ligadas aos cuidados emocionais;
  • caso necessário, encaminhar o trabalhador para tratamento especializado;
  • ajudar os trabalhadores a superarem as dificuldades relacionadas à pandemia;
  • combater todas as formas de estigmas e preconceito quanto à saúde mental.

Como o Hospital Santa Mônica pode ajudar?

As questões que levam ao surto psicótico podem variar de pessoa para pessoa. Assim, cada caso deve ser avaliado em separado. Logo, é fundamental buscar ajuda em instituições especializadas em saúde mental, pois somente um profissional experiente pode fazer o acompanhamento necessário.

Além dos fatores inerentes ao ambiente de trabalho, os surtos psicóticos podem resultar de traumas, abuso de álcool, adicção em drogas e outras influências. Nesse contexto, a submissão ao tratamento por uma equipe multidisciplinar é essencial à reabilitação da saúde.

Por fim, vale ressaltar que o Hospital Santa Mônica oferece tratamentos especializados para todas as disfunções psicológicas e psiquiátricas que levam ao surto psicótico no trabalho. Além da expertise na área de saúde mental, priorizamos os cuidados sanitários recomendados nesse momento de pandemia.

Precisa de ajuda nesse sentido? Entre em contato com o Hospital Santa Mônica e fale com nossos colaboradores!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga nossas redes sociais