Publicado em Deixe um comentário

Você conhece a Síndrome de Wendy? Entenda!

A Síndrome de Wendy é comum entre as mulheres e pode ser caracterizada como um comportamento resultante do medo à rejeição e pela necessidade de sempre cuidar e zelar pelo outro. Assim como a mitomania, esse transtorno apresenta características que ajudam a entender a necessidade de investir em terapia para reabilitar a saúde emocional.

Nesse contexto, a psicóloga do Hospital Santa Mônica, Ayde Câmara, irá descrever as principais características dessa síndrome, a relação dela com a saúde mental e dependência química e suas características semelhantes com a codependência. Conheça as melhores alternativas para lidar com esse problema e descubra quando é o momento de buscar ajuda profissional para superá-lo. Boa leitura!

O que é a Síndrome de Wendy?

Também conhecida como complexo de Wendy, essa síndrome também pode acometer a classe masculina. Mesmo que ainda não esteja incluído no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM), esse problema já é conhecido pela medicina e pela psicologia desde os anos 80.

A síndrome foi denominada “Wendy” porque as mulheres que apresentam esse comportamento são comparadas à fiel companheira de Peter Pan, que assumia todas as responsabilidades do menino para protegê-lo e poupá-lo de desapontamentos com a vida. Assim, esse transtorno é associado a mulheres que costumam agir como mães superprotetoras de pessoas que amam.

Pessoas que se encaixam nesse perfil manifestam uma excessiva preocupação em zelar pelo bem-estar do outro. Se necessário, essas parceiras abrem mão de sua própria felicidade para tentar fazer o companheiro feliz. Assumem, assim, as responsabilidades dos maridos ou dos filhos, por exemplo, para evitar que eles passem por algum sofrimento.

Quais são as principais características da Síndrome de Wendy?

Necessidade de cuidar de outras pessoas

As mulheres que sofrem desse distúrbio sentem um desejo muito forte de colocar as necessidades dos outros sempre à frente das suas. Elas acreditam que são obrigadas a estar sempre disponíveis para resolver problemas, assumir responsabilidades e garantir que seus filhos, parceiros, familiares ou amigos não tenham nenhum tipo de problema.

Entretanto, esse tipo de comportamento acaba sendo prejudicial para aqueles que têm a Síndrome de Wendy. Ainda que atinja mais as mulheres, esse transtorno também pode acometer homens, que agem da mesma forma: são pais, maridos ou amigos superprotetores e que se importam tanto com os outros a ponto de esquecer de suas próprias necessidades. 

Medo de não ser aceito

Geralmente, as questões que afetam a estabilidade mental geram insegurança e também dificultam o controle da ansiedade e das emoções. Por tal razão, certos padrões de comportamento podem prejudicar a vida em diferentes aspectos.

A necessidade de buscar um comportamento que facilite a aceitação pelos outros contribui para reduzir a autoestima, fazendo com que a pessoa tenha medo de não ser aceita. O quadro pode evoluir para transtornos mais graves.

Tendência de assumir responsabilidade pelos problemas dos outros

Os indivíduos que sofrem com o complexo de Wendy têm pouca capacidade de resolver seus próprios desafios, o que acaba trazendo sérias dificuldades para as suas vidas. Ao manter a atenção voltada exclusivamente para a solução dos problemas dos outros, esquecem de si e, com isso, pioram sua condição psicológica.

O outro lado problemático da Síndrome de Wendy é que a pessoa se sentirá responsável pela vida daqueles que decide cuidar. Se alguma situação foge ao controle, ela se sente culpada, frustrada e pode até desenvolver transtornos mais graves como a depressão.

A psicóloga Ayde Câmera comenta que “essa síndrome tem características muito próximas da codependência. Na codependência esse exercício de fazer pelo outro, esse comportamento de se anular para viver a vida do outro, é um combustível para que a pessoa se sinta útil.”

Qual a relação da Síndrome de Wendy com saúde mental?

Um dos sintomas mais preocupantes de quem apresenta a Síndrome de Wendy é a dificuldade de exercer um controle mais efetivo sobre o seu comportamento e suas próprias emoções. Às vezes, a pessoa se torna invasiva e até agressiva dentro de um relacionamento, o que pode gerar conflitos emocionais e afetar a saúde mental.

Isso acontece porque o indivíduo perde a noção do limite e passa a acreditar que a única forma de se sentir bem consigo mesmo é controlando os outros. Assim, quem é dominado pelo complexo de Wendy exige que o outro se comporte da forma que gostaria. Quando há resistência, a pessoa passa a desenvolver graves problemas emocionais.

Alguns sintomas sugerem a necessidade de atenção especializada em saúde mental. Veja quais são:

  • mau humor;
  • irritabilidade;
  • agressividade;
  • medo de rejeição;
  • complexo de culpa;
  • crises de ansiedade;
  • queda da autoestima;
  • insegurança acentuada; 
  • sentimento de inferioridade;
  • tendência ao isolamento social;
  • redução da produtividade no trabalho.

Como lidar com a Síndrome de Wendy? 

Destacamos algumas estratégias para estimular uma reflexão mais positiva e que ajude você a entender a importância de lidar com esse transtorno de forma mais saudável. Vamos lá?

  • ofereça ajuda somente quando solicitarem;
  • procure ser coerente em relação às responsabilidades;
  • evite autocobranças, pois nem sempre obterá os resultados esperados;
  • saiba dizer ‘não’ quando for preciso e reduza as cargas de responsabilidades;
  • não viva em função do outro, coloque o seu bem-estar em primeiro lugar;
  • tenha em mente a necessidade de respeitar a individualidade e a capacidade do outro;
  • ainda que você tenha mais habilidade para lidar com problemas, não significa que você tenha obrigação de resolvê-los;
  • experimente dar uma oportunidade para a pessoa tentar resolver os problemas dela sozinha;
  • canalize a energia nos relacionamentos, mas mantenha o foco no seu próprio desenvolvimento pessoal.

Existe tratamento para Síndrome de Wendy? 

Sim. Ainda que a Síndrome de Wendy não seja uma patologia reconhecida pela DMS, ela exige apoio de profissionais da psicologia e da psiquiatria. Normalmente, o foco da terapia é o tratamento dos sintomas como depressão e ansiedade, que requerem intervenção devido ao risco de evoluir para distúrbios mais graves.

Dentro do contexto atual que envolve pandemia e saúde mental, a Síndrome de Wendy — assim como a síndrome da cabana — são condições que exigem assistência profissional especializada. A intervenção médica ou psicológica tem como objetivo minimizar os efeitos desses problemas sobre o bem-estar e a qualidade de vida de quem precisa de apoio para enfrentar tais desafios.

Como você viu, a superação de padrões de comportamentos nocivos requer, em primeiro lugar, o reconhecimento do problema. Contudo, nem sempre é fácil encontrar esse caminho sem um suporte adequado. Distúrbios como a Síndrome de Wendy podem ser controlados com a ajuda de profissionais experientes na recuperação da saúde emocional e mental.

Essas informações foram úteis para você? Gostaria de expressar a sua opinião sobre o tema? Deixe um comentário e participe de nosso artigo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *