Siga nossas redes sociais

Publicado em 4 comentários

Mitomania tem cura? Entenda o que é e conheça os tratamentos

Mentir é algo que certamente eu e você já fizemos alguma vez na vida. Na verdade, esse é um ato consciente e intencional para a maioria das pessoas, exceto para aquelas que sofrem da chamada mitomania, um comportamento patológico que pode afetar a qualidade de vida e de relacionamentos interpessoais.

Se você nunca ouviu falar sobre essa patologia ou se ainda tem dúvidas sobre ela, chegou a hora de esclarecer o assunto. Neste post, você vai conferir o que é mitomania, quais são seus principais tipos, como ela se diferencia da mentira comum e muito mais. Fique atento e aproveite o conteúdo!

O que é mitomania?

Contar uma mentira é algo que já fez parte da vida de muita gente. Fazer uma declaração falsa pode ser considerado normal em alguns casos (apesar de antiético), mas, em outros, se caracteriza como uma doença, sabia disso? Pois é, o grande motivador de uma mentira é o medo de contar a verdade e o temor pelas consequências dos próprios atos. Só que nem sempre o ato de mentir ocorre por essa razão.

O mitômano, ou mentiroso crônico, como é chamado o paciente com essa patologia, faz isso sem mesmo perceber. A mentira é algo tão compulsivo para esse indivíduo que interfere até mesmo a sua capacidade de julgar racionalmente uma situação, seja nos seus relacionamentos, seja na sua vida em sociedade.

O mentiroso patológico se perde, literalmente, nas próprias mentiras e acaba ficando sem muita noção do que é real e do que foi inventado pela sua cabeça. As causas para isso ainda são desconhecidas, mas a combinação de alguns fatores pode acabar desencadeando o quadro, como o histórico de vida do indivíduo, seus relacionamentos, suas experiências pessoais, o seu padrão de relação com parentes e até mesmo a genética.

Toda mentira compulsiva começa com uma mentira inocente, que geralmente está associada à necessidade de uma pessoa de obter atenção ou aceitação, principalmente em situações potencialmente constrangedoras. No começo, o hábito pode ser quase imperceptível, até que toma constância e passa a ser notado por quem convive com o mitômano.

Como identificar a diferença entre mentira comum e mitomania?

Como você viu, nem todo mentiroso sofre de mitomania. Então, o que diferencia uma mentira convencional de um hábito compulsivo de inventar histórias? Basicamente, é o exagero consciente da mentira. Normalmente, ao contar uma mentira a pessoa se sente culpada e com medo de ser descoberta. O mitômano não.

Para ele, mentir é um comportamento habitual, muitas vezes desenvolvido já na infância, que se tornou tão natural a ponto de não causar nenhum remorso. Inventar a própria versão de uma determinada história é tão comum que até a pessoa que conta acredita que aquilo é real.

E não precisa ser uma grande mentira, não. Mesmo que se trate de algo trivial e pequeno, quem sofre de mitomania acaba dando um jeito de adaptar as informações. Falar a verdade é algo que pode gerar extremo desconforto e estranheza para ele, mesmo que não haja nada de errado com ela.

Alguns sinais perceptíveis de mitomania são:

  • ausência de culpa ou de medo de ser pego pelas mentiras;
  • excesso de felicidade ou tristeza nas histórias contadas;
  • histórias grandes demais ou detalhadas demais sem motivo aparente;
  • muita elaboração de resposta para perguntas simples;
  • descrição demasiada de fatos rotineiros;
  • tendência a vitimizar ou tornar o mitômano heroico;
  • existência de diversas versões para uma mesma história.

Com quais outros males está relacionada?

Se o mentiroso crônico não procura ajuda especializada para iniciar um tratamento, as consequências do seu transtorno podem se agravar, gerando problemas sérios para a sua vida pessoal. O primeiro impacto a ser percebido é a quebra da confiança nas relações interpessoais, que ficam destruídas com o passar do tempo. Além disso, podem ocorrer problemas de ordem social, provocando situações que envolvem desconhecidos.

A mitomania é um risco até mesmo para o psicológico do paciente, que pode ser profundamente afetado pelas mentiras constantes. Com a reincidência das histórias fantasiosas, o indivíduo pode acabar acreditando em uma realidade que não existe e se afundar em uma espécie de isolamento compulsório pelo afastamento do grupo de convívio.

Em outros casos, os problemas podem resultar em complicações legais, fazendo com que o mitômano responda judicialmente pelas suas mentiras.

Quando pode se transformar em transtornos mais graves?

Dificilmente um mentiroso crônico procura ajuda por conta própria. Ele não acredita que suas mentirinhas sejam uma doença, por isso, não veem motivos para procurar tratamento. O problema é que a patologia pode se transformar em transtornos mais graves, associados a outras doenças psiquiátricas e psicológicas — transtornos de personalidade antissocial, por exemplo.

Além disso, a compulsão por contar mentiras está frequentemente associada a outros tipos de compulsão, seja por comida, por compras, por álcool e assim sucessivamente. Se alguém bebe frequentemente como uma tentativa de fugir dos problemas, pode acabar mentindo para tentar negar o fato. E então isso se torna um hábito, agravando o quadro de mitomania e facilitando a instalação de outras patologias, como o alcoolismo.

Para não ser pego pelas suas mentiras, o mitômano pode tentar se isolar dos amigos, dos familiares e das pessoas com quem convive. Dessa forma, ele consegue manipular mentalmente a própria realidade, acreditando que vive em outro ambiente.

O principal tratamento para a mitomania é realizado com psicoterapia. É nesse processo que o paciente começa a identificar a doença e a expressar quais são os aspectos da sua vida que geram tanta insatisfação a ponto de ele tentar fantasiar outra realidade.

A partir daí, o indivíduo toma consciência dos gatilhos que desencadeiam suas mentiras e do que precisa ser feito para mudar verdadeiramente a sua vida, se desfazendo da necessidade, do hábito e da compulsão pela mentira. Pode ser um longo processo, mas é bastante efetivo.

O Hospital Santa Mônica pode prestar todo o suporte necessário para o tratamento contra a mitomania, ajudando a interromper o círculo vicioso das mentiras e a evitar um transtorno de personalidade ainda maior. Além disso, você pode encontrar apoio para a cura de outras doenças associadas a essa patologia.

Se você se identifica com essa condição ou conhece alguém que pode estar sofrendo de mitomania, converse com a gente! Descubra como podemos ajudá-lo.

4 comentários sobre “Mitomania tem cura? Entenda o que é e conheça os tratamentos

  1. Bom dia, preciso de ajuda meu filho é um mitômano, urgente

    1. Olá Eliana, estamos entrando em contato por email, mas segue nosso whatsapp 11 99534-4287

  2. Boa tarde.Meu marido vive em um mundo onde acha que tudo qie ele faz ou fala é verdadeiro.Tudo que ele faz diz que não fez,mas co cameras escondidas vejo qie esta mentindo,mas nao admite jamaisTem preconceitos com negros entre outras coisas.E filho de uma mãe negra,tem um irmão negro mas não aceita a cor.Faz varias coisas e diz que nao fez.Como posso cuidar dessa situação?Ele acha que nao precisa de tratamento,se acha perfeito mas isso esta acabando com os filhos do primeiro casamento que moram com conosco e comigo que sou a esposa.

    1. Olá Gida, o ideal seria passar por uma consulta com um psiquiatra para avaliar o caso e tirar as dúvidas de vocês, fechar o diagnóstico e tratamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *