6 dicas para escolher a clínica de reabilitação mais adequada - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

Escolher a clínica de recuperação mais adequada para o tratamento de um dependente químico é uma medida que precisa ser tomada com cuidado. Isso porque o bem-estar do paciente precisa sempre ser colocado em primeiro lugar.

Optar pela reabilitação não é uma decisão fácil de ser tomada, mas o tratamento é eficaz, já que afasta a pessoa de sua rotina de maneira a evitar os gatilhos que a levam a consumir drogas no dia a dia.

É necessário prestar atenção em alguns detalhes essenciais para eleger o estabelecimento que ofereça um tratamento sério, com infraestrutura adequada e que ao mesmo tempo, seja mais confortável para o paciente e, assim, permitir uma recuperação definitiva. Preparamos este post com algumas dicas para ajudar. Confira!

Em que momento deve-se optar pela internação?

Decidir por essa alternativa é algo que geralmente acontece em um estágio mais avançado da dependência de substâncias químicas e, para que seja um processo com resultados efetivos, é necessário que o próprio paciente tenha consciência de sua situação.

Não é rara a constatação de que somente afastar um dependente químico de seu círculo social habitual será eficaz para combater o vício. O apoio de amigos e familiares também é crucial nesses casos para evitar que ele abandone o tratamento na clínica de recuperação ou tenha uma recaída.

Aliás, são muitos os casos de pessoas que deixam de se tratar ainda no início da reabilitação. A privação do consumo da droga e dos hábitos de rotina, se não forem questões bem trabalhadas, podem agravar a situação de uma pessoa que abusa desses compostos.

Que critérios considerar para escolher uma clínica de recuperação?

Para amigos e familiares, é fundamental saber como funciona a internação para dependentes químicos antes de tomar uma decisão sobre essa forma de lidar com o vício de uma pessoa. Na hora de escolher a clínica de recuperação ideal, é necessário considerar alguns critérios. Veja quais são!

1. Analise a infraestrutura

Sempre que possível, a pessoa que responde por um dependente químico precisa avaliar as condições do local em que a internação do paciente será realizada. Se possível, faça uma visita antes de assinar o contrato. Esses locais precisam ter a infraestrutura adequada para todos os cuidados médicos de rotina necessários.

A instituição, seja um hospital ou clínica, escolhida também precisa estar preparada para intervenções de emergência no caso crises ou complicações durante o tratamento, como médico 24 horas, carrinho de parada, farmácia para dispensação de medicação, protocolos clínicos, entre outros.

2. Saiba qual a especialidade do estabelecimento

Cheque o histórico da clínica de recuperação escolhida para o tratamento de reabilitação do dependente. Procure saber quais são os casos mais frequentemente atendidos e, se possível, busque informações sobre o estado atual de pacientes que já se trataram na instituição.

Opte por um estabelecimento com boas referências e que tenha sido recomendado por pessoas com autoridade no assunto ou que já tenham passado por situação semelhante.

3. Pesquise a duração do tratamento e rotina do paciente

Preste atenção ao plano estabelecido para o tratamento do dependente químico. Busque saber informações sobre como será a sua rotina durante o período de reabilitação e qual é a previsão para o fim de cada etapa.

O sucesso desse processo depende também da reação do paciente. Procure acompanhá-lo de perto e faça a sua própria avaliação sobre os seus progressos. Avalie também a sua satisfação com o andamento do tratamento e os serviços oferecidos pela clínica durante o procedimento.

Tenha em mente que a recuperação eficaz do paciente pode até demorar a ocorrer. Porém, é necessário que ele esteja confortável desde o primeiro momento. Só assim ele terá condições de evoluir em seu tratamento.

4. Veja quem fará o acompanhamento do paciente

Hospitais e clínicas especializadas em recuperação possuem equipes multidisciplinares para cuidar de dependentes químicos. Elas são formadas por médicos, enfermeiros, psicólogos e outros profissionais.

Se informe sobre quantos e quais profissionais prestarão assistência ao paciente e em quais momentos eles estarão presentes. O ideal é que a pessoa em reabilitação jamais se encontre longe do cuidado de um deles. Verifique também se a instituição conta com uma grade terapêutica estabelecida — a psicoterapia é muito importante no processo de recuperação.

5. Pergunte sobre os tipos de medicamentos e técnicas que serão utilizados

A reabilitação de um dependente químico exige um processo de desintoxicação. Nesses casos, não é recomendada a interrupção brusca do consumo de drogas devido a possíveis efeitos colaterais ou crises de abstinência.

Na verdade, o ideal é que o paciente consuma essas substâncias sim, mas em doses cada vez menores até a desintoxicação total do organismo.

Esse processo precisa ser feito com muito cuidado e, por isso, precisa ser administrado por profissionais experientes. Caso seja necessário, eles podem oferecer medicamentos complementares ao paciente, que pode acabar desenvolvendo outros males em consequência do abuso das drogas.

Isso reforça a necessidade de que profissionais especializados lidem com o dependente químico submetido a esse tipo de tratamento.

6. Verifique como será o tratamento pós-internação

Busque saber se o local oferece apoio para o dependente químico que sai da reabilitação. Não é raro que pessoas que passam por processos de desintoxicação apresentem sintomas de doenças ou distúrbios psicológicos, que antes estavam mascarados pelo consumo das drogas.

Por isso, dê preferência a clínicas de recuperação que tenham planos para depois do processo de reabilitação, como consultas periódicas com especialistas e acompanhamento psicológico.

Grupos de autoajuda também podem ser relevantes para a recuperação de uma pessoa em reabilitação, pois dividir a experiência com outros pacientes é uma forma de amparo mútuo.

Quais cuidados que a família de um dependente químico deve tomar?

Uma pessoa que abusa das drogas geralmente busca esconder o vício nessas substâncias por medo de ser reprimida ou julgada. É importante que o paciente se sinta seguro e à vontade para pedir ajuda, e criar esse ambiente depende muito da compreensão e do diálogo aberto.

Se você precisa lidar com essa situação ou conhece alguém com esse tipo de problema, ofereça-se para acolher o dependente químico e ajudar em seu tratamento. Veja alguns cuidados que família e pessoas próximas devem tomar nesse momento:

Conversar com médicos

Conheça a equipe que vai acompanhar o paciente. Esses profissionais vão conviver com ele durante alguns meses e é importante para todos que a família se envolva no processo. 

Se mostre interessado, faça as perguntas que achar necessárias e tire todas as suas dúvidas. Também procure saber sobre a evolução do paciente durante o processo. O acompanhamento da família é muito importante para a recuperação. Estudos mostram que os tratamentos contra drogas são mais eficazes quando as famílias estão presentes. Isso eleva a autoestima do paciente, evita que ele sinta solidão e reduz conflitos.

Verificar a atualização dos tratamentos

Ao escolher uma clínica de recuperação, se certifique de que ela tem as melhores práticas de tratamento. Na Medicina, os procedimentos evoluem à medida que novas descobertas vão sendo feitas, e é importante escolher um estabelecimento que tenha métodos e profissionais sempre atualizados.

Procure saber se os médicos são estudiosos, se participam de congressos e seminários e se estão em contato com outros profissionais para trocar ideias. Esse costume é fundamental para que a pessoa se mantenha a par do que há de novidade na ciência e mantenha a mente aberta a novas possibilidades. 

Manter um diálogo aberto com o paciente

O apoio psicológico durante a reabilitação é fundamental, pois abandonar o vício exige primeiro a desintoxicação do organismo, e depois o retorno ao convívio social de maneira que não haja recaídas.

As boas clínicas de recuperação oferecem atividades terapêuticas que envolvem pacientes e seus familiares e é muito importante para o tratamento que as pessoas próximas ao paciente participem desse processo.

Evite ser muito crítico e também excessivamente permissivo. Esses dois extremos de comportamento podem aumentar o risco de recaída. Mostre-se disponível, escute o que o paciente tem a dizer e converse sobre temas que não envolvam a dependência química.

Lembrar-se de cuidar da própria saúde

O abuso de drogas traz muitos malefícios para quem o faz, mas também prejudica outras pessoas da família. Não é fácil decidir pela internação nem conviver com esse tipo de problema, então não esqueça de cuidar também da sua própria saúde.

Participe das dinâmicas propostas pela clínica de recuperação, tenha uma rede de apoio e, se achar necessário, procure um psicoterapeuta. Para apoiar devidamente um dependente químico, é necessário ser forte e, nos momentos difíceis, nem sempre é possível se manter firme. Não tenha vergonha em procurar ajuda profissional. 

Optar pelo tratamento em uma clínica de reabilitação é geralmente a última alternativa para quem deseja ver uma pessoa querida livre das drogas. No entanto, conhecer todos os detalhes mencionados acima dá mais tranquilidade nesse processo.

A internação no Hospital Santa Mônica

No Hospital Santa Mônica, todos os pacientes são acompanhados por uma equipe especializada em dependência química e saúde mental. A equipe envolve médicos clínicos e psiquiatras, psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, assistentes sociais, farmacêuticos, entre outros.

O hospital também conta com uma grande área de mata nativa preservada, academia de ginástica, piscina, campo de futebol e uma estrutura completa para atividades de lazer, como artes manuais, música e dança. Tudo isso ajuda a dar autonomia ao paciente para que ele se reintegre à vida social.

A nossa equipe multidisciplinar desenvolve uma avaliação completa de cada paciente para conhecer suas necessidades e desafios. Depois disso, o próximo passo é a criação de um plano de tratamento individualizado.

Se você está à procura de uma clínica de recuperação e quer saber mais sobre o Hospital Santa Mônica, entre em contato conosco! Nós oferecemos o melhor tratamento aos pacientes e também promovemos atividades com os familiares.

6 respostas para “6 dicas para escolher a clínica de reabilitação mais adequada”

    1. Olá Leandro, na nossa página tem mais informações, se precisar podemos entrar em contato! hospitalsantamonica.com.br/blog

  1. Bom dia!
    Artigo excelente. As familias que possuem dependentes quimicos carecem de informações a respeito de um local para internar seu ente querido. Não procuram conhecer a estrutura, corpo clinico e a equipe multidisciplinar que cuidará do paciente.
    A maioria das unidades não possuem documentação necessária para atuar, não tem sequer equipe multidisciplinar e comida decente.
    Obrigado pelo post.

    1. Olá Julio, que bom que gostou, ficamos à disposição caso tenha interesse em algum assunto específico, abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos