Publicado em 1 comentário

Conheça as 5 drogas mais viciantes e seus efeitos no corpo e na mente

O consumo abusivo de álcool e de drogas ilícitas vem crescendo progressivamente, sobretudo entre os jovens. Por tal razão, saber quais são as drogas mais viciantes ajuda a compreender melhor como frear seus determinantes a fim de ajudar quem enfrenta a adicção.

Tendo isso em vista, o psicólogo do Hospital Santa Mônica, Antonio Chaves Filho, irá apresentar a você a lista das drogas mais viciantes e explicar os efeitos que afetam o corpo e a mente. Entenda também o que é a overdose, quais são os seus impactos e os riscos que ela representa à saúde mental e emocional do dependente.

Principais motivações para adicção em drogas

Um estudo publicado pela Revista da Escola de Enfermagem da USP analisou as principais motivações que levam ao consumo inicial de drogas pelos adolescentes e jovens. As razões mais evidentes estão associadas à atenuação da crise existencial, uma característica marcante da adolescência.

Além disso, a pesquisa destaca outros fatores que contribuem com a crise existencial e estimulam o consumo de entorpecentes na juventude. A ruptura dos laços sociais, os conflitos familiares e as condições de vulnerabilidade social e econômica são os pilares mais relevantes.

Portanto, ainda que a adicção em drogas possa acontecer em qualquer faixa etária, entre adolescentes e jovens, o risco de envolvimento com tais substâncias é maior. Nesse grupo, há uma intensa relação entre o consumo de drogas e a instabilidade mental, o que exige mais cuidado e atenção por parte da família, comunidade e profissionais de saúde.

As 5 drogas mais viciantes e seus impactos

Após entender as principais motivações para adicção de tais substâncias, vamos abordar as drogas mais viciantes e seus efeitos causados na saúde do corpo e da mente. Acompanhe.

1. Nicotina

Presente na composição do cigarro, a nicotina causa graves prejuízos ao organismo e é considerada uma das drogas lícitas mais letais. Essa substância tem a capacidade de estimular a produção de dopamina, um dos mediadores químicos cerebrais responsáveis pela regulação do centro de prazer.

Uma das razões que sustentam a adicção ao cigarro é o desequilíbrio nas concentrações dos mediadores cerebrais que regulam as emoções. Sem a nicotina, a taxa de dopamina cai e o cérebro do fumante produz noradrenalina. Em alta, esse hormônio causa ansiedade e faz a pessoa consumir cada vez mais cigarros.

Principais efeitos

Em altas concentrações no corpo, a nicotina eleva os batimentos cardíacos, a pressão arterial e desregula a frequência respiratória. Esse elemento também afeta a atividade motora, dificulta a digestão e, somado aos outros componentes do cigarro, apresenta um alto potencial cancerígeno.

2. Álcool

Além dos prejuízos à saúde, os atos infracionais, a agressividade e os acidentes de trânsito estão entre as piores consequências do alcoolismo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 13,5% do total de mortes entre pessoas de 20 a 39 anos estão associadas ao abuso de álcool. Tais estatísticas sugerem a urgente necessidade de buscar medidas que reduzam o consumo precoce de álcool e atenuem esse problema.

Principais efeitos

As bebidas alcoólicas têm ação direta no Sistema Nervoso Central, causando diferentes reações depressoras das funções exercidas pelo cérebro. Além de reduzir a capacidade crítica da pessoa e alterar o humor, elas afetam o equilíbrio motor, provocam ansiedade e desestabilizam as funções cognitivas.

3. Heroína

É uma das drogas com grande potencial para causar adicção, pois alcança o Sistema Nervoso Central em questão de segundos. Os efeitos no corpo e na mente do dependente químico podem ser irreversíveis. O consumo desenfreado desse tipo de substância gera distúrbios emocionais e psíquicos que comprometem a vida social, acadêmica e profissional.

Principais efeitos

A heroína alcança rapidamente a corrente sanguínea e chega ao cérebro, onde provoca pequenas lesões. Com o passar do tempo, e a evolução das fases da adicção em drogas, ela causa efeitos neurológicos intensos, como a morte de neurônios: as células cerebrais. O uso da substância também leva à perda de memória e concentração, desinteresse pela vida, ideação suicida e riscos sociais.

4. Cocaína

Por ser muito cara, há muitas outras substâncias prejudiciais à saúde presentes na composição da cocaína. Sendo assim, os usuários não têm noção do que inalam ou injetam, já que a droga pode ser consumida de diferentes maneiras. Entre os produtos já encontrados na droga, há evidências de fluido de bateria e até vidro moído.

Principais efeitos

Ao entrar em contato com o organismo, essa substância provoca sérios prejuízos. Por ser ácida, ela causa a erosão do esmalte dental, afetando a saúde dos dentes e da gengiva. O consumo de cocaína afeta as funções cerebrais ao desequilibrar a liberação de importantes neurotransmissores que controlam o sono e o apetite.

5. Crack

O crack é uma das drogas mais viciantes e com maior potencial destrutivo, sendo um subproduto da cocaína vendido por um valor mais acessível, o que torna-o muito popular entre jovens desempregados e a população de rua. O efeito da substância é passageiro, por isso, a pessoa é facilmente induzida à adicção.

Principais efeitos

Usuários de crack são muito debilitados por conta da perda de apetite, que é um dos efeitos mais marcantes dessa droga. A falta de sono, a paranoia e o desejo de suicídio são comuns. Logo, a falta de sono e a desnutrição contribuem para os desajustes psíquicos, emocionais e a queda da defesa imune observada nos adictos de crack.

Riscos associados à overdose

A overdose é caracterizada pelo consumo de drogas em excesso, condição que pode levar o usuário ao coma ou à morte por parada cardíaca. A intensidade dos efeitos no corpo variam de acordo com a quantidade de substância ingerida e o estado do organismo da pessoa.

Os sintomas da overdose são as alterações cognitivas, como a queda na capacidade de atenção, confusão mental e dificuldades motoras. Nesse quadro, observa-se a fraqueza nas pernas e nos braços, com dificuldade para se manter de pé e coordenar os movimentos de precisão. Desmaios, convulsões e epilepsia também podem se manifestar.

Pessoas que consomem qualquer uma dessas drogas mais viciantes devem buscar ajuda profissional para superar o problema. Mesmo que a adicção em drogas seja uma situação desafiadora, com um tratamento adequado, é possível trabalhar a prevenção de recaídas, reabilitar a saúde e promover o bem-estar.

Este conteúdo foi útil para você? Então, aproveite a visita ao nosso blog para saber mais sobre o tema: entenda a relação entre autossabotagem e drogas.

Um comentário sobre “Conheça as 5 drogas mais viciantes e seus efeitos no corpo e na mente

  1. REALMENTE AS DROGAS NAO COMPENSAM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Siga nossas redes sociais