Transtorno disfórico pré-menstrual: veja como funciona o tratamento da super TPM - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

O transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM) é uma forma mais grave e intensa da síndrome pré-menstrual (SPM), conhecida também como tensão pré-menstrual (TPM). Esse problema causa sintomas físicos, cognitivos e psicológicos relacionados às oscilações hormonais que ocorrem durante o ciclo menstrual.

Classificado como um transtorno depressivo, o TDPM atinge de 3% a 8% das mulheres em idade reprodutiva, sendo responsável por alterações de humor e comportamento expressivas e incapacitantes.

Esse problema de saúde mental é causado por uma alteração genética nos receptores de serotonina — neurotransmissor que regula o humor, o sono, o apetite e a dor. Quando os níveis dessa substância estão baixos no organismo, a pessoa apresenta reações emocionais acentuadas e desproporcionais aos estímulos externos.

Quer conhecer os principais sintomas da “super TPM” e as opções de tratamento mais indicadas? Então, continue acompanhando este artigo!

Sintomas do transtorno disfórico pré-menstrual

O transtorno disfórico pré-menstrual é caracterizado por sintomas que aparecem entre 2 a 10 dias antes da menstruação e começam a desaparecer poucos dias após o início do fluxo menstrual.

Esse distúrbio geralmente é diagnosticado quando esse quadro se repete por, pelo menos, dois ciclos menstruais consecutivos, traz prejuízos à vida profissional, familiar ou amorosa da mulher.

Os principais sintomas do TDPM são:

  • irritabilidade;
  • humor deprimido;
  • ansiedade;
  • pensamentos autodepreciativos;
  • instabilidade emocional;
  • dificuldade de concentração;
  • falta de interesse em atividades habituais;
  • fadiga, apetite descontrolado;
  • problemas para dormir;
  • dor de cabeça e inchaço no corpo.

Opções de tratamento do transtorno disfórico pré-menstrual

Por ser um tipo de depressão cíclica que se manifesta ao longo do ciclo menstrual, a mulher afetada pelo TDPM precisa de um tratamento específico, baseado principalmente no controle dos sintomas.

Por meio de um exame clínico minucioso, uma equipe médica multidisciplinar é capaz de realizar o diagnóstico e estabelecer uma estratégia de tratamento adequada às necessidades de cada paciente, que pode incluir a prescrição de medicamentos e a indicação de psicoterapias e outras práticas complementares.

Medicamento

Os antidepressivos, em especial os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), são os medicamentos mais usados no alívio dos sintomas em casos graves de TDPM. A prescrição desse tipo de remédio deve ser feita por um médico especializado com base nos sintomas apresentados e no grau do distúrbio.  

O uso de contraceptivos orais é outro método comum no tratamento desse distúrbio, pois visa a supressão da ovulação para controlar as oscilações hormonais e os sintomas físicos mais intensos.

Psicoterapia

Nos quadros leves e moderados de TDPM, a psicoterapia pode ser suficiente para controlar os sintomas do distúrbio e melhorar a qualidade de vida do paciente por meio de técnicas e práticas psicológicas.

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é uma das abordagens que mais têm mostrado resultados positivos tanto como tratamento de primeira linha quanto de forma auxiliar ao tratamento medicamentoso.

Alimentação e exercícios físicos

Um tratamento complementar que auxilia na promoção da saúde mental da mulher é a mudança de hábitos alimentares e o combate ao sedentarismo. A manutenção de uma dieta saudável e equilibrada, com redução de gorduras saturadas, açúcar, sal e cafeína, ajuda a fortalecer o sistema imunológico e a diminuir os sintomas.

A ingestão de água e alimentos ricos em triptofano, como peixes, ovos, cereais, castanhas, leguminosas e derivados do leite, atua no equilíbrio da quantidade de serotonina no corpo e, consequentemente, aumenta o bem-estar.

A prática regular de exercícios físicos também é uma aliada no tratamento do TDPM, pois ajuda a diminuir a ansiedade, a aliviar o estresse, a liberar endorfina — neurotransmissor ligado à sensação de prazer e felicidade — e a melhorar a autoestima.

Referência em psiquiatria e saúde mental, o Hospital Santa Mônica oferece tratamento especializado para transtorno disfórico pré-menstrual e outros problemas psiquiátricos, com atendimento de qualidade, cuidados individualizados e unidades de internação.

Para saber mais sobre outros problemas de saúde mental, leia nosso artigo sobre transtorno de ansiedade de doença: saiba como descobrir e tratar!

2 respostas para “Transtorno disfórico pré-menstrual: veja como funciona o tratamento da super TPM”

    1. Olá Jane sim, estamos realizando consultas online com psiquiatras, segue o contato 11 98500-3238

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos