Por que os homens abusam mais de drogas que as mulheres? - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

As mulheres costumam se envolver com tóxicos muito mais tarde que os homens. Mediante isso, entender as razões que tornam o uso de drogas por homens muito maior que na classe feminina é importante para direcionar medidas que reduzam o efeito das drogas no organismo

Nessa perspectiva, a proposta deste artigo é mostrar o quanto esses vícios impactam a saúde masculina, já que a prevalência dos transtornos relacionados a drogas é bem maior nesse público.

Confira, agora, as diversas razões pelas quais os homens abusam das drogas mais que as mulheres e os dados que reforçam essa problemática. Explicaremos as principais razões que levam os homens a esse consumo exagerado — e precoce — de drogas e mostraremos quais são as melhores alternativas para contornar esse problema. Acompanhe!

O que as pesquisas dizem sobre o uso de drogas por homens?

Recentemente, foram divulgados os resultados do 3° Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas (LNUD). Esse trabalho teve a parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz.) e órgãos de grande expressão nacional como a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD), vinculada ao Ministério da Justiça e à Segurança Pública.

Este estudo foi o trabalho mais completo sobre o consumo de drogas já realizados em nosso território. Pela primeira vez, esse levantamento teve grande abrangência e incluiu áreas rurais, pequenas cidades e municípios mais distantes das grandes capitais. Mais que isso: a pesquisa utilizou também amostras populacionais de zonas de fronteiras, o que dá bem mais credibilidade aos resultados obtidos.

Destacamos alguns números extraídos do relatório do LNUD, publicados pelo portal da Fiocruz. Confira:

  • nos 12 meses anteriores à pesquisa, pelo menos 3,2% dos brasileiros consumiram algum tipo de substâncias ilícitas;
  • 4,9 milhões de pessoas admitiram envolvimento com drogas;
  • o percentual de usuários é bem maior entre os homens: 5% contra apenas 1, 5% nas mulheres;
  • aumento do consumo entre os jovens: 7,4% dos usuários pertencem à faixa etária entre 18 e 24 anos;
  • no Brasil, a substância ilícita com maior índice de consumo é a maconha;
  • 7,7% dos brasileiros com idade entre 12 a 65 anos admitiram já ter usado maconha;
  • em segundo lugar vem a cocaína, com um percentual de 3,1% de adeptos;
  • 1,4 milhão dos adictos entre 12 e 65 anos utilizaram crack pelo menos uma vez na vida. Destes, 1,4% são homens e 0,4% são mulheres.

Esses dados reforçam a teoria de que os homens estão muito mais expostos aos efeitos resultantes do abuso de drogas sobre a saúde mental e física. Essa questão influencia diversas áreas da vida pessoal, escolar, afetiva e profissional, além de ser um dos principais gatilhos que geram conflitos familiares e desordens na sociedade.

O que leva os homens a abusarem mais de drogas e álcool? 

A Organização Mundial da Saúde (OMS), considera o uso de drogas por homens, principalmente entre os adolescentes e adultos jovens, um dos maiores desafios a ser superado em todos os continentes. Enquanto os fatores sociais, econômicos e culturais distanciam os países do globo, a questão do uso — e do tráfico — de drogas tem se tornado um denominador comum entre todas as nações.

Em nosso país, a realidade não é diferente, já que faltam políticas assistenciais que trabalhem a promoção de hábitos saudáveis, de forma sistêmica, na juventude. Como o vício precoce em entorpecentes está associado ao desenvolvimento de diversas doenças na fase adulta, isso gera um impacto muito negativo, tanto no âmbito pessoal como para a sociedade.

Como a propensão ao uso de drogas por homens é bem maior, é necessário buscar alternativas que possam reduzir os efeitos nocivos dessas substâncias sobre a saúde. Um dos aspectos mais relevantes é compreender as razões que levam os homens à dependência química precoce.

Especialistas afirmam que o consumo de tóxicos entre jovens de 11 a 16 anos traz consequências muito perigosas à saúde, já que nessa idade, o organismo masculino ainda está em desenvolvimento. Os danos causados podem perdurar por toda a vida: os órgãos sexuais e o cérebro são os que sofrem o maior impacto das drogas.

Muitas vezes, esses efeitos nem são percebidos de imediato, mas há uma relação muito alta entre o abuso de drogas e álcool na juventude e o surgimento de doenças crônicas como o diabetes, a hipertensão e desequilíbrios hormonais na fase adulta.

As drogas são produzidas clandestinamente, o que aumenta a possibilidade de elas conterem substâncias diversas e até mesmo veneno em sua composição. A maconha, por exemplo, tem bastante THC, um canabinoide com efeito alucinógeno que afeta diretamente o sistema nervoso central.

A mistura de THC com outras substâncias desconhecidas pode gerar reações imprevisíveis no organismo. Entre os jovens usuários de drogas, a depressão e a esquizofrenia são as doenças de maior prevalência.

Na classe masculina, as consequências do uso de drogas  é percebida com mais frequência em acidentes automobilísticos, no ambiente de trabalho, no absenteísmo e na maior relação com incapacidades laborais que impactam diretamente na redução da produtividade. 

Tendo isso em vista, listamos alguns motivos que ajudam a entender por que os homens são mais vulneráveis ao envolvimento com drogas do que as mulheres. Observe: 

  • os homens têm predisposição a correr mais riscos; 
  • eles cresceram sob a influência cultural de que “homem é forte e, por isso, dificilmente serão dominados por algo”;
  • a exposição às drogas na adolescência pelos amigos é bem maior entre os meninos;
  • essa relação de exposição pode ser associada à taxa de suicídio, que é maior também na classe masculina;
  • os homens são mais aliciados para o tráfico, o que favorece a primeira experiência na juventude;
  • há mais oferta de drogas recreativas entre homens em festas, shows e eventos universitários.

Como e onde procurar ajuda?

Há diferentes alternativas de tratamento para reabilitação da saúde dos dependentes químicos. O ideal é buscar auxílio profissional o quanto antes, já que os efeitos sobre a mente e corpo podem causar consequências imprevisíveis, e de difícil reversão. 

Outro ponto que merece atenção é a ligação do vício em entorpecentes com a ideação suicida. Um estudo publicado pelo Scielo/USP abordou a intensa relação entre os dependentes químicos e o suicídio. O Hospital Santa Mônica oferece toda estrutura exigida para a recuperação do bem-estar e da qualidade de vida de quem está passando por esse problema. 

Como é maior o uso de drogas por homens faz-se necessário encaminhar esses usuários para tratamento em nossa instituição especializada em saúde mental. Trabalhamos com uma equipe multidisciplinar que assegura todo o suporte necessário à reabilitação integral da saúde e o rápido retorno ao convívio familiar e social.

Precisa de ajuda? Entre em contato com o Hospital Santa Mônica e conte conosco com o que precisar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos