Publicado em Deixe um comentário

Mito ou verdade: Depressão é Genética?

O Dr. Rodrigo Menezes Machado, Psiquiatra do Hospital Santa Mônica, fala sobre o que pode favorecer o início de um quadro depressivo.

 

Dados da Organização Mundial de Saúde afirmam que mais de 300 milhões de pessoas no mundo têm episódios frequentes de crises depressivas. Por isso, saber se a depressão é genética possibilita ficar alerta aos sinais que indicam a necessidade de buscar ajuda profissional.

Nessa perspectiva, vamos apresentar alguns mitos e verdades sobre a doença. Além disso, também abordaremos importantes conceitos associados à depressão e destacaremos algumas modalidades de tratamento que possibilitam a reversão desses quadros. Aproveite a leitura!

Afinal, o que é depressão?

É uma doença que afeta a vida da pessoa em diferentes aspectos. Além disso, a depressão pode se manifestar em diferentes níveis: desde as crises leves e momentâneas até o transtorno depressivo maior (TDM). Nesse patamar de comprometimento, a doença apresenta altos níveis de morbidade e mortalidade. 

Apesar da intensificação dos investimentos em pesquisas nesse ramo, a base neurobiológica ligada aos transtornos depressivos ainda permanece desconhecida. Contudo, há evidências de que fatores como herança familiar, expressão genética e outros ligados ao gerenciamento das emoções sejam determinantes para o surgimento da depressão.

Igualmente relevante é reconhecer os sinais que podem indicar a doença. Vale destacar, entretanto, que os sintomas variam conforme o grau de comprometimento. Entre os mais comuns, destacam-se:

  • distúrbios no apetite levando ao emagrecimento ou ganho de peso muito rápido;
  • dores físicas persistentes e que não desaparecem com tratamento;
  • tristeza muito frequente, desânimo e vontade de chorar;
  • sentimentos de desesperança e pessimismo;
  • dificuldades de concentração e de raciocínio;
  • problemas de memória e fadiga mental;
  • impaciência, mau-humor e irritabilidade;
  • alteração no sono;
  • ideação suicida.

Quais são os principais mitos e verdades sobre a depressão?

Para facilitar a compreensão do tema, elencamos alguns mitos e verdades sobre esse transtorno. Veja quais são!

Depressão é diferente de tristeza

Verdade. Ao contrário do que muitos pensam, a depressão não está necessariamente alinhada a fatos isolados ou acontecimentos. Geralmente, ela surge de forma gradativa, quando certos conflitos internos não são resolvidos.

Portanto, depressão é diferente de tristeza. Quando uma pessoa fica triste, ela tem consciência do que gerou o sentimento e, com o tempo, a tristeza passa. Já nos episódios depressivos, isso é bem diferente. Assim, a depressão não desaparece sozinha e requer acompanhamento médico regular.

Depressão pode estar associada ao consumo de droga e álcool

Verdade. A adicção em drogas ou em álcool pode ser tanto o gatilho como uma consequência das crises depressivas. Assim, nos momentos mais difíceis, o consumo dessas substâncias pode ser visto como uma válvula de escape. Porém, essas práticas podem contribuir para o início ou a piora dos quadros de depressão.

Depressão não tem cura

Mito. Há várias opções de tratamento para a depressão e, no geral, os resultados são positivos. Ainda que haja eventuais recaídas, esse transtorno pode, sim, ser controlado com medicações específicas e com acompanhamento profissional.

Depressão pode ter origem genética

Verdade. Mas isso não é regra geral. Conforme um estudo publicado no site da Pubmed, algumas modalidades de depressão podem ter origem genética. Por isso, quem tem casos da doença na família tem um risco mais elevado de desenvolver esse distúrbio.

Porém, assim como acontece com outras condições que afetam a saúde mental, o aparecimento da depressão depende de diferentes fatores. Assim, a doença surge quando essa vulnerabilidade biológica hereditária é somada a outras questões que levam ao desequilíbrio psíquico.

Os fatores adicionais que mais contribuem para desencadear as crises depressivas são a maior exposição ao estresse, questões familiares, instabilidades afetivas, pressão no trabalho e outros. Com o tempo, o efeito desse tipo de conflitos afeta o subconsciente. Consequentemente, as modificações fisiopatológicas que isso causa nas estruturas cerebrais levam à depressão.

Depressão tem ligação com doenças crônicas

Verdade. Se depressão é genética, não se sabe ao certo. Mas uma coisa é certa: ela é uma doença bastante complexa. Por esse motivo, ela pode se desenvolver tanto por consequência de alguma condição pré-existente como levar ao desenvolvimento desses quadros.

Inclusive, pacientes com doenças neurodegenerativas — principalmente Alzheimer e Parkinson — são mais vulneráveis à depressão. Outras condições crônicas, como o câncer, problemas do coração, doenças autoimunes e desequilíbrios hormonais também estão interligadas aos fenômenos depressivos.

Quais as melhores opções de tratamento para a depressão?

Mesmo que o tema deste artigo seja discutir se depressão é genética, convém saber quais são as terapias mais utilizadas para tratar esse distúrbio, independentemente da causa. 

Tendo isso em vista, listamos aqueles que apresentam resultados mais positivos. Observe!

Medicamentos

Os remédios para depressão devem ser usados somente com prescrição e acompanhamento do médico psiquiatra. Atualmente, há diferentes alternativas de ansiolíticos e antidepressivos que promovem a reabilitação mental.

Terapia Cognitiva Comportamental

Também conhecida como TCC, essa modalidade de tratamento objetiva trabalhar a desconcentração de pensamentos negativos. O foco nesse processo ajuda a reduzir os episódios depressivos e combater os gatilhos que desequilibram as emoções. Além de tratar a depressão, essa terapia é útil para controlar diferentes transtornos psicológicos.

Apoio psiquiátrico

Diferentemente do médico neurologista, que trata doenças que comprometem a estrutura física do cérebro — como enxaquecas e derrame cerebral —, o psiquiatra cuida dos males que se desenvolvem na mente e afetam o comportamento. Por isso, o acompanhamento psiquiátrico é uma das melhores alternativas terapêuticas para minimizar os impactos da depressão.

Como o Hospital Santa Mônica pode ajudar?

Nossa instituição é especializada em reabilitação da saúde mental. Temos uma equipe multidisciplinar que oferece suporte psiquiátrico e apoio psicológico a quem precisa superar seus desafios emocionais. A avaliação e o diagnóstico são realizados por médicos psiquiatras com o suporte da equipe multiprofissional.

Nossos tratamentos são baseados em uma combinação de diferentes modalidades terapêuticas. Entre elas, destaca-se a Terapia Cognitiva Comportamental, que é aliada ao acompanhamento efetivo da equipe multidisciplinar.

Vale destacar, por fim, que tão necessário quanto explicar se depressão é genética é destacar as possibilidades de reversão dessa doença. Por meio de tratamentos psiquiátricos modernos e assistência adequada, conseguimos restabelecer a saúde mental, ter mais bem-estar e aumentar a qualidade de vida.

 Você conhece alguém que precisa de ajuda para vencer a depressão? Entre em contato conosco e fale com um de nossos colaboradores!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Siga nossas redes sociais