Desafio da boneca momo: 4 cuidados que os pais devem ter - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

No ambiente digital, casos como o da “boneca momo” se popularizam e chamam a atenção de pais de crianças e adolescentes sobre a segurança ao navegar e utilizar as mídias sociais. Semelhante ao desafio Baleia Azul, jogo em que as vítimas eram incitadas ao suicídio, a boneca é utilizada por criminosos que se passam por um espírito maligno.

No avatar do WhatsApp, a foto de uma mulher assustadora, com olhos esbugalhados, anuncia a momo. A partir do aplicativo, ela entra em contato e faz com que os jovens pratiquem atos violentos contra si mesmos. A imagem utilizada para representá-la é a de uma escultura chamada “Mother Bird” ou “Mulher Pássaro”, em português, de um museu de Tóquio, no Japão.

De automutilação a suicídio, a boneca momo envia materiais de ódio e violência explícita e pode também recolher informações sigilosas sobre o usuário, a partir de um robot capaz de ter acesso a outros aplicativos com dados pessoais.

Continue a leitura do texto para entender como os pais podem instruir os jovens em relação a casos como esse. Boa leitura!

1. Mantenha o diálogo e alerte sobre os riscos da boneca momo

A lenda urbana se popularizou após a suposta ligação do perfil da boneca com um garoto de 9 anos de Recife, encontrado com sinais de enforcamento no quintal de casa. Embora a relação não tenha sido comprovada, profissionais que lidam com a saúde mental de crianças e adolescentes têm alertado sobre a importância dos pais informarem seus filhos dos riscos.

A melhor estratégia é manter o diálogo e orientar sobre os riscos de dar atenção a perfis desconhecidos em aplicativos como WhatsApp e Messenger, por maior que seja o medo que eles despertem. É necessário também instruir crianças e jovens a não compartilharem dados pessoais e a informarem alguém de confiança caso algum perfil suspeito entre em contato, por mais que sejam coagidos a não fazer isso. Somente dessa forma é possível garantir a segurança deles mesmos e da família.

2. Monitore as atividades dos filhos

É possível acompanhar a utilização que os filhos fazem das redes sociais, aplicativos e sites sem comprometer a privacidade deles. Estipule horários de utilização de dispositivos tecnológicos, converse sobre o bloqueio de alguns sites e monitore os contatos com os quais eles mais conversam.

Não é necessário ler todas as conversas e publicações, justamente para não haver uma invasão de privacidade, mas fazer uma verificação constante de condutas e diálogos que possam soar perigosos é essencial.

3. Incentive o uso da internet em áreas comuns da casa

Crianças e adolescentes frequentemente gostam de utilizar dispositivos móveis e computadores em seus quartos, longe dos olhos dos adultos. Nem sempre eles optam por isso para se colocarem em situações perigosas ou desafiadoras, mas vale a pena incentivar que eles façam uso da internet de forma saudável, próximos a outras pessoas da família.

Explique a eles que isso não representa um monitoramento em tempo real, e sim uma forma de confiança recíproca e um hábito saudável para todos, já que dessa forma todos podem ficar atentos a situações perigosas.

4. Converse também com a escola

Falar no ambiente escolar sobre os receios e riscos que a boneca momo representa é uma forma de incentivar o diálogo também nesse espaço, uma vez que o poder de educação é uma excelente ferramenta para conscientizar jovens.

Explique sua preocupação a professores e diretores, de forma que todos possam acompanhar o comportamento dos jovens e colaborar a favor da prevenção de quaisquer acontecimentos trágicos.

Embora pareça bastante assustadora, a boneca momo apenas reacende a importância de manter o diálogo aberto com os filhos e de criar uma relação de confiança com eles, a fim de evitar que, movidos por seus medos, atentem contra si mesmos.

Quer alertar mais pessoas sobre os riscos desse caso? Então, compartilhe este artigo em suas redes sociais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos