Como saber se eu tenho psicose? Veja os principais sintomas - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

Perder o contato com a realidade e a capacidade de discernir aquilo que é verdadeiro do que é criado em sua mente é o principal sintoma e dificuldade de quem convive com a psicose.

Esse distúrbio mental afeta diretamente o sistema nervoso e, embora possa acometer indivíduos de quaisquer faixas etárias, é mais comum entre os jovens. Segundo estudo realizado pela Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), cerca de 60% dos indivíduos da cidade de São Paulo diagnosticados com psicose têm menos de 35 anos.

Para conhecer melhor o tema e saber se você pode estar com um quadro desse transtorno, não deixe de ler mais informações abaixo.

Tipos de psicose

A psicose apresenta sintomas característicos e engloba diferentes transtornos psicóticos, como aqueles do espectro da esquizofrenia.

Esquizofrenia

Doença psiquiátrica em que há rompimento de contato com a realidade, comportamento social atípico e ideias delirantes. Sua incidência é maior entre pacientes de 15 a 35 anos.

Transtorno bipolar

Distúrbio mental caracterizado por oscilações de humor que vão de depressão a euforia e obsessão. Pode ter perda de noção do real, comportamentos agressivos e dificuldade de se relacionar socialmente devido a suas alterações.

Transtorno psicótico induzido por substância

Todo aquele decorrente de dependência química, de drogas lícitas ou ilícitas, ou de contato com qualquer uma delas capaz de desencadear uma psicose. Pode ser fruto de uso de álcool, cafeína, anfetaminas, esteróides, estimulantes, cigarro, cocaína, maconha e LSD.

Transtorno delirante

Transtorno mental que se diferencia da esquizofrenia por não ter outros sintomas comuns a ela, além de crenças delirantes que perduram. Também conhecido como paranoia. Nele, há alteração do pensamento em seu conteúdo

Causas

Não há consenso médico sobre as causas que levam à psicose, mas acredita-se que alguns fatores influenciam diretamente a formação de um quadro desse transtorno, como:

  • fatores genéticos, ou seja, outro caso de psicose na família;
  • indivíduos nascidos de parto com hipóxia (perda de oxigênio);
  • uso de drogas;
  • isolamento social;
  • depressão.

Sintomas

Em comum, as anomalias que se caracterizam como psicose têm entre seus sintomas delírios, alucinações, catatonia, desorganização do pensamento, abulia e agitações de caráter.

A pessoa que sofre de delírios, por exemplo,  inventa histórias que não condizem com a realidade, sem que tenha consciência disso.

Já as alucinações são passíveis de surgir de quaisquer aspectos dos sentidos. É mais comum que ocorram no âmbito sonoro, entretanto há também as visuais, táteis e olfativas. Basicamente, são percepções vívidas de algo que o psicótico não consegue controlar.

Ao falar em desorganização do pensamento, o transtorno dificulta a concentração daqueles que sofrem com ele e tendem a desenvolver dificuldades para entender o que é dito a eles.

É comum, ainda, que apresentem comportamentos demasiadamente infantis, em agitações de caráter imprevisível, além de sentimento constante de perseguição e permanência durante longos períodos sem fazer quaisquer atividades por iniciativa própria, em uma espécie de transe.

Tratamento

Após diagnóstico médico realizado por psiquiatra, mediante constatação dos principais sintomas, o tratamento varia conforme as peculiaridades de cada paciente, mas costuma ser multidisciplinar.

Na primeira frente, envolve a prescrição de medicamentos, tais quais neurolépticos e antipsicóticos. Em casos mais graves, nos quais haja riscos de surtos psicóticos, pode ser recomendada a internação psiquiátrica.

Além dessas intervenções, é fundamental a psicoterapia, capaz de promover o autoconhecimento e ajudar o psicótico a melhorar suas habilidades sociais. Juntamente a ela, na terapia familiar se busca conscientizar a família e orientá-la sobre os sintomas apresentados pelo paciente, a fim de que todos possam lidar melhor com eles.

Embora seja muito difícil de lidar com a perda de contato com a realidade e todos os aspectos causados por ela, a psicose é um transtorno que tem tratamento e, com ele, esperança para que quem sofre dela volte a ter qualidade de vida.

Agora que já sabe mais sobre esse transtorno mental, ainda sente insegurança diante de sintomas que tem apresentado? Não se assuste! O Hospital Santa Mônica é referência há mais de 40 anos nos cuidados com a saúde mental e tem uma equipe pronta a auxiliar você. Entre em contato conosco pelo formulário “Fale conosco” em nosso site!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos