Como proteger seu filho dependente químico neste momento de pandemia? - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

O aumento dos casos de usuários de drogas infectados pelo coronavírus exige a busca de soluções para vencer a dependência química e aumentar o controle sobre a expansão da pandemia de Covid-19 nesse grupo. Muitos dependentes químicos continuam na rua em busca de drogas nos pontos de venda, em locais perigosos e que não atendem às especificações sanitárias em prol da menor propagação da doença.

Considerando essa situação, veja a dica do dr. Claudio Duarte, psiquiatra e coordenador da Unidade de Dependência Química do Hospital Santa Mônica, sobre como os familiares podem proteger seus entes queridos e evitar as complicações que o uso de drogas e esse estilo de vida podem causar à saúde. Saiba como ajudar um filho ou outro familiar nessa situação delicada e conheça as melhores soluções em reabilitação da saúde mental e física.

Por que os dependentes químicos têm mais riscos de contágio pelo coronavírus?

A dependência química é caracterizada pelo uso descontrolado de qualquer substância psicoativa e que possa levar ao comprometimento da estabilidade mental, emocional e à alteração do comportamento. Ela pode se referir ao consumo excessivo de bebidas alcoólicas, de drogas ilícitas, de medicamentos sem prescrição médica e de calmantes de natureza variada.

Os adolescentes e jovens usuários de droga se tornam muito mais vulneráveis ao contágio de diferentes enfermidades, inclusive as que compõem o grupo das doenças infecciosas e de fácil transmissão. O compartilhamento de seringas e de outros insumos utilizados para consumir drogas acentua os riscos para o desenvolvimento dessas doenças.

A dependência química faz com que o usuário dessas substâncias seja incapaz de controlar o consumo. Sob o domínio das drogas, o indivíduo também perde o controle sobre suas emoções, atitudes e seus comportamentos. Além do aumento dos conflitos familiares e dos prejuízos à saúde, esses desajustes psíquicos atrapalham as atividades de rotina e colocam em risco a vida pessoal, afetiva e profissional.

Além de todas as implicações em torno do vício em substâncias químicas, a pandemia de Covid-19 ainda traz à tona outra questão preocupante: a não obediência às orientações propostas pela vigilância sanitária, que torna o risco de contaminação bem maior entre os dependentes químicos.

Para ajudar você a compreender melhor o tema, listamos alguns fatores que mais influenciam na vulnerabilidade dos dependentes químicos ao contágio pelo novo vírus. Veja quais são eles a seguir.

Falta de atenção aos protocolos da OMS

Muitos jovens que estão dominados pelas drogas não conseguem mais ter discernimento o suficiente para definir o que é certo ou não. Isso também acontece em relação aos hábitos de higiene, o que torna mais difícil para esse grupo seguir as orientações do protocolo da Organização Mundial de Saúde (OMS) quanto à necessidade de lavar as mãos no combate à disseminação do contágio pelo coronavírus.

Compra de entorpecentes com pessoas desconhecidas

Os dependentes químicos também apresentam mais vulnerabilidade ao desenvolvimento da Covid-19 pela exposição aos riscos ambientais e sociais. Eles têm mais dificuldade em se manter confinados porque, mesmo diante das orientações da vigilância sanitária, ainda saem de casa para comprar drogas.

Nessas circunstâncias, o contato com pessoas e lugares sem cuidados sanitários eleva as chances de contaminação pelo novo vírus. Esse comportamento que leva os jovens usuários de substâncias entorpecentes a ignorar as medidas de prevenção faz com que eles estejam muito mais propensos à contaminação pelo coronavírus.

Uso de drogas com outras pessoas que podem facilitar a transmissão

Além do risco de sair de casa para comprar drogas em locais mais vulneráveis, muitos dependentes químicos também cultivam o hábito de consumir drogas em grupo. Essa exposição continuada acentua as chances de desenvolver a doença porque esse consumo “entre amigos” facilita a transmissão do coronavírus.

Como os familiares podem ajudar o dependente químico?

O novo Relatório Mundial sobre Drogas divulgado em 2019 pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC) revelou que, em todo o mundo, 35 milhões de pessoas sofrem de transtornos mentais e físicos relacionados ao consumo de drogas. Desse número, apenas 1 dependente químico em cada 7 recebe tratamento.

Esses dados revelam uma realidade bastante desafiadora, o que sugere a necessidade de buscar ajuda imediata para conter o impacto do problema sobre as famílias e a sociedade.

Vários são os motivos que fazem com que o indivíduo consuma substâncias entorpecentes. O uso de drogas está relacionado a problemas de ordem emocional, social e mental decorrentes de influências genéticas, familiares e ambientais, além das questões de caráter socioeconômico.

Ao escolher as terapias para a recuperação da dependência química, os pais precisam considerar diferentes fatores, inclusive o local em que o filho vai receber o tratamento. O ideal é buscar uma instituição experiente e que ofereça uma estrutura compatível com a necessidade de cada paciente.

Um dos aspectos mais relevantes é entender os processos que envolvem a dependência química, o reconhecimento do problema e as etapas necessárias para a recuperação da doença.

Mediante o surto de coronavírus e a maior exposição dos usuários de drogas ao contágio, é preciso buscar ajuda o quanto antes. Vale destacar que, em algumas situações, a internação pode ser o melhor caminho antes da pessoa se infectar.

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei 13.840 de 2019, que defende a internação involuntária do dependente químico que não reconhece a necessidade de intervenção.

O psiquiatra Claudio Duarte reforça aos familiares “A sugestão é que as famílias devem sempre tentar antes a internação voluntária, por meio do convencimento do dependente pela abordagem motivacional. E que internação involuntária só seja aplicada mediante indicação precisa e somente pelo tempo necessário para reduzir risco de vida, buscando engajar o paciente no tratamento para que se torne voluntário, nem que seja voluntário para esquema ambulatorial.”

Avaliar as possibilidades de tratamento disponível e escolher a conduta mais adequada pode representar chances reais de reabilitação da saúde integral do dependente químico. Além dos riscos associados à pandemia de Covid-19, o tratamento especializado também auxilia no controle de questões ligadas aos distúrbios emocionais como depressão, ansiedade, transtornos psicóticos e situações relacionadas à ideação suicida.

A escolha de uma instituição especializada em saúde mental pode assegurar uma melhor qualidade no tratamento para a dependência química, sobretudo nesse período de pandemia do coronavírus. Reconhecer o problema e buscar ajuda profissional o quanto antes é um importante passo nessa jornada rumo à reabilitação da saúde e ao retorno ao convívio social de quem enfrenta esse desafio.

​Se o seu filho ou algum familiar está em risco, não perca tempo: entre em contato com o Hospital Santa Mônica e conheça nossos tratamentos especializados contra a dependência química!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos