Abril Azul mês do Autismo: entenda mais sobre esse transtorno - Hospital Santa Mônica
Estamos passando por uma instabilidade no telefone fixo. Entre em contato no número (11) 99667-7454
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

Desde 2008 acontece a campanha “abril azul”, criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e especialmente voltada para o conhecimento sobre o Autismo. De acordo com a ABRA (Associação Brasileira de Autismo), esse é um transtorno caracterizado por desvios na interação social, comunicação e na utilização da imaginação, os quais se manifestam desde a primeira infância.

Estima-se que no Brasil existam cerca de 2 milhões de autistas. No entanto, entender a patologia ainda é um grande desafio para muitas pessoas, principalmente aquelas que lidam com quem a tem. Desse modo, para trazer algumas informações importantes a respeito do Autismo, preparamos este post. Ficou interessado no assunto? Então, não deixe de continuar a leitura!

Sintomas do Autismo

O indivíduo autista pode apresentar uma série de sinais, porém, alguns são mais evidentes que outros. Vale ressaltar que o diagnóstico desse transtorno, na maioria das vezes, não acontece precocemente. Acompanhe a seguir os principais sintomas!

Dificuldade em interagir socialmente

A necessidade de estar com outras pessoas é uma característica inata do ser humano. Contudo, O Transtorno do Espectro Autista (TEA) afeta a capacidade de interação e dá espaço à introspecção.

Por esse motivo, os autistas costumam se isolar, de modo a evitar qualquer tipo de contato físico.

Alterações no comportamento

Na infância, essas mudanças comportamentais incluem:

  • repetir movimentos ou falas continuamente;
  • evitar beijos e abraços;
  • ter atitudes agressivas.

Já na fase adulta, observa-se as seguintes alterações:

  • ficar mais tempo em casa;
  • desenvolver sintomas de ansiedade;
  • demonstrar interesse apenas por determinadas atividades.

Dificuldade na comunicação

Por mais que muitos autistas tenham um bom desenvolvimento da fala, é comum que eles não se expressem verbalmente e sejam resistentes à comunicação.

Causa do autismo

Embora o Autismo tenha sido identificado há muitos anos, a causa exata do problema ainda não foi descoberta. Entretanto, os estudos sobre esse tema indicam que questões genéticas estão ligadas ao desenvolvimento do transtorno. Veja abaixo outras possíveis causas!

  • desordens metabólicas;
  • infecções virais;
  • lesões na formação do cérebro;
  • complicações no parto ou gravidez.

Graus do Autismo

Anteriormente, a classificação do Autismo era feita em subgrupos, mas com o intuito de reduzi-los, dividiu-se o transtorno em apenas três categorias, de acordo com sua gravidade, ou seja, nível de apoio para suprir as necessidades. Acompanhe!

Nível 1 — Leve

Também denominado de Asperger. Nesse caso, há introspecção e dificuldade na comunicação, porém, o comprometimento é menor, e pode demorar mais tempo para ser diagnosticado.

Observa-se movimentos descoordenados e foco em apenas um assunto ou atividade de maior interesse.

Nível 2 — Moderado

No autismo de nível 2 a interatividade social é baixa, nota-se dificuldade ou ausência de comunicação verbal, bem como determinadas atitudes e movimentos repetitivos, que ficam mais em evidência. Trata-se de um tipo com características tanto do nível 1 quanto no nível 3.

Nível 3 — Severo

Entre todos, o nível 3 é o que provoca maior interferência nos diversos aspectos citados anteriormente. Considera-se grave o déficit cognitivo e nas habilidades para convívio social, o que torna indispensável um suporte grande para que as necessidades individuais sejam atendidas.

Como o transtorno interfere na vida de quem o tem

Se o transtorno não for tratado de maneira adequada, o autista pode ter o seu desenvolvimento intelectual amplamente comprometido, isolar-se socialmente e deixar de ser inserido no mercado de trabalho.

Porém, quando o diagnóstico acontece precocemente, é possível minimizar bastante as consequências do transtorno e, em algumas situações, o indivíduo consegue até ter uma vida normal.

Autismo na infância e aprendizagem

Normalmente, os primeiros sinais do Autismo se manifestam entre os 3 e 5 anos de idade. Tendo em vista que o processo de ensino-aprendizagem se inicia nessa fase e se mostra essencial para o desenvolvimento da criança, é preciso colocar em prática, desde cedo, atividades que estimulam a fala, a interatividade, socialização, a coordenação motora etc.

O estudo em escola regular aumenta as chances do aprendizado, uma vez que o contato diário com outras crianças também serve como estímulo. Para potencializar os resultados obtidos no ambiente escolar, pode-se recorrer ao atendimento educacional especializado — uma estratégia paralela à sala de aula regular, que trabalha diretamente os aspectos mais comprometidos pelo transtorno.

Com o suporte necessário, os pequenos podem até desenvolver talentos específicos em certas áreas do conhecimento.

Autistas e o mercado de trabalho

Infelizmente, os autistas ainda enfrentam muitos obstáculos para entrarem no mercado de trabalho — desafios, muitas vezes, ligados ao desconhecimento de suas capacidades pelos empregadores, cenário que mostra de forma ainda mais nítida a importância da campanha “Abril Azul”.

Os maiores problemas encontrados por um autista ainda são a desinformação e o preconceito. No entanto, isso tem mudado e, atualmente, encontramos pessoas com autismo que trabalham e conquistaram sua independência, mesmo com todas as particularidades do transtorno.

Como lidar com o diagnóstico de autismo

Ao descobrir que uma pessoa próxima a você tem o Transtorno do Espectro do Autismo, primeiramente, deve-se ter em mente que o apoio da família será primordial para que ela consiga se desenvolver o máximo possível e não tenha tanta interferência da patologia em sua vida.

Além disso, é preciso contar com o apoio de profissionais qualificados e uma instituição de referência como o Hospital Santa Mônica, que ofereça um tratamento capaz de proporcionar bem-estar aos autistas e mais tranquilidade para os familiares.

Embora o problema não tenha cura, existem medicamentos que podem ser administrados e que minimizam consideravelmente os sintomas. A caminhada é longa, mas a cada avanço conquistado, você perceberá que vale a pena o esforço para garantir boas condições a quem você ama.

Esperamos que o conteúdo apresentado tenha contribuído para a compreensão de aspectos fundamentais quando se trata do autismo. Sem dúvidas, a visibilidade trazida ao transtorno por meio da campanha “Abril Azul” é essencial para sensibilizar a sociedade e incentivar familiares a buscarem um acompanhamento profissional adequado, capaz de promover qualidade de vida ao indivíduo autista.

E aí, Gostou deste post e deseja tirar dúvidas sobre o tratamento do autismo? Então, entre em contato com a gente. Será um prazer atendê-lo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos