Surto psicótico: causas, sintomas e prevenção! - Hospital Santa Mônica
Internação Temporária para o Período de Festas e FériasConheça o serviço
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

 

O surto psicótico surge por influência de diferentes questões que afetam as percepções normais, comprometem o equilíbrio mental e gera mudanças comportamentais atípicas e preocupantes. Geralmente, esse desvio de conduta decorre de uma ruptura da realidade de forma temporal.

Dada à complexidade do tema e a importância da prevenção dessa doença, este artigo objetiva informar sobre as características do surto psicótico, suas causas, alternativas de tratamento e prevenção. 

Veja, então, como identificar os sintomas da psicose e onde buscar auxílio emergencial durante as crises para evitar a evolução desse quadro para situações mais agravantes. Acompanhe!

Por que o surto psicótico acontece? 

Primeiramente, é necessário diferenciar uma crise repentina de raiva de um surto psicótico. As alterações de comportamento — inesperadas ou desproporcionais — podem ocorrer diante de um acontecimento normal de rotina. Porém, diferentemente do que se vê em situações cotidianas específicas, o surto psicótico normalmente ocorre sem aviso e seus sintomas são bem mais perigosos.

André de Aguiar Wolter, médico psiquiatra, explica que os sintomas do surto podem ser definidos como “fenômenos sensoriais que envolvem os cinco sentidos. Também podem se manifestar em forma de ações ou de pensamentos que fogem da realidade”. 

Segundo o doutor Wolter, a “descompensação de quadros de esquizofreniatranstorno bipolar e depressão grave são algumas das causas que sustentam essa sintomatologia psicótica”. Ou seja, a psicose é um indício de algumas das formas mais graves de transtorno mental.

Vale ressaltar que doenças hepáticas, problemas na tireoide, acidentes vasculares cerebrais (AVC), lúpus, sífilis e AIDS também podem influenciar o surgimento das crises de psicose.  Inclusive, há uma relação muito próxima entre esses fatores na terceira idade.

“Não é raro em idosos, por exemplo, a primeira manifestação de um quadro infeccioso ocorrer por sintomatologia psicótica e alteração de comportamento. No entanto, nessas situações, o tratamento da causa elimina o sintoma psicótico”, afirma o psiquiatra.

Além desses, há outros fatores mais raros e que podem estar relacionados ao surto psicótico. Veja quais são:

  • distúrbios do sono, sem causa aparente;
  • situações de estresse excessivo;
  • efeitos colaterais de medicações;
  • procedimentos pós-cirúrgicos; 
  • experiências traumáticas; 
  • graves lesões no cérebro;
  • problema hormonal;
  • herança genética.

Quem pode ter um surto psicótico?

A psicose é uma doença que pode aparecer em qualquer etapa da vida, mas é mais comum na adolescência e entre os adultos mais jovens. Diferentemente do que muitos pensam, o surto psicótico não é exclusivo de pessoas com transtornos mentais.

Na verdade, ninguém está imune a isso. Esse distúrbio pode se manifestar por influência de diversos fatores que levam a somatização, e que tornam a pessoa mais vulnerável a esse tipo de desequilíbrio.

Ainda que sejam mais frequentes em homens, o surto pode ocorrer também no gênero feminino. A psicose puerperal, por exemplo, surge após o parto. Geralmente, esse sintoma do surto psicótico acompanha, especificamente, o quadro de depressão pós-parto.

Porém, há maior risco de manifestação da doença quando na família há casos de esquizofrenia ou de transtorno bipolar. Transtornos depressivos ou acontecimentos que geram frustração muito grave também podem afetar o equilíbrio emocional e resultar em crises de psicose.

Como esse problema é mais comum na juventude, o abuso ou a abstinência de substâncias entorpecentes estão entre as principais causas do surto psicótico. Todas as drogas, principalmente as ilícitas, têm potencial de alterar o funcionamento do sistema nervoso central, seja de forma temporária ou prolongada.

Com isso, os usuários de drogas podem sofrer com problemas físicos e mentais que envolvem, principalmente, mudanças em suas percepções, sentimentos e pensamentos.

Quais são os principais sintomas do surto psicótico? 

As principais evidências do surto psicótico são alterações comportamentais que resultam de distúrbios ocasionais ou alucinações. Indivíduos em crise podem perder a noção da realidade e se comportarem de modo muito diferente do habitual.

Porém, nem sempre é fácil distinguir entre uma emergência real ou uma fictícia. Por isso, o ideal é sempre buscar ajuda e evitar a piora do quadro, sobretudo se a pessoa estiver com manifestações alucinantes.

Todavia, existem alguns sintomas do surto psicótico que são mais comuns. Confira:

  • rápidas oscilações de emoções e de humor, como medo, euforia, pânico e raiva;
  • confusão mental, ansiedade, agressividade, 
  • perda da noção de tempo e espaço;
  • dificuldade de comunicação; 
  • comportamento catatônico;
  • isolamento social.

Como prevenir um surto psicótico?

Uma das formas de prevenir um surto psicótico é evitar o uso de drogas, como maconha, cocaína e alucinógenos, pois essas substâncias agem diretamente no sistema nervoso central, alterando funções importantes em todo o organismo. O doutor Wolter ressalta que alguns tipos de substâncias, como a maconha, podem comprovadamente induzir uma doença psiquiátrica grave.

Segundo o médico, as demais causas são imprevisíveis. Apenas alguns indícios podem ser detectados, como a queda no rendimento escolar, no trabalho ou em outras atividades de rotina. Por isso, é preciso ficar atento aos pequenos sinais e buscar orientação de profissionais especializados. 

O psiquiatra adverte que “qualquer tipo de alteração comportamental é suficiente para justificar uma avaliação médica. Na dúvida, este profissional pode auxiliar no direcionamento de diagnóstico e tratamento corretos”. 

Logo, a melhor forma de prevenção é cuidar da saúde mental e manter um estilo de vida livre de hábitos prejudiciais. Além disso, o acompanhamento médico regular e a avaliação diagnóstica precoce — mediante comportamentos suspeitos — são essenciais para minimizar os riscos para esses eventos.

Como agir diante de uma pessoa em surto psicótico?

A melhor maneira de ajudar uma pessoa em surto psicótico é manter a calma e tentar entender a situação o mais rápido possível. Buscar informações sobre os sintomas apresentados pelo indivíduo pode evitar consequências graves, tanto para a pessoa afetada quanto para quem está em volta.

Você pode tentar levar o indivíduo para um lugar mais tranquilo e isolado, mas sem insistir, caso haja resistência. Evite confrontar ou discutir diante de atitudes ou de comportamentos agressivos, pois isso pode gerar mais estresse e piorar a situação. 

Outro cuidado relevante é tirar do caminho objetos que possam ser perigosos em caso de acesso de raiva, como facas e peças pontiagudas.

Mesmo que seja um familiar, evite apelar para o sentimentalismo ou resolver tudo por conta própria, pois a pessoa provavelmente estará agindo de forma irracional e desconectada da realidade. 

No entanto, é preciso priorizar a preservação da integridade física, tanto do indivíduo quanto de quem está ao redor dele. Por isso, o mais indicado é acionar imediatamente um serviço profissional. Contacte o SAMU, o Corpo de Bombeiros, algum serviço especializado de remoção ou procure uma clínica especializada para prestar socorro e auxílio emergencial.

Como evitar a evolução do surto psicótico para a violência?

Há uma relação muito próxima entre a psicose e a violência, muito embora o comportamento violento nem sempre apareça como sintoma do surto psicótico. Tudo depende do nível do surto, do quadro clínico do paciente e das motivações que gerou a crise.

Geralmente, os atos de violência mais grave estão mais presentes entre os homens jovens. Esse comportamento violento surge como resultado da sensação de ameaça que desperta a raiva e, por conseguinte, alimenta sentimentos de ódio ou de vingança.

Logo, os familiares ou responsáveis por indivíduos com essas tendências devem procurar ajuda profissional e tratamento urgente. É necessário impedir a evolução desse transtorno para o comportamento violento, já que suas consequências poderão se tornar potencialmente trágicas.

Quais as sequelas do surto psicótico?

É preciso ter cuidado com as consequências do surto psicótico e buscar ajuda antes que os efeitos negativos associados a esse problema evoluam para condições clínicas mais graves. 

Inúmeros são os danos resultantes do surto efetivo, ou mesmo dos sintomas do surto psicótico. Além dos prejuízos à saúde física (como mutilação e autoflagelação), as pessoas que enfrentam essa doença têm a vida pessoal, afetiva, profissional e social bastante afetadas.

Devido à perda do senso de realidade, o risco de suicídio neste momento é bem maior. No Brasil, alguns dados amplamente divulgados pela mídia. São 845 casos de suicídio registrados em 2016, cometidos por adolescentes. Apesar de ter uma redução de 0,7% em função do ano de 2015, alguns estudos indicam que o suicídio está aumentando entre adolescentes e jovens. Esse fato chama a atenção e sugere a necessidade de iniciativas que possam frear os impactos desse tipo de transtorno psicótico.

Qual o tratamento mais adequado para surto psicótico?

O tratamento para psicose deve ser indicado após um diagnóstico minucioso, realizado por especialistas de diferentes áreas do conhecimento. Uma avaliação médica completa e detalhada oferece subsídios para a escolha das melhores técnicas utilizadas no atendimento às necessidades específicas de cada paciente.

Entre os principais tratamentos para sintomas psicóticos, estão os medicamentosos e os psicoterapêuticos. Eles podem ser realizados de forma isolada ou em conjunto, dependendo das causas do problema e do estágio em que a pessoa se encontra.

Em casos de consumo abusivo de substâncias psicoativas, os sintomas podem passar após o término dos efeitos da substância. Porém, se isso não ocorrer, serão necessárias outras medidas além da simples desintoxicação para tratar o surto psicótico. As mais indicadas são o uso de medicamentos, acompanhamento psicológico ou a internação psiquiátrica.

Como vimos, a atenção aos sintomas do surto psicótico e a busca de tratamento precoce é uma das formas mais seguras de contornar os impactos dessa doença. Por isso, é importante escolher uma instituição de qualidade como o Hospital Santa Mônica. Se você tem algum familiar com esse perfil, o ideal é propor um diálogo aberto e ajudá-lo a recuperar a estabilidade emocional e a qualidade vida.

Agora é com você: entre em contato conosco e conheça as soluções do Hospital Santa Mônica para essas situações de emergência psiquiátrica!

2 respostas para “Surto psicótico: causas, sintomas e prevenção!”

  1. A varias vez já fiquei cego de raiva mais eu me controlo ou tento me controlar sou muito nervoso isso me atrapalha muito minha vida .desemprego casamento .com filhos com a situação atual mais tem pessoas que não entende e enves de ajudar coloca mais lenha na foqueira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos