O que é Ideação Suicida

Suicídio, tirar a própria vida, é uma reação trágica a situações estressantes da vida – e ainda mais trágica porque o suicídio pode ser evitado. Esteja você pensando em suicídio ou conheça alguém que se sente suicida, aprenda os sinais de alerta de suicídio e como pedir ajuda imediata e tratamento profissional. Você pode salvar uma vida – a sua ou a de outra pessoa.

Pode parecer que não há como resolver seus problemas e que o suicídio é a única maneira de acabar com a dor. Mas você pode tomar medidas para se manter seguro – e começar a aproveitar a vida novamente.

Sintomas da Ideação Suicida

Os sinais de alerta de suicídio ou pensamentos suicidas incluem:

  • Falar sobre suicídio – por exemplo, fazer declarações como “Eu vou me matar”, “Eu gostaria de estar morto” ou “Eu gostaria de não ter nascido”;
  • Conseguir meios de tirar sua própria vida, como comprar uma arma ou estocar pílulas;
  • Retirar-se do contato social e preferir ficar sozinho;
  • Ter mudanças de humor, como estar emocionalmente alto em um dia e profundamente desanimado no outro
  • Estar preocupado com a morte, morrer ou violência;
  • Sentir-se preso ou sem esperança em relação a uma situação;
  • Aumento do uso de álcool ou drogas;
  • Alterar a rotina normal, incluindo padrões de alimentação ou sono;
  • Fazer coisas arriscadas ou autodestrutivas, como usar drogas ou dirigir imprudentemente;
  • Distribuir pertences ou colocar os negócios em ordem quando não há outra explicação lógica para fazer isso;
  • Dizendo adeus às pessoas como se elas não fossem mais vistas;
  • Desenvolver mudanças de personalidade ou ficar gravemente ansioso ou agitado, especialmente quando experimenta alguns dos sinais de alerta listados acima.

Os sinais de alerta nem sempre são óbvios e podem variar de pessoa para pessoa. Algumas pessoas deixam suas intenções claras, enquanto outras mantêm pensamentos e sentimentos suicidas em segredo.

Causas

Os pensamentos suicidas têm muitas causas. Na maioria das vezes, os pensamentos suicidas são o resultado de sentir que você não consegue lidar com o que parece ser uma situação de vida avassaladora. Se você não tem esperança para o futuro, pode pensar erroneamente que o suicídio é a solução. Você pode ter uma espécie de visão de túnel, em que, no meio de uma crise, você acredita que o suicídio é a única saída.

Também pode haver uma ligação genética ao suicídio. Pessoas que cometem suicídio ou que têm pensamentos ou comportamento suicida têm maior probabilidade de ter um histórico familiar de suicídio.

Fatores de risco

Embora a tentativa de suicídio seja mais frequente para as mulheres, os homens têm maior probabilidade do que as mulheres de cometer suicídio porque geralmente usam métodos mais letais, como arma de fogo.

Você pode estar em risco de suicídio se:

  • Tentativa de suicídio antes;
  • Sentir-se sem esperança, sem valor, agitado, socialmente isolado ou solitário;
  • Ter vivenciado um evento estressante na vida, como a perda de um ente querido, o serviço militar, uma separação ou problemas financeiros ou jurídicos;
  • Abuso de substâncias – o abuso de álcool e drogas pode piorar os pensamentos suicidas e fazer você se sentir imprudente ou impulsivo o suficiente para agir de acordo com seus pensamentos;
  • Ter pensamentos suicidas e acesso a armas de fogo em sua casa;
  • Ter um transtorno psiquiátrico subjacente, como depressão grave, transtorno de estresse pós-traumático ou transtorno bipolar;
  • Ter histórico familiar de transtornos mentais, abuso de substâncias, suicídio ou violência, incluindo abuso físico ou sexual;
  • Ter uma condição médica que pode estar associada à depressão e pensamento suicida, como doença crônica, dor crônica ou doença terminal;
  • São lésbicas, gays, bissexuais ou transexuais com uma família que não o apóia ou em um ambiente hostil.

Crianças e adolescentes

O suicídio de crianças e adolescentes pode seguir eventos estressantes da vida. O que um jovem vê como sério e intransponível pode parecer insignificante para um adulto – como problemas na escola ou a perda de uma amizade. Em alguns casos, uma criança ou adolescente pode sentir-se suicida devido a certas circunstâncias da vida sobre as quais ele ou ela não deseja falar, como:

  • Ter um transtorno psiquiátrico, incluindo depressão;
  • Perda ou conflito com amigos próximos ou familiares;
  • História de abuso físico ou sexual;
  • Problemas com álcool ou drogas;
  • Problemas físicos ou médicos, por exemplo, engravidar ou ter uma infecção sexualmente transmissível;
  • Ser vítima de bullying;
  • Não ter certeza da orientação sexual;
  • Ler ou ouvir um relato de suicídio ou conhecer um colega que morreu por suicídio.

Se você está preocupado com um amigo ou familiar, perguntar sobre pensamentos e intenções suicidas é a melhor maneira de identificar o risco.

Diagnóstico da Ideação Suicida

Atenção: requer um diagnóstico de médico psiquiatra

Seu médico pode fazer um exame físico, testes e questionamentos aprofundados sobre sua saúde mental e física para ajudar a determinar o que pode estar causando seu pensamento suicida e determinar o melhor tratamento.

As avaliações podem incluir:

  • Condições de saúde mental. Na maioria dos casos, os pensamentos suicidas estão ligados a um problema de saúde mental subjacente que pode ser tratado. Se for esse o caso, você pode precisar consultar um médico especializado no diagnóstico e tratamento de doenças mentais (psiquiatra) ou outro profissional de saúde mental.
  • Condições de saúde física. Em alguns casos, o pensamento suicida pode estar ligado a um problema de saúde física latente. Você pode precisar de exames de sangue e outros exames para determinar se este é o caso.
  • Uso indevido de álcool e drogas. Para muitas pessoas, o álcool ou as drogas desempenham um papel no pensamento suicida e no suicídio consumado. Seu médico vai querer saber se você tem problemas com o uso de álcool ou drogas – como compulsão alimentar ou ser incapaz de reduzir ou parar de usar álcool ou drogas por conta própria. Muitas pessoas que se sentem suicidas precisam de tratamento para ajudá-las a parar de usar álcool ou drogas, para reduzir seus sentimentos suicidas.
  • Medicamentos. Em algumas pessoas, certos medicamentos prescritos ou sem receita podem causar sentimentos suicidas. Informe o seu médico sobre quaisquer medicamentos que você toma para ver se eles podem estar relacionados ao seu pensamento suicida.

Crianças e adolescentes

As crianças que se sentem suicidas geralmente precisam consultar um psiquiatra ou psicólogo com experiência em diagnosticar e tratar crianças com problemas de saúde mental. Além da discussão do paciente, o médico deseja obter uma imagem precisa do que está acontecendo a partir de uma variedade de fontes, como os pais ou responsáveis, outras pessoas próximas à criança ou adolescente, relatórios escolares e avaliações médicas ou psiquiátricas anteriores.

Tratamento da Ideação Suicida

Atenção: requer um diagnóstico de médico psiquiatra

O tratamento de pensamentos e comportamentos suicidas depende da sua situação específica, incluindo seu nível de risco de suicídio e quais problemas subjacentes podem estar causando seus pensamentos ou comportamento suicida.

Tratamento Médico e Terapias

Grupo de Apoio

Um fórum para terapia e troca de experiências entre pessoas com uma condição ou objetivo similar, como ansiedade.

Terapia Cognitiva Comportamental

Terapia cognitiva comportamental: analisa interpretações distorcidas da realidade que levam a falsas crenças, pensamentos distorcidos que levam-no paciente ao sofrimento psíquico

Psicoterapia

 Na psicoterapia, também chamada de aconselhamento psicológico ou psicoterapia, você explora as questões que o fazem sentir-se suicida e aprende habilidades para ajudar a controlar as emoções de maneira mais eficaz. Você e seu terapeuta podem trabalhar juntos para desenvolver um plano de tratamento e metas.

Terapia Familiar

Aconselhamento psicológico que permite que as famílias resolvam, juntas, seus problemas e aprendam a lidar com a situação difícil pela qual o paciente depressivo passa.

 

 

Medicamentos

Medicamentos Antidepressivos

Reduzem ou melhoram quaisquer sintomas ligados à tristeza profunda.

Ansiolíticos

Reduzem os efeitos da ansiedade e ajudam o paciente a lidar com preocupações excessivas devido ao diagnóstico depressivo.

Antipsicóticos

Ajudam a controlar tremores e a evitar psicoses.

Internação para quem tem Ideação Suicida

Situações de crise e emergência: (011) 4668-7455 – opção 5

O médico pode querer que você fique no hospital o tempo suficiente para se certificar de que todos os tratamentos estão funcionando, que você estará seguro quando sair e que receberá o tratamento de acompanhamento de que precisa.

Internação voluntária - com consentimento paciente

Se o paciente está ciente de sua situação e dos problemas com os quais convive, além de sofrer pelos sintomas da depressão, capazes de impactar vida, autoestima, trabalho e, principalmente, relacionamentos, a internação voluntária a ajuda a estar em contato com uma equipe multidisciplinar apta a zelar por seu tratamento e a reabilitá-lo de modo que possa voltar a conviver bem com si mesmo e com aqueles que ama.

Internação compulsória - contra a vontade do paciente

§ Internação involuntária: de acordo com a lei (10.216/01), o familiar pode solicitar a internação involuntária, desde que o pedido seja feito por escrito e aceito pelo médico psiquiatra. A lei determina que, nesses casos, os responsáveis técnicos do estabelecimento de saúde têm prazo de 72 horas para informar ao Ministério Público da comarca sobre a internação e seus motivos. O objetivo é evitar a possibilidade de esse tipo de internação ser utilizado para a prática de cárcere privado.

§ Internação compulsória: neste caso não é necessária a autorização familiar. O artigo 9º da lei 10.216/01 estabelece a possibilidade da internação compulsória, sendo esta sempre determinada pelo juiz competente, depois de pedido formal, feito por um médico, atestando que a pessoa não tem domínio sobre a sua condição psicológica e física.

Sobre o Hospital Santa Mônica

O Hospital Santa Mônica zela pela saúde mental de crianças (a partir dos 8 anos), jovens e adultos, além de tratar dependência química. Em 2019, completa 50 anos que atua como referência de hospital psiquiátrico, auxiliando também pacientes com depressão, em todos os seus estágios. Possui dúvidas sobre esse conteúdo? Para saber mais, entre em contato conosco preenchendo nosso formulário de atendimento.