Quais são as principais preocupações com a saúde mental em pessoas com Síndrome de Down? - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

Pelo menos metade das crianças e adultos com Síndrome de Down enfrentam algum tipo de problema de saúde mental durante sua vida.

Crianças e adultos com múltiplos problemas de saúde experimentam uma taxa ainda maior de problemas de saúde mental.

Os problemas de saúde mental mais comuns incluem:

  • Ansiedade geral, comportamentos repetitivos e obsessivo-compulsivos;
  • Comportamentos opostos, impulsivos e desatentos;
  • Dificuldades relacionadas ao sono;
  • Depressão;
  • Condições do espectro do autismo; e
  • Problemas neuropsicológicos caracterizados pela perda progressiva de habilidades cognitivas.

O padrão de problemas de saúde mental na Síndrome de Down varia dependendo da idade e das características de desenvolvimento da criança ou do adulto com Síndrome de Down, da seguinte forma:

Crianças jovens e em idade escolar com limitações em habilidades de linguagem, comunicação, cognição e habilidades não-verbais de resolução de problemas apresentam vulnerabilidades aumentadas em termos de:

  • Comportamentos disruptivos, impulsivos, desatentos, hiperativos e de oposição (levantando preocupações de transtorno oposicional coexistente e TDAH);
  • Comportamentos ansiosos, ruminantes e inflexíveis (levantando preocupações de ansiedade generalizada coexistente e distúrbios obsessivo-compulsivos);
  • Déficits no relacionamento social, comportamentos estereotipados repetitivos, auto imersos (levantando preocupações de autismo coexistente ou transtorno invasivo do desenvolvimento);
  • Dificuldades crônicas do sono, sonolência diurna, fadiga e problemas relacionados ao humor (levantando preocupações de distúrbios do sono coexistentes e apneia do sono).

Crianças e adolescentes em idade escolar, bem como adultos jovens com Síndrome de Down com melhor linguagem e habilidades de comunicação e cognitivas apresentam maior vulnerabilidade a:

  • Depressão, retirada social, interesses diminuídos e habilidades de enfrentamento;
  • Ansiedade generalizada;
  • Comportamentos obsessivo-compulsivos;
  • Regressão com declínio na perda de habilidades cognitivas e sociais;
  • Dificuldades crônicas do sono, sonolência diurna, fadiga e problemas relacionados ao humor (levantando preocupações de distúrbios do sono coexistentes e apneia do sono).

Os adultos mais velhos apresentam maior vulnerabilidade a:

  • Ansiedade generalizada;
  • Depressão, retraimento social, perda de interesse e autocuidado diminuído;
  • Regressão com declínio nas habilidades cognitivas e sociais;
  • Demência.

Todas estas alterações no comportamento parecem frequentemente ocorrer como uma reação a (ou desencadeada por) um estressor psicossocial ou ambiental, por exemplo, doença, separação ou perda de uma figura de apego.

Quem avalia e trata os problemas de saúde mental?

Muitas famílias vivem em regiões onde não tem um profissional de saúde mental especializado em trabalhar com crianças e adultos com Síndrome de Down. Por isso, recomendamos a seguinte abordagem para as famílias.

Considere fazer uma pesquisa preliminar em sua região para identificar profissionais da área de saúde mental com experiência em trabalhar com crianças e adultos com transtornos do desenvolvimento. Isso pode incluir perguntar ao seu pediatra ou clínico geral, por exemplo.

Vale a pena fazer uma visita de consulta inicial para familiarizar a criança ou adulto com o profissional e para ver se este atende as suas necessidades. Essa visita introdutória é útil, pois permite que a criança ou adulto com Síndrome de Down também se sinta confortável com o local, o psiquiatra ou psicólogo e também permite que você obtenha uma consulta oportuna em uma situação de crise no futuro, quando surgir uma situação crítica. Muitas vezes, é muito mais difícil conseguir uma consulta inicial e, em situações agudas, é cada vez mais difícil, especialmente em centros bem conhecidos.

Lembre-se de que o profissional ideal de saúde mental especializado na Síndrome de Down é alguém que tem conhecimento de transtornos do desenvolvimento e que também tem experiência no trabalho com crianças. Pode ser aconselhável procurar primeiro um profissional de saúde mental que trabalhe em um centro médico pediátrico ou que trabalhe próximo a uma prática pediátrica.

Se meu filho apresentar algum “problema de comportamento”, existem algumas causas clínicas que devem ser descartadas?

Esta é uma pergunta comum que muitos médicos, bem como psiquiatras e psicólogos são questionados por pais preocupados. Há uma série de testes de base que precisam ser concluídos para descartar condições médicas que são frequentemente associadas a crianças/adultos com Síndrome de Down que apresentam um “problema comportamental”. Entre esses, recomendamos considerar as seguintes condições:

  • Teste de função tireoidiana pode ser solicitado pelo clínico geral ou por um pediatra ou mesmo por um psiquiatra como parte de uma avaliação inicial.
  • As dificuldades relacionadas ao sono precisam ser avaliadas por um profissional de saúde, pediatra ou psiquiatra como parte de uma avaliação inicial com encaminhamento para uma clínica ou laboratório de distúrbios do sono, conforme necessário para determinar a apneia obstrutiva do sono.
  • A contribuição subjacente de constipação ou dificuldades relacionadas ao intestino também deve ser descartada pelo clínico geral ou pelo pediatra com intervenções que possam ser necessárias e encaminhamento a um nutricionista para aconselhamento. Há uma grande oportunidade para usar a dieta saudável como uma ferramenta para reforçar comportamentos positivos.

Como parte da lista abrangente de possíveis condições médicas, é importante também certificar-se de que a criança/adulto com síndrome de Down foi avaliada para audição (audiologia), visão (oftalmologia) e anemia (hematologia).

Finalmente, ressalvas ou etapas a serem consideradas ao abordar qualquer uma das possíveis preocupações médicas acima no contexto do tratamento de “problemas comportamentais” incluem o seguinte:

Etapa 1: Problemas emocionais / comportamentais em crianças e adultos com síndrome de Down ocorrem comumente e nem sempre são devido a uma condição médica subjacente. No entanto, essas condições médicas associadas em crianças e adultos com Síndrome de Down precisam ser descartadas como parte de uma abordagem abrangente de avaliação.

Etapa 2: As condições médicas, mesmo que não causem problemas emocionais / comportamentais, podem exacerbá-las ou torná-las resistentes ao tratamento do problema emocional / comportamental.

Etapa 3: Correção de uma condição médica, por ex. hipotireoidismo, pode não remover os problemas emocionais / comportamentais subjacentes. O oposto também é verdade; por exemplo, é improvável que uma criança ou adulto com hipotireoidismo mais depressão responda ao tratamento da depressão apenas com medicação antidepressiva, a menos que o hipotireoidismo seja corrigido. Como os problemas emocionais / comportamentais e físicos estão interligados, os dois precisam ser tratados simultaneamente.

Quais são os sintomas de ansiedade generalizada, transtorno obsessivo-compulsivo e depressão na síndrome de Down? Como são diagnosticados e tratados?

Ansiedade Generalizada

Estas são as apresentações mais proeminentes entre crianças e adultos com Síndrome de Down que se manifesta como um aumento no nível de ansiedade, com fatores de estresse claros. A ansiedade situacional manifesta-se frequentemente durante transições e antecipação de novas situações, por exemplo, transição de casa para a escola, trânsito, mudanças no horário das refeições ou de dormir, bem como durante situações novas e desconhecidas com expectativas incertas no ambiente.

Sintomas Obsessivos

O aumento do nível de inquietação e preocupação pode levar a criança ou o adulto a se comportarem de maneira muito rígida, resultando em um estado de “estagnação”, como é frequentemente relatado pelos cuidadores onde a criança ou adulto precisa seguir rotinas familiares nessas situações. Eles também se envolvem em comportamentos repetitivos, compulsivos e ritualísticos que levantam a questão do transtorno obsessivo-compulsivo. A criança ou adulto nessas circunstâncias costuma ser infeliz, temeroso, e os dois estados – ansiedade generalizada e comportamentos obsessivo-compulsivos – podem coexistir com frequência.

A criança disruptiva, opositora e desatenta com Síndrome de Down, muitas vezes não costuma ser infeliz, mas sim bastante feliz e excitada. Os problemas são bastante desafiadores para os pais ou cuidadores, pois a criança / adulto com Síndrome de Down com ansiedade generalizada ou perfil obsessivo-compulsivo tem uma tendência a ficar presa, congelada, e requer grande grau de atenção negativa que, por sua vez, é reforçado, e continua em um ciclo vicioso.

Diferenciando Ansiedade e Sintomas de TDAH em crianças e adolescentes

Ao contrário de crianças com Síndrome de Down com perfil de déficit de atenção, impulsivo, opositivo, a inquietação e compulsão associadas ao estado de ansiedade generalizada têm um início identificável com um curso mais intermitente. É necessário ter uma história detalhada em todas essas situações, a fim de identificar a fonte ou fatores desencadeantes ambientais que contribuem para a ansiedade em relação à mudança no ambiente imediato de casa, escola ou trabalho. Nessas circunstâncias, a avaliação de antecedentes, comportamentos e consequências e o desenvolvimento de uma modificação comportamental e plano de gerenciamento são essenciais. O uso de antidepressivos ou medicamentos antiansiedade pode ajudar e deve ser reservado para um nível mais persistente e sério de sintomas.

Sintomas Depressivos

Crianças e adultos com sintomas de depressão muitas vezes apresentam retraimento social extremo, afeto triste (mas não lábil) e incapacidade de desfrutar de muitas atividades que costumavam amar. Pais ou cuidadores frequentemente relatam que o comportamento da criança / adulto não era assim anteriormente. O sono interrompido comumente ocorre nos estados de depressão e ansiedade e não necessariamente nos ajuda a distinguir entre eles. Um aspecto mais notável da depressão em crianças e adultos com síndrome de Down é sua associação com fatores desencadeantes ambientais nocivos. Estes podem incluir alguma questão de saúde, dor ou stress psicossocial previamente não identificados, por exemplo, irmãos mais velhos ao mudarem para a faculdade, doença súbita ou crônica em um membro da família, morte de um animal doméstico, ausência de professor (licença, doença). Todos esses eventos comuns parecem grandes para crianças e adultos com síndrome de Down com um impacto psicológico desproporcional, em comparação com uma pessoa sem a Síndrome em circunstâncias semelhantes.

Em resumo, as crianças / adultos com síndrome de Down permanecem extremamente sensíveis às mudanças em seu ambiente, que muitas vezes percebem desfavoravelmente. Recomendamos que, caso sejam previstas mudanças negativas, os serviços de apoio sejam implementados antecipando-se ao seu impacto. A tentativa de tratar a depressão persistente no contexto de estresse contínuo com a intervenção farmacológica é muitas vezes fútil, sem apoio individual. O tratamento combinado envolvendo componentes psicossociais e farmacológicos é necessário. O argumento para intervenção farmacológica é reforçado se as crianças e adultos com síndrome de Down forem considerados como tendo uma vulnerabilidade biológica (por exemplo, história familiar positiva, episódio anterior de depressão, doença médica concomitante).

Quais são os sintomas desatento, impulsivo, hiperativo e disruptivo em pessoas com síndrome de Down? Como eles são diagnosticados e tratados?

Crianças e adultos com síndrome de Down geralmente apresentam dificuldades de processamento significativas e apresentam uma dificuldade muito notável em manter a atenção nas tarefas. Em crianças com maiores déficits de linguagem cognitivo-receptiva-expressiva, especialmente para os grupos etários mais jovens, as dificuldades na atenção são frequentemente acompanhadas de comportamentos impulsivos e hiperativos. Este padrão de desatenção, impulsividade e hiperatividade motora é consistente com o diagnóstico de Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade. Por esse motivo, muitas crianças com tais comportamentos característicos são tratadas com medicamentos estimulantes.

A resposta de crianças e adultos com síndrome de Down não produziu resultados encorajadores. Em uma subpopulação de crianças e adultos com síndrome de Down, há uma ativação comportamental adversa definida em resposta a esses medicamentos. Os efeitos adversos mais comumente observados incluem: irritabilidade, agitação, comportamentos agressivos, ansiedade de transição e problemas relacionados ao sono. Os pais ou cuidadores precisam ser avisados ​​sobre esses efeitos adversos, uma vez que isso pode ocorrer logo após o início do tratamento e pode ser muito problemático para eles testemunharem. Um pequeno grupo de crianças com sintomas de TDAH pode, no entanto, se beneficiar de medicações estimulantes, mas, mesmo para elas, elas podem aumentar a ansiedade, assim como os sintomas obsessivo-compulsivos. Por essa razão, a principal ênfase no tratamento de sintomas semelhantes ao TDAH precisa se concentrar em estratégias comportamentais e terapêuticas para melhorar o funcionamento adaptativo e o desempenho nos ambientes doméstico e de sala de aula.

Para crianças com impulsividade de alto grau e comportamentos disruptivos, o uso de baixas doses de clonidina tem sido útil, mas esta medicação também pode ser limitada em sua eficácia, pois pode levar à sonolência diurna em algumas crianças. Deve-se enfatizar que o uso da clonidina, por si só, pode ser efetivo apenas no tratamento do comportamento impulsivo, hiperativo e disruptivo, e não necessariamente melhora a atenção primária. A clonidina administrada na hora de dormir também pode ajudar a criança a dormir.

Quais são os principais disparadores ambientais de dificuldades comportamentais e emocionais?

Crianças e adultos com Síndrome de Down são muitas vezes extremamente sensíveis a estressores psicossociais e ambientais. A doença ou a perda de entes queridos próximos e familiares é particularmente devastadora e quase invariavelmente leva a uma reação de luto complicada durante a qual a criança ou adulto com síndrome de Down pode experimentar uma mudança regressiva em sua capacidade de pensar, raciocinar, lembrar, processar informações e aprender. Os desencadeantes psicossociais e ambientais também levam a um estado de ansiedade generalizada, sintomas obsessivo-compulsivos e depressão e dificuldades de sono. Eles podem estar associados à perda de peso, ao autocuidado ruim e à incapacidade de se motivar para frequentar a escola ou ir para o trabalho. Se a situação persistir e não houver uma tentativa combinada de intervir com aconselhamento psicossocial, tratamento com medicações apropriadas e intervenções comportamentais, o estado mental pode persistir e estar associado a um declínio de longo prazo no funcionamento psicossocial e cognitivo.

Transtorno Desafiador Opositivo é Comum em Crianças / Adultos com Síndrome de Down?

Muitas crianças e adultos com Síndrome de Down têm uma disposição maravilhosa: são divertidos e suas interações geralmente envolvem brincadeiras, piadas, explosões que muitas vezes também podem levar a comportamentos sociais intrusivos e desinibidos. Muitos respondem a intervenções estruturais e comportamentais com reforços e recompensas bem definidos. Às vezes, esses comportamentos ficam fora de controle e assumem as interações gerais. Eles se tornam cada vez mais oposicionistas, incapazes de escutar, e bastante obstinados e auto imersos, por exemplo, sentados ou deitados e recusando-se a levantar-se, ou continuando em uma atividade autodirigida com desrespeito às consequências na refeição, no banho e na cama vezes ou durante as transições.

Os comportamentos de oposição ocorrem em indivíduos com todos os níveis de habilidades cognitivas e de linguagem, mas são mais difíceis de gerenciar em pessoas com maiores dificuldades de comunicação receptiva-expressiva. No ambiente de sala de aula, o gerenciamento comportamental e o assessor individual podem ajudar a manter a situação em um melhor controle e possibilitar o aprendizado. Problemas comportamentais de oposição em crianças com limitações receptivas-expressivas e cognitivas também tendem a estar associados ao aumento do nível de comportamentos impulsivos e hiperativos e, muitas vezes, co-ocorrem com sintomas de TDAH.

Transtornos de humor e bipolares são comuns em crianças e adultos com Síndrome de Down?

Uma abordagem abrangente é necessária na avaliação de uma criança / adulto com síndrome de Down apresentando instabilidade do humor. É essencial descartar quaisquer condições médicas e neurológicas subjacentes e, especialmente, considerar a possibilidade de efeito adverso de medicamentos que podem levar à instabilidade do humor secundário.

Uma criança com síndrome de Down que apresente comportamentos persistentes de oposição, impulsividade, perturbação, irritabilidade e agressividade deve ser considerada em um possível transtorno de humor. Em nossa experiência clínica, a coexistência de transtorno bipolar verdadeiro e Síndrome de Down é relativamente desconhecida. O uso de medicamentos anticonvulsivantes (como estabilizadores de humor) só precisa ser considerado sob supervisão cuidadosa. Da mesma forma, o uso de medicamentos neurolépticos atípicos deve ser considerado apenas como último recurso, novamente, com um monitoramento cuidadoso de seus efeitos colaterais potenciais. Estes últimos medicamentos tendem a ser limitados em eficácia e devem ser usados ​​com moderação e em doses baixas. Uma vez que crianças e adultos com síndrome de Down já estão em risco aumentado de ganho de peso ao longo da sua vida, o aumento do apetite, levando ao ganho de peso associado a medicações neurolépticas atípicas, pode ser desestabilizante. Intervenções comportamentais e nutricionais simultâneas são, portanto, sempre essenciais.

Estamos entrando em uma nova era com uma melhor avaliação das preocupações com a saúde mental em crianças e adultos com Síndrome de Down?

A avaliação dos problemas de saúde mental em crianças e adultos melhorou consideravelmente nos últimos anos. Existe agora uma gama mais ampla de ferramentas de diagnóstico e rastreio disponíveis para avaliação das condições mentais em diferentes grupos etários do desenvolvimento em termos de medição de domínios, tais como capacidades não verbais de resolução de problemas, linguagem e comunicação e funcionamento adaptativo e comportamental. Muito do conhecimento atual é baseado na experiência clínica e embora a ênfase varie dependendo da orientação de cada profissional, por exemplo, modificação comportamental, intervenção farmacológica e treinamento de habilidades sociais, os pais seriam sábios em buscar uma filosofia holística para o cuidado integrado saúde, comportamento-farmacologia-habilidades sociais).

Apesar do fato de que muitos indivíduos com Síndrome de Down experimentam atrasos cognitivos significativos e outras condições físicas associadas, eles têm uma gama muito ampla de habilidades, e cada indivíduo se desenvolve em seu próprio ritmo. Mesmo que eles possam estar atrasados ​​em sua progressão.

2 respostas para “Quais são as principais preocupações com a saúde mental em pessoas com Síndrome de Down?”

  1. Ótimo texto, muito esclarecedor, infelizmente há uma falta de profissionais preparados para lidar e instruir pessoas com síndrome de Down e as famílias de portadores. Meu irmão teve uma fase de depressão com 9 anos, e agora com 21 anos está apresentando outra fase bem difícil, diagnosticado com TOC. Ele quase não fala, então é muito difícil diagnosticá-li e tratá-lo pois tudo é feito sob as observações de minha mãe que cuida dele. Ele está tomando antidepressivo e engordou muito. Melhorou um pouco o comportamento mas continua difícil, é como andar sob ovos o tempo todo, tudo tem que ser feito de maneira a não contraria-lo para evitar que ele responda de maneira agressiva a qualquer estímulo, pois quando se frustra ele joga as coisas no chão, quer quebrar qualquer coisa que está ao redor dele, grita, etc. Muito difícil, caso tenham indicação de algum profissional especialista nessa área e puderem me enviar o contato pra consultas e orientações mesmo que à distância eu agradeceria muito.

    1. Olá Karina, infelizmente não podemos indicar profissionais pelo código de ética médica, esperamos que compreenda, abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos