Juíza determina que PMJP garanta tratamento a menor - Hospital Santa Mônica

A Prefeitura Municipal de João Pessoa terá que custear o internamento de adolescente de 15 anos para tratamento de dependência química. Caso não exista clínica pública, o jovem deverá ter o tratamento custeado em uma clínica particular. A determinação é da juíza auxiliar da 2ª Vara da Infância e da Juventude, Aylzia Fabiana Borges Carrilho, ao conceder uma tutela antecipada em Ação de Obrigação de Fazer impetrada contra o Município, pelo genitor do menor dependente.

A decisão foi tomada na última sexta-feira (28) e a citação à Prefeitura será expedida nesta segunda-feira (1º). Segundo a magistrada, essa foi a primeira de uma série de decisões que deverão ser tomadas nesse sentido, tendo em vista a existência de várias situações semelhantes na Vara da Infância e da Juventude da Capital. Aylzia Fabiana relatou que, no caso específico desse menor, o pai dele contou que já havia sido agredido pelo filho e não estava conseguindo controlá-lo. Inclusive, o adolescente vinha praticando pequenos furtos no empreendimento do pai para comprar droga. “Esse jovem de 15 anos já esteve interno em unidades de atenção à infância, mas sem êxito de recuperação. Então o pai dele entrou com uma Ação de Obrigação de Fazer, com pedido de tutela antecipada, para que o filho possa ter um tratamento específico contra a dependência química. O rapaz já era viciado em várias drogas e, agora, enveredou no crack, agravando a sua situação”, informou a juíza.

Ao conceder a tutela antecipada, a magistrada se baseou no artigo 98, inciso I, do Estatuto da Criança e do Adolescente, que diz que “as medidas de proteção à criança e ao adolescente são aplicáveis sempre que os direitos reconhecidos nesta Lei forem ameaçados ou violados, por ação ou omissão da sociedade ou do Estado. E também no artigo 101, que assegura o direito à autoridade competente, no caso o juiz, determinar “tratamento médico, psicológico ou psiquiátrico, em regime hospitalar ou ambulatorial”, no caso de omissão do Estado. “Existem correntes que são contrárias à internação compulsória para tratamento de dependente químico, alegando o direito do próprio decidir se quer ou não o tratamento e, também, o direito constitucional de ir e vir. No entanto, eu quis preservar um bem maior que é a vida do jovem e que, entendo, está acima desses outros direitos”, declarou Aylzia Fabiana.

Planos de Saúde

Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed Federal
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
Fusex
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
Aeronáutica
ABRASA
ABET
Ver todos
Consulta e Internação 24h