Uma pediatra americana, expõe que dicas de suicídio para crianças estão sendo escondidas em vídeos no YouTube e YouTube Kids - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

Segundo publicou o Jornal Washington Post no último dia 24, Free Hess, uma pediatra e mãe, tinha ciência de que no último verão haviam vídeos arrepiantes no YouTube, quando soube que uma outra mãe viu um no YouTube Kids.

A mãe contou que, minutos depois de ter iniciado o vídeo infantil com seu filho, um homem apareceu na tela – oferecendo instruções sobre como cometer suicídio.

“Fiquei chocada”, disse Hess, observando que, desde então, a cena foi vista em vários outros vídeos do popular jogo Nintendo Splatoon no YouTube e YouTube Kids, um aplicativo de vídeo para crianças. Hess, de Ocala, na Flórida, publica posts em seu blog , PediMon, sobre os vídeos alterados e trabalha para obtê-los em meio a protestos de pais e especialistas em saúde infantil, que dizem que tais conteúdos podem ser prejudiciais para as crianças. Mas Hess esclarece que procura conscientizar os pais e o Youtube para remover os vídeos da plataforma.

Um no YouTube mostrava um homem entrando em cena e dizendo “Lembrem-se, crianças”, ele começa, segurando o que parece ser uma lâmina imaginária no interior de seu braço. “Nós não queremos morrer, mas nós queremos aliviar a dor” fazendo referência a fala de quem está em depressão e se automutila para aliviar a dor.

“Eu acho que é extremamente perigoso para os nossos filhos”, disse Hess sobre os clipes em uma entrevista por telefone com o The Washington Post. “Acho que nossos filhos estão enfrentando um mundo totalmente novo com mídias sociais e acesso à Internet. Está mudando a maneira como eles estão crescendo e está mudando a maneira como eles estão se desenvolvendo. Acho que vídeos como esse colocam a vida deles em risco. ”

Um vídeo recente do YouTube visto pelo The Post parece incluir uma cena dividida mostrando uma personalidade da Internet, Filthy Frank. Não está claro por que ele foi editado nesses clipes, mas seus fãs são conhecidos por colocá-lo em memes e outros vídeos. Há um vídeo semelhante em seu canal, filmado em frente a uma tela verde, mas as origens e o contexto do clipe em questão não são claros.

Andrea Faville, porta-voz do YouTube, disse em um comunicado por escrito que a empresa trabalha para garantir que “não seja usada para incentivar comportamentos perigosos e temos políticas rígidas que proíbem vídeos que promovem autoflagelação”.

“Contamos com a tecnologia de detecção de usuários e detecção inteligente para sinalizar este conteúdo para nossos revisores”, acrescentou Faville. “A cada trimestre, removemos milhões de vídeos e canais que violam nossas políticas e removemos a maioria desses vídeos antes que eles tenham qualquer visualização. Estamos sempre trabalhando para melhorar nossos sistemas e remover conteúdo violento mais rapidamente. Por isso, relatamos nosso progresso em um relatório trimestral [transparencyreport.google.com] e fornecemos aos usuários um painel mostrando o status dos vídeos que eles marcaram para nós.

Os vídeos surgem em meio a perguntas crescentes sobre como o YouTube, a maior plataforma de compartilhamento de vídeos do mundo, monitora e remove conteúdo problemático.

O YouTube lutou por muito tempo com a forma de manter a plataforma livre de tais materiais – removendo vídeos de ódio e violentos, proibindo brincadeiras perigosas e reprimindo a exploração sexual de crianças. Como Elizabeth Dwoskin, do The Post, reportou no mês passado, o YouTube anunciou que estava refazendo seu algoritmo de recomendação para evitar que indicasse vídeos que incluem teorias conspiratórias e outras informações falsas, embora os vídeos permaneçam no site.

Hess disse que os vídeos adulterados do Splatoon não são os únicos a transmitir conteúdo obscuro e potencialmente perigoso em plataformas de mídia social, particularmente no YouTube Kids. Em um post na semana passada, Hess alertou outros pais sobre vários vídeos que ela disse ter encontrado no aplicativo – um vídeo do Minecraft mostrando um tiroteio na escola, um desenho animado sobre o tráfico de seres humanos, um sobre uma criança que cometeu suicídio por esfaqueamento e outro que tentou cometer suicídio por enforcamento.

Nadine Kaslow, ex-presidente da Associação Americana de Psicologia, disse ao Post que é uma situação “trágica” em que “os desenhos estão atacando crianças e incentivando as crianças a se suicidarem”.

Kaslow, que leciona na Faculdade de Medicina da Universidade Emory, disse que algumas crianças podem ignorar o conteúdo sombrio do vídeo, mas que outras, particularmente aquelas que são mais vulneráveis, podem ser atraídas por ele. Ela disse que esses vídeos podem levar as crianças a terem pesadelos, desencadear lembranças ruins sobre pessoas próximas a elas que se mataram ou até mesmo encorajá-las a experimentar, embora algumas delas possam ser jovens demais para entender as consequências.

Kaslow disse que os pais devem monitorar o que seus filhos fazem online e as empresas de tecnologia devem garantir que esse conteúdo seja removido. Ainda assim, ela disse, não é suficiente.

“Eu não acho que você pode simplesmente derrubá-los”, disse ela sobre os vídeos. “Para as crianças que foram expostas, elas foram expostas. É preciso haver mensagens – é por isso que não está tudo bem ”.

Kaslow disse que, embora os pais devam conversar com seus filhos sobre os vídeos, o YouTube Kids também deve abordar o problema, explicando às crianças quais são os vídeos e por que as crianças nunca devem se machucar.

Ela acrescentou que deve haver “sérias conseqüências” para aqueles que participaram dos vídeos, observando que é “muito preocupante”, tem gente querendo atingir as crianças.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, os fatores de risco associados ao suicídio podem incluir transtornos mentais como depressão clínica, tentativas anteriores de suicídio, uma barreira ao acesso ao tratamento de saúde mental, doenças físicas e sentimentos de desesperança ou isolamento.

Fonte: The Washington Post

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos