Síndrome de Burnout em médicos: entenda os perigos - Hospital Santa Mônica
Internação Temporária para o Período de Festas e FériasConheça o serviço
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

A alta incidência da Síndrome de Burnout em médicos revela que o cotidiano dos profissionais da saúde pode levar ao esgotamento físico e emocional. Esse estado de exaustão intensa está diretamente ligado a situações de trabalho desafiadoras, estressantes, competitivas e de grande responsabilidade.  

Uma pesquisa realizada pelo Medscape indica que 26% dos médicos brasileiros sofrem de Síndrome de Burnout; desses, 13% cogitam abandonar a medicina devido à gravidade dos sintomas. A baixa remuneração e a carga horária excessiva foram apontadas pelos entrevistados como os principais fatores de insatisfação e desgaste.

Para Carlos Eduardo Zacharias, diretor clínico do Hospital Santa Mônica, a sobrecarga de pacientes atendidos, as frustrações devido a casos sem êxito e as solicitações a todo momento e em qualquer lugar são outros motivos que levam ao esgotamento dos profissionais da área da saúde.

Por ser um fenômeno ocupacional que influencia o estado de saúde da população economicamente ativa, a Organização Mundial da Saúde (OMS) incluiu uma descrição detalhada da Síndrome de Burnout na décima primeira edição da Classificação Internacional de Doenças (CID-11).

Neste artigo, esclarecemos dúvidas sobre esse distúrbio psíquico relacionado ao estresse crônico no trabalho e os perigos de sua grande prevalência em médicos. Confira!

Quais os sintomas da Síndrome de Burnout?

A Síndrome de Burnout é caracterizada principalmente pelo esgotamento físico e emocional, que traz prejuízos significativos tanto para a vida profissional quanto pessoal do indivíduo. Além desse sintoma, outros aspectos devem ser observados, como:

  • despersonalização;
  • ceticismo;
  • distanciamento afetivo;
  • isolamento social;
  • mudanças repentinas de humor;
  • insônia;
  • fadiga;
  • perda de apetite;
  • baixo desempenho;
  • ausências frequentes no trabalho;
  • dificuldade de concentração;
  • irritabilidade;
  • dores de cabeça;
  • lapsos de memória.

Quem tem essa síndrome pode ainda desenvolver problemas de saúde como pressão alta, doenças cardíacas, enfraquecimento do sistema imunológico, dores musculares, distúrbios gastrointestinais, depressão, ansiedade e abuso de álcool e drogas.

Quais os riscos da Síndrome de Burnout em médicos?

Uma rotina de trabalho estressante e agitada pode afetar a saúde física e mental de médicos, colocando em risco não só a vida do próprio profissional como também a de terceiros. Desse modo, a Síndrome de Burnout costuma ter reflexos negativos na carreira e na relação médico-paciente.

De acordo com um artigo publicado no periódico Mayo Clinic Proceedings, os médicos com Síndrome de Burnout estão mais propensos a cometer erros graves no exercício da profissão, como erro de avaliação e de diagnóstico. Isso mostra a importância de buscar apoio e orientação de especialistas para iniciar o tratamento.

O diretor clínico do Hospital Santa Mônica considera que a tecnologia da informação instantânea, com o uso de celulares, redes sociais e aplicativos, também está relacionada à jornada incessante de trabalho, além de causar mal entendidos e troca de informações equivocadas. 

“Os profissionais ficam ‘ligados’ 24 horas por dia, 7 dias por semana, todas as semanas do mês e todos os meses do ano. Por isso, atendimentos e orientações por telefone ou outros programas de comunicação devem ser evitados”, ressalta o médico. 

Como prevenir e tratar a Síndrome de Burnout?

A melhor forma de prevenir a Síndrome de Burnout é encontrar o equilíbrio entre vida profissional e pessoal, de modo a desacelerar no trabalho e incluir momentos de lazer, autoconhecimento e descanso na rotina. É importante também realizar atividades físicas regulares e manter hábitos alimentares saudáveis.

Segundo o doutor Zacharias, “ganhamos tempo em comunicação e perdemos em privacidade, lazer, descanso e até mesmo em convivência familiar”. Desse modo, a “chama pode se apagar”, fazendo com que muitos médicos desistam da profissão pela dificuldade de se adaptar.  

Fazer mudanças no ambiente de trabalho é mais uma recomendação para quem está começando a perceber sinais de desgaste físico e emocional. Todo profissional precisa tentar compreender suas limitações e buscar ajuda quando necessário. 

O tratamento desse distúrbio psíquico geralmente é realizado com psicoterapia. Porém, em alguns casos, pode ser necessário o uso de medicamentos, como antidepressivos e ansiolíticos. Vale ressaltar que a autoprescrição médica não é recomendada, devido à importância de uma avaliação de uma equipe multidisciplinar especializada. 

Este artigo ajudou você a entender melhor sobre a Síndrome de Burnout em médicos? Então, entre em contato com o Hospital Santa Mônica para esclarecer outras dúvidas e conhecer nossos tratamentos para recuperação física e mental.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos