O preço de estar sempre conectado - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

No restaurante, na cama, na fila do supermercado, no cinema, na igreja, no ônibus, no carro, na reunião. Os smartphones e outros dispositivos móveis se entranham nas cidades e na vida das pessoas e suas telas luminosas já chamam mais atenção do que o mundo que se descortina ao redor. A vontade de estar sempre conectado e por dentro das atualizações das redes sociais faz com que o bom senso e o convívio social sejam sacrificados em muitas situações cotidianas. Assim, a tecnologia atravessa a vida da sociedade contemporânea em um caminho de muitos avanços e benesses, mas em que a atenção ao uso precisa ser constante. Para algumas pessoas, no entanto, esse uso pode se tornar dependência e afetar a qualidade de vida.

No 33º Congresso Brasileiro de Psiquiatria, realizado no fim de outubro em Brasília, o tema da dependência da tecnologia foi debatido por profissionais já atentos à área ainda carente de pesquisas, mas que já desperta cuidados. O psiquiatra Daniel Spritzer, especializado na infância e adolescência e membro do Grupo de Estudos sobre Adições Tecnológicas (Geat), no Rio Grande do Sul, afirma que, na era hipermoderna em que vivemos, com características de rapidez, de narcisismo e de satisfação rápida do prazer, cada nova tecnologia que surge tem um impacto diferente no nosso jeito de ser, de nos relacionarmos com as outras pessoas e com a gente mesmo.

“A gente precisa começar a estudar bem diretamente o que a tecnologia traz de benefício e de malefício, em que pontos ela faz parte do desenvolvimento normal e em que ponto já é dependência, porque senão a gente fica muito no âmbito abstrato”, defendeu a psicóloga Aline Restano, também membro do Geat. Vulnerabilidade maior Como relatam os profissionais, o grupo das crianças e adolescentes acaba por ser o mais vulnerável quando se trata da dependência. Por diversos motivos, como a atração por novidade, pela relação forte com as tecnologias – gerações que já nasceram com o convívio com ferramentas multimídia –, o tempo disponível etc.

Os pesquisadores também apontam que os jovens do sexo masculino têm mais prevalência de casos de jogos online e as meninas, no uso das redes sociais. No entanto, antes que pais fiquem preocupados ao extremo com o comportamento de seus filhos, é importante ressaltar que o uso problemático acontecerá para uma minoria das pessoas. Pesquisas apontam, por exemplo, que 3 a 5% dos usuários vão apresentar comportamento de dependência. Apesar de muitos estudos ainda serem necessários e indefinições ainda marcarem o assunto, pesquisadores apontam semelhanças entre a dependência de jogos e Internet com aspectos da dependência química, assim como alguns aspectos das compulsões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos