Humor controlado a pílula - Hospital Santa Mônica

A busca pela felicidade artificial só cresce em Blumenau. Aumenta à pílulas. De cápsula em cápsula, a distribuição de fluoxetina na rede pública municipal de saúde subiu 71% em sete anos, cerca de 12 vezes mais que o crescimento da população no mesmo período.

Em 2013, as unidades de saúde de Blumenau distribuíram 204.827 comprimidos do antidepressivo a cada mês em média. A Secretaria de Saúde não tem o número de pessoas que usam o medicamento e ainda trabalha em um levantamento completo.

No entanto, dividindo os comprimidos pela população, é como se todos os meses quase 65% dos blumenauenses fossem a um posto de saúde buscar uma drágea do remédio.

Somando Blumenau a outras quatro cidades do Vale do Itajaí _ Gaspar, Indaial, Pomerode e Timbó _, a distribuição dos comprimidos chega perto das
290 mil drágeas mensalmente. O psiquiatra Juliano Fonseca Tonello explica que a medicação foi criada para tratar casos de depressão, mas hoje é usada no combate a diversas doenças.

As indicações médicas da fluoxetina vão desde depressão, ansiedade, transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) até patologias como ejaculação precoce, síndromes gastrointestinais e emagrecimento.

Integrante da diretoria do Conselho Regional de Medicina (Cremesc), Diogo Nei Ribeiro detalha que esta gama ampla de possíveis tratamentos faz com que a prescrição da fluoxetina não se limite aos psiquiatras, mas seja indicada por médicos de diversas especialidades. Outro fator citado por Tonello para o crescimento do uso do remédio são poucas reações adversas, se comparado a outros antidepressivos.

_ Também é preciso considerar que a depressão é a segunda causa de adoecimento no mundo. E, em 2030, a previsão é de que seja a principal, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) _ acrescenta Tonello.

Especialista aponta que falta de lazer ajuda a elevar consumo. No entanto, o ambiente tem parte na ascendência do medicamento. Para o professor do curso de Ciências Sociais da Furb e mestre em Sociologia Política Nelson Garcia Santos, apesar de ter o 25º melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do país, Blumenau ainda oferece condições de vida frustrantes:

_ A cidade não tem emprego, lazer, mobilidade urbana e qualidade de vida para todos. É a dona de casa que não se realiza pela opressão, o marido germânico que não alcança um ideal esperado. As pessoas não procuram uma solução espontânea, mas médico e fluoxetina. A cidade se volta para o trabalho, bebe no Stammtisch e na Oktoberfest. Fora essas festas, as pessoas ficam numa ausência de lazer. Não há política pública de lazer nos bairros.

A diretora de Ações em Saúde de Blumenau, Andrea da Silva, cita as enchentes e tragédias de 2008 e 2011 como fatores que elevam o estresse da população e, por consequência, o uso de fluoxetina. Mas ela assegura que o município tem buscado trabalhar a questão conjuntamente com outras secretarias, além de desenvolver atividades focadas na saúde mental através do Centro de Atenção Psicossocial (Caps):

_ Sabemos que a redução da fluoxetina está vinculada à qualidade de vida como um todo. Existe, sim, interesse no aspecto de promover saúde.

Planos de Saúde

Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed Federal
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
Fusex
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
Aeronáutica
ABRASA
ABET
Ver todos
Consulta e Internação 24h