Hospital Santa Mônica se posiciona sobre a nova política de saúde mental - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.


Hospital Santa Mônica, referência em Saúde Mental Infantojuvenil e adulto e
Dependência Química, se posiciona sobre a recente divulgação, feita pelo Ministério da
Saúde, do documento que organiza mudanças feitas entre 2017 e 2018. Entre outros
pontos, texto prevê internação em hospitais psiquiátricos e financiamento para
equipamento de ECT – EletroConvulsoTerapia, popularmente chamado de
eletrochoque.
 
O governo federal prepara um documento que coloca em prática uma nova política de atendimento à saúde mental no Brasil. Entre outros pontos, prevê a internação em
hospitais psiquiátricos e o financiamento para compra de equipamento de ECT.
Baseada em portarias e resoluções publicadas entre outubro de 2017 e agosto de 2018, a “nota técnica” chegou a ser divulgada no site do Ministério da Saúde na segunda-
feira (4). Entretanto, criticado por especialistas, o texto foi retirado do ar dois dias
depois. Não há uma data prevista para conclusão e implementação.

Os principais itens em consulta interna no ministério são:

• Inclusão dos hospitais psiquiátricos nas Redes de Atenção Psicossocial (Raps);
• Financiamento para compra de aparelhos de eletroconvulsoterapia, mais conhecidos como eletrochoque;
• Possibilidade de internação de crianças e adolescentes;
• Abstinência como uma das opções da política de atenção às drogas.
 
Segundo o psiquiatra Dr. Claudio Duarte, responsável pela Unidade de Dependência
Química do Hospital Santa Mônica e diretor técnico da Unidade Integrativa Santa
Mônica, “o tratamento do paciente com saúde mental requer todos os recursos
disponíveis e validados pelos especialistas e pela boa ciência, como as terapias, os
medicamentos e os procedimentos como eletroconvulsoterapia (ECT), que em alguns
casos pode ser mais indicado e eficaz do que em outros, sem que isto signifique que a
psicofarmacoterapia e outras abordagens terapêuticas devem ser prescindidas, até
mesmo em associação com ECT”.
 
Para o Dr. Cláudio, “na prática, sabemos ser necessário mais e melhores recursos para a saúde mental e a polêmica está mais voltada no sentido de criticar um possível
desmonte em relação ao que foi feito anteriormente que deu certo. Os pacientes
precisam de toda a infraestrutura que já está disponível e outras mais, em todas as
instâncias de abordagem, como os CAPS’s, ambulatórios, internação em hospital geral e em hospital ou clínica especializada, residências terapêuticas e até políticas de
redução de danos, eficazes e necessárias para certas populações em alguns
contextos. Não podemos ser excludentes, o que é necessário fazer é distribuir os
recursos onde são necessários com inteligência e planejamento”, complementa.
 
O psiquiatra Dr Claudio complementa ainda: “Alguns pacientes precisam ser internados, não internar em alguns casos seria negligência, pois poderia colocar as pessoas em
risco a própria vida ou de outras pessoas. Por outro lado, internar todo mundo e
institucionalizar em grandes manicômios, também é errado. Tão errado quanto não tero leito disponível quando você precisa de internação. A grande questão é que temos
que ter o rigor da boa prática da hospitalização, as internações deveriam ser:
• o mais breve possível;
• ser o último recurso;
• ter indicação específica para conter os riscos de auto e heteroagressão ou suicídio;
risco de uma complicação clínica; para elucidação diagnóstica; promover uma
abstinência em álcool e drogas; interromper um ciclo de recaída. Existem inúmeras
indicações para uma internação psiquiátrica, e neste caso, seria necessário tanto a
disponibilidade de leitos em instituições especializadas quanto em hospitais gerais, a
depender de cada caso.”
 
A vantagem de estar em um hospital geral é que o paciente pode contar com o
tratamento de outras especialidades em conjunto para casos mais complexos. O
paciente pode ter um diagnóstico psiquiátrico de base, mas ter uma apendicite por
exemplo, ou pode ter uma questão a ser investigada do ponto de vista clínico, mas não deixa de ter um quadro psiquiátrico de base. Outra possível situação é quando um
paciente sem antecedente psiquiátrico desenvolve uma alteração comportamental
durante um problema de saúde de natureza clinica ou cirúrgica, ou ainda quando
ocorre a descompensação de algo que ele já possuía nesta esfera, mas estava
estabilizado. Neste caso pelo estresse de adoecer ou pela própria natureza do
problema clinico/cirúrgico pelo qual está passando, pode levar à piora da questão
psiquiátrica subjacente ou desencadear algo nesta área. Assim, mesmo um hospital
geral pode precisar de setor de psiquiatria à mão, seja interconsulta ou mesmo leito
psiquiátrico em sua estrutura, como aponta Claudio Duarte.
 
Existem aqueles pacientes que não possuem outra doença e a única descompensação
é a psiquiátrica e a depender do diagnóstico psiquiátrico ele deve ir para um hospital
especializado, como é o caso do Hospital Santa Mônica, podendo ficar internado no
setor de álcool e drogas para tratar a dependência química, ou no setor de idosos para
tratar questões ligadas ao transtorno mental de idosos, ou uma questão ligada a
infância e adolescência, com grade terapêutica e equipe específica para atender essa
faixa etária da população.
 
O Hospital Santa Mônica já vem internando há algum tempo pacientes entre 12 a 18
anos para tratar transtorno mental e dependência química. Somos um centro de tratamento especializado e exclusivo, primordialmente em saúde mental, embora tenha
infraestrutura hospitalar para exames laboratoriais e atendimento de emergência como os necessários para dar os primeiros atendimentos até em situações de PCR (parada
cardiorrespiratória). Contamos também com apoio de equipe de clínica médica geral,
além do psiquiatra, para tratar alguma questão clínica descompensada, como um
hipotireoidismo, diabetes, hipertensão, quadros infecciosos, etc.  
 
“Quanto a questão da abstinência (interrupção completa do consumo como meta de
tratamento), anteriormente havia menor estímulo para que o indivíduo superasse a
dependência química tendo como norte a abstenção completa e por tempo
indeterminado do uso de qualquer substância psicoativa de recreação. Mas muitas vezes, esta ideia de redução de danos, com maior tolerância ao uso e foco do tratamento em apenas reduzir os problemas relacionados ao uso, pode cronificar o quadro do
paciente, dificultando a recuperação. Promover a abstinência completa é mais interessante e eficaz, ainda que obviamente o tratamento se utilize técnicas de abordagem
motivacional, que aos poucos conscientize o paciente mais resistente de que deve
vislumbrar a interrupção completa do consumo como a melhor medida para seu caso”,
complementa Dr. Claudio Duarte.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos