Elas já bebem tanto quanto eles - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

Entre a brisa e a tempestade – Elas já bebem tanto quanto eles, substituíram o cigarro pela maconha, vivenciam as sintéticas e ainda tem as anfetaminas.

Estatísticas sobre o aumento do consumo de álcool pelas mulheres não faltam. Uma feita pela Unifesp em 2013 mostra que o número das brasileiras que bebem com frequência saltou de 29% para 39% entre 2006 e 2012. O principal acréscimo se deu na faixa dos 15 aos 25 anos. Não bebem apenas. Bebem em “binge”, ou seja, quatro doses em duas horas, o suficiente para muito corpo feminino entortar. Homens costumam resistir a mais uma dose.

O psiquiatra Flávio Gikovate levanta outros números: “Se até 20 anos atrás apenas 3% das meninas até 15 anos tinham tomado um pileque, hoje elas chegam a 30%, mesma porcentagem dos garotos”. “Pileque” denuncia a experiência. Há mais de 50 anos Gikovate tem consultório físico, pelo qual já passaram uns 10 mil pacientes. E há quase 9 anos responde às angústias de ouvintes da Rádio CBN. Atende, portanto, a todas as classes, e vê esse consumo aumentar em todas. A quem diz que garotos e garotas fazem isso para se socializar, responde com moderação: “Quem bebe muito não quer socializar, quer monologar, fala até com poste. A droga, ao mesmo tempo que aumenta a sensibilidade, também faz o outro perder importância, porque o outro vira menos outro.”

Por aí segue o raciocínio de quem analisa os efeitos da maconha, cujo consumo cresceu a olhos e, especialmente, a narizes vistos. Pelas ruas, o cheiro da erva tem sido tão comum quanto o de tabaco. Há quem aposte que seguimos os sinais de fumaça dos EUA, onde os estudantes do ensino médio já fumam mais maconha do que cigarro. O 2.º Levantamento Nacional de Álcool e Drogas, da Unifesp, estima que 1,5 milhão de pessoas fumam maconha diariamente no Brasil, entre elas 300 mil adolescentes. Mais de 20% dos jovens obtiveram a Canabis na escola, e o índice de dependência entre os mais novos é de 10%.

“O pessoal, especialmente as meninas, está consumindo adoidado e achando que não faz mal”, diz o hebiatra Maurício de Souza Lima. Ele falava da maconha prensada, do haxixe e do shatter, este último com até 80% de THC (tetra-hidrocarbinol), responsável pelos efeitos alucinógenos. “Não é que faz mal pra todo mundo, mas, quanto mais cedo se usa, maior o risco de dependência, porque na adolescência é que se formam novas conexões cerebrais”, explica. Se toda droga psicoativa gera tolerância, continua, quem consome precisa de mais para ter o mesmo efeito.

Funciona assim com quem também está acostumado a consumir cocaína ou sintéticos como o MD, que virou trending topic nas baladas da classe alta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos