Idosos: Cada vez mais tomando remédios que afetam o cérebro - HSM
Internação Temporária para o Período de Festas e FériasConheça o serviço
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

O número de idosos nos Estados Unidos que tomam ao menos três medicamentos que afetam o cérebro mais do que dobrou em uma década, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira (13), que alerta sobre o risco elevado desta prática.

Este forte aumento ocorreu especialmente entre os idosos das zonas rurais, onde a taxa de visitas ao médico triplicou durante o mesmo período.

Os remédios prescritos são uma combinação de opiáceos, antidepressivos, tranquilizantes e antipsicóticos, segundo um estudo publicado pela revista médica americana “Journal of the American Medical Association (JAMA) Internal Medicine”.

Neurologista Ayrton Roberto Massaro fala sobre a polifarmácia em idosos, prática de tomar mais de um medicamento

Esta combinação, que age sobre o sistema nervoso central, é “preocupante” devido ao risco que implica para os idosos. Além das quedas e dos ferimentos que esta prática provoca, os autores mencionam também os riscos quando essas pessoas estão ao volante, as perdas de memória e outros problemas cognitivos.

Combinar analgésicos opiáceos com alguns tranquilizantes é particularmente preocupante, como alertou recentemente a Food and Drug Administration (FDA, agência sanitária americana).

Esta equipe de pesquisadores da Universidade de Michigan analisou dados de uma amostra representativa de consultórios médicos entre 2004 e 2013, procedente dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

Os pesquisadores descobriram que em 2004, 0,6% dos pacientes com mais de 65 anos recebiam prescrições de três ou mais medicamentos que afetam o sistema nervoso central, e que em 2013 esse número subiu para 1,4%. Se esta proporção for extrapolada para toda a população de idosos dos Estados Unidos, significaria 3,68 milhões de visitas médicas por ano nas quais foram prescritas três ou mais dessas drogas.

“O aumento que vimos nestes dados pode indicar que os idosos cada vez mais procuram assistência médica e aceitam tomar medicamentos para tratar problemas de saúde mental”, disse o autor principal do estudo, Donovan Maust, psiquiatra geriátrico da Universidade de Michigan.

“Mas isso também é preocupante por causa dos riscos de combinar esses medicamentos”, acrescentou.

O estudo revelou, ainda, que cerca da metade das pessoas com mais de 65 anos que tomam esses coquetéis de medicamentos não parecem ter sido diagnosticadas anteriormente com problemas de saúde mental, insônia ou dor crônica.

Fonte: G1

2 respostas para “Idosos: Cada vez mais tomando remédios que afetam o cérebro”

  1. Adorei o tema
    Idosos tomam remedio para tudo e muitas vezes nao se preocupam com reações, idosos sao consultados e medicados sem preocupações do que pode vir causar .
    Eles estão sempre na expectativa de que algo possa trazer melhora.
    Acredito que idosos são curiosos e arriscam que o medicamento muitas vezes apontados na midia seja a cura .
    A facilidade do acesso ao medicamento cada dia mais tranquilo ainda vejo que necessita da necessidade de uma vigilancia.
    O idoso enquanto existir a intenção da cura de alguma patologia do envelhecimento mais eles irao a procura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos