Estimulação magnética transcraniana - Hospital Santa Mônica
Hospita Santa Mônica

Olá, bem-vindo. Escolha um setor para falar conosco.

Portadores de depressão grave que não apresentam resposta satisfatória a terapias medicamentosas podem contar com mais uma opção de tratamento. Trata-se da estimulação magnética transcraniana (EMT), aprovada em 2012 pelo Conselho Federal de Medicina como prática médica no Brasil.

A técnica também foi aprovada para tratamento de alucinações auditivas (esquizofrenia) e planejamento de neurocirurgias. A estimulação magnética transcraniana é uma modalidade de neuroestimulação superficial e focal, sendo o córtex frontal o principal alvo quando usada para o tratamento da depressão.

A grande vantagem em relação a outras técnicas de estimulação cerebral é o fato de ser praticamente indolor, não invasiva e apresentar baixo índice de reações adversas. Ter sido aprovada pelo Conselho Federal de Medicina não faz da estimulação magnética transcraniana uma técnica de largo emprego. A indicação deve obedecer a determinados critérios, que começam pela análise criteriosa do histórico do paciente.

Quadros de depressão que não tenham respondido adequadamente ao tratamento com medicamentos antidepressivos ou aqueles em que a medicação não é tolerada são, em princípio, fatores para recomendação dessa técnica.

Avaliação criteriosa e cautela devem ser adotadas nos casos de indivíduos que foram anteriormente submetidos a neurocirurgias ou que usem marca-passo cardíaco. Igual cuidado deve ser dedicado a pacientes epiléticos, pessoas com histórico familiar de convulsões ou que tenham tido no passado alguma convulsão ocasional. Uma vez indicada a terapia, cabe ao médico, depois de realizar medições para determinar o exato local das aplicações, definir parâmetros como frequência e intensidade da carga, com base na gravidade da patologia, idade e condições gerais do paciente.

O procedimento pode ser ambulatorial e é feito com o paciente acordado. Uma leve dor de cabeça na área que recebe a carga costuma ser a principal reação adversa relatada. Em média, de 15 a 20 sessões, com 20 minutos de duração cada, são suficientes para uma melhora sensível da grande maioria dos pacientes, muitos dos quais atingem remissão total dos sintomas.

Além das indicações aprovadas, há atualmente uma série de pesquisas em andamento para aplicação da estimulação magnética transcraniana para diversas finalidades – da recuperação de sequelas de acidente vascular cerebral (AVC) ao tratamento do mal de Parkinson e de transtornos alimentares. Nessas indicações, porém, a técnica deve continuar sendo um procedimento experimental, praticado mediante protocolos de pesquisa.

2 respostas para “Estimulação magnética transcraniana”

  1. Faz muito tempo que tomo remedios para depressaõ e ansiedade e nunca melhoro. Ja pensei em fazer estimulaçao magnetica estou desesperada nao sei o que fazer

    1. Olá Eugênia, infelizmente não podemos entrar em questões ligadas a um tipo de tratamento pessoal, pois seguimos à risca o código de ética médica. Esperamos contar com a sua compreensão. Mas estamos à disposição caso queira passar por um atendimento no nosso ambulatório, é só agendar uma consulta. Torcemos pela sua recuperação, lembramos que atividade física e alimentação saudável contribui muito para a recuperação do equilíbrio e bem-estar, abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Planos de Saúde

CARE PLUS
SBC Saúde
Amil
Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
ABRASA
Ver todos