Depressão associada ao diabetes pode acelerar o declínio mental - Hospital Santa Mônica

Os prejuízos da combinação depressão e diabetes já foram levantados em estudos anteriores, como um maior risco para hipoglicemia. Agora, uma pesquisa da Universidade de Washington aponta que pessoas de meia-idade e idosos com diabetes tipo 2 apresentam declínio cognitivo e perda de memória mais frequentemente quando a doença está associada à depressão.

Para avaliar o papel da depressão no declínio cognitivo em pacientes idosos, a equipe analisou dados de cerca de 3.000 pessoas com mais de 55 anos de idade, diabetes tipo 2 e fatores de risco para eventos cardiovasculares. Em média, os participantes tinham a doença há cerca de nove anos. Um formulário de nove questões foi respondido para identificar sintomas de depressão nesses pacientes.

Testes de habilidades cognitivas foram aplicados em todos os participantes no início do estudo e, novamente, 20 meses e 40 meses depois. Uma avaliação mediu a velocidade psicomotora, ou quanto tempo leva o cérebro para registrar um estímulo, processá-lo e responder. Outro olhou para a capacidade de lembrar as palavras ao longo do tempo e um terceiro teste mediu o funcionamento executivo, ou como o cérebro usa memórias para planejar ações, prestar atenção e inibir comportamentos inadequados.

Mais de 2.600 pessoas completaram os testes em todos os três momentos, sendo que 62% deles não apresentaram depressão em nenhum dos momentos, 18% estavam deprimidos no início do estudo, 16% a 17% apresentaram a doença aos 20 e 40 meses e 5% tiveram indicativos de depressão em todos os três momentos de tempo.

Os pesquisadores descobriram que as pessoas com sintomas de depressão em qualquer ponto eram mais propensas a ter demências, como Alzheimer, do que as pessoas que não apresentaram sintomas da doença em nenhum momento. Eles afirmam que a depressão acelera o declínio cognitivo em pacientes com diabetes em um curto espaço de tempo, em todos os subgrupos de pacientes e em todos os domínios cognitivos avaliados.

De acordo com os autores, a depressão está associada com um aumento nos hormônios do estresse, inflamação e outros processos que podem contribuir diretamente para o declínio cognitivo, e os prejuízos ao organismo causado pelo diabetes e suas complicações podem contribuir com esse quadro.

Atente para sete sinais da depressão
A depressão é uma doença que afeta mais de 350 milhões de pessoas de todas as idades, gêneros e etnias, de acordo com a Organização Mundial de Saúde. Embora o risco de ter depressão seja maior entre as pessoas com histórico da doença na família, maus hábitos comportamentais (como dormir pouco e cultivar pensamentos negativos) também podem favorecer uma crise ou agravar ainda mais um quadro já em desenvolvimento.

“Adotar atitudes mais saudáveis protegem seu corpo contra os sintomas da depressão, mas é preciso buscar tratamento depois que a doença se instala”, afirma o psiquiatra Ricardo Alberto Moreno, professor doutor do Instituto de Psiquiatria da USP. Um dos principais problemas de quem sofre com este doença é acreditar que ele vai desaparecer por conta própria ou assumir que o mal-estar é permanente e faz parte da personalidade. Nada disso: se você apresentar, ao menos, um dos sinais listados a seguir e achar que ele tem prejudicado a sua rotina, aproveite para procurar um especialista.

Dormir pouco

“A falta do sono é um dos gatilhos para o aparecimento da depressão”, afirma o psiquiatra Ricardo Alberto Moreno, professor doutor do Instituto de Psiquiatria da USP. Segundo o especialista, o organismo é regido pelo claro e escuro, ou seja, dia e noite. Assim, do ponto de vista biológico, você está programado para a realização de atividades no período diurno e para o repouso no período noturno. “Inverter essa ordem ou reduzir o tempo que deveria ser destinado ao sono provoca desequilíbrios físicos e psicológicos”, diz.

Enquanto dorme, o seu corpo libera hormônios, a atividade cerebral sofre alterações e a temperatura varia para permitir um bom desempenho das tarefas ao acordar. Interromper esse ciclo, portanto, pode afetar o metabolismo como um todo e servir de gatilho à depressão. O cuidado especial deve ficar por conta dos mais jovens. “Com uma rotina tão agitada e diante de tantos estímulos, como celular, computador e televisão, o sono tem sido deixado em segundo plano”, diz o especialista.
Insônia

Além de favorecer a depressão por privar o corpo do tempo de descanso necessário para a realização de diversos processos fisiológicos, a insônia por si só está ligada a problemas orgânicos ou psíquicos. “As duas principais causas da dificuldade de pegar no sono são produção inadequada de serotonina, substância química que permite a transmissão de informações entre os neurônios, e estresse”, diz o psiquiatra Ricardo.

A psiquiatra Eutímia Brandão de Almeida Prado, do Hospital Universitário de Brasília, complementa dizendo ainda que a insônia também é um dos critérios para o diagnóstico da depressão. “As alterações neuroendócrinas que o paciente sofre geralmente afetam sua capacidade de dormir”, afirma. O resultado, segundo ela, é um agravamento das alterações de humor.

Sofrimento antecipado

“Sofrer por antecipação pode precipitar um quadro de depressão”, afirma a especialista Eutímia. Momentos de ansiedade e de estresse não são restritos a uma ou outra pessoa, mas passar por isso com frequência e cultivar pensamentos pessimistas sobre o futuro pode favorecer o desenvolvimento da doença. Pessoas com essa característica costumam ser insatisfeitas e nem sempre aproveitam plenamente ocasiões de prazer. Enquanto em alguns casos o sofrimento antecipado é decorrente da necessidade de controle sobre o que acontece, típico traço de uma personalidade insegura, em outros ele se torna paralisante, concretizando um problema.

Perda de apetite

Comer não é apenas uma forma de repor as energias perdidas ao longo do dia. “O hábito também está associado à sensação de prazer proporcionada pelo sabor e pela temperatura dos alimentos”, afirma o psiquiatra Ricardo. Quem começa a entrar em um quadro depressivo, entretanto, deixa de sentir esse prazer, o que afeta diretamente seu apetite. De acordo com o especialista, são raros os casos em que o paciente passa a sentir mais fome já que a comida não ameniza sua insatisfação.

A psiquiatra Eutímia afirma que isso faz parte de um quatro de anedonia ou incapacidade de sentir prazer. “A perda de apetite é um traço característico, mas a pessoa em depressão não se sente motivada a fazer nada daquilo que fazia anteriormente”, explica.

Perfeccionismo

Querer as coisas do seu jeito e se apegar aos detalhes mais singelos pode não ser problema, mas quando se torna uma compulsão ou obsessão, pode favorecer a depressão. “Uma pessoa escrava do perfeccionismo sofre quando seu planejamento não dá certo ou não fica, no mínimo, de acordo com o esperado”, afirma o psiquiatra Ricardo. Segundo ele, a constante frustração de quem estabelece metas mais altas do que pode alcançar não é saudável. “Seja criterioso com o que faz e veja o fracasso como um aprendizado, e não como um problema”.

Variação de humor

“Todos os transtornos depressivos são caracterizados por variações de humor”, diz a psiquiatra Eutímia. Na maior parte dos casos, o indivíduo permanece em um estado de tristeza constante, mas, no caso da depressão bipolar, há oscilações entre estados de tristeza e euforia. O diagnóstico de depressão ganha força quando as variações se tornam persistentes e duram mais de 15 dias.

Segundo ela, apenas em uma consulta com um profissional é possível definir se as alterações de humor são normais ou se tornaram uma patologia. “Todos sofremos mudanças de humor ao longo do dia, mas quando isso começa a se tornar um fator limitante, ou seja, começa a impedir a realização das tarefas rotineiras, então o quadro precisa de tratamento”, afirma.

Solidão

“A solidão se torna um problema quando repercute no desenvolvimento social ou profissional”, afirma a psiquiatra Eutímia. Segundo a especialista, algumas pessoas gostam de ficar sozinhas e conseguem tornar esse momento produtivo, o que não caracteriza problema algum. O quadro muda apenas quando você evita situações por precisar interagir ou achar que a segurança do isolamento é sempre melhor do que a insegurança que ele pode sentir no meio social. O comportamento é uma armadilha para a depressão e precisa de tratamento.

Planos de Saúde

Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed Federal
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
Fusex
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
Aeronáutica
ABRASA
ABET
Ver todos
Consulta e Internação 24h