Ansiedade tem tratamento - Hospital Santa Mônica

Embora a ansiedade não seja considerada pelos especialistas uma doença e sim uma reação normal do organismo, quando ela passa a prejudicar o cotidiano das pessoas é necessário procurar ajuda de um profissional. Segundo o Instituto de Psiquiatria do Hospital de Clínicas da Universidade de São Paulo (USP), cerca de 12% da população sofre de ansiedade, ou seja, 25 milhões de brasileiros possuem ansiedade patológica e não apenas são ansiosos.

De acordo com o psicólogo de Curitiba Dr. José Roberto Palcoski, a ansiedade pode ter alguns níveis e estar relacionada a algum fator ou não. “Todos nós temos ansiedade, e é normal e bom, pois ela nos move para concretização de nossos objetivos de vida, contudo se torna um problema quando começa a atrapalhar nossa rotina e nossas relações”, destaca.

Alguns sinais podem ser percebidos no dia a dia, entre eles: sensação de aflição, agonia, impaciência e inquietação. Existem diversos tratamentos psicoterápico para a ansiedade, sendo estes medicamentosos ou relacionados a alguma psicoterapia. “Para cada nível de ansiedade há uma forma diferente de realizar o tratamento – desde o trabalho frente o pensamento que cerca a situação ansiogênica, até a combinação de medicações e psicoterapia”, explica o psicólogo.

Entre os tratamentos que compõem as linhas da psicologia estão: psicologia analítica, Gestalt terapia, psicanálise, cognitiva comportamental, com técnicas de relaxamento, hipnose e o apoio social. “Poderíamos dizer que os principais tratamentos seriam o medicamentoso, orientado por médico psiquiatra em conjunto com psicoterapia individual e, ou grupo”, enfatiza. Já o acompanhamento psicológico é importante, pois a ansiedade é um pensamento, uma sensação persistente – sendo o psicólogo o profissional capacitado e treinado para lidar com estas situações. “Desde o mapeamento de sua origem até a cura plena da situação”, explica Palcoski.

No tratamento psicológico a melhora pode ocorrer a partir das primeiras sessões, porém dependerá de cada paciente e, principalmente, do nível de ansiedade que ele esteja apresentando. “Em geral começamos a perceber as melhoras por volta da décima sessão. O mais importante é não parar a terapia, pois o mais comum é que durante o tempo em que o paciente permanece em terapia se mantém bem, mas se parar antes do momento, acaba tendo uma recaída e possivelmente pode não ter aprendido a lidar com as suas situações ansiogênicas”, explica o especialista.

Porém, não é necessário que o tratamento seja duradouro. “Assim que as situações se resolverem a terapia pode ser encerrada. Não queremos que as pessoas se tornem dependentes da terapia e sim, que durante a terapia, aprendam a lidar com suas situações conflitantes da forma mais natural possível”, ressalta Palco

Planos de Saúde

Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed Federal
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
Fusex
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
Aeronáutica
ABRASA
ABET
Ver todos
Consulta e Internação 24h