Publicado em Deixe um comentário

Vídeo – A mente do adolescente

A mente do Adolescente

A Dra. Adriana Fóz, Diretora Clínica da Unidade Integrativa Santa Mônica, falou #AoVivo sobre o tema: “Conhecendo a mente do adolescente”.

Caso tenha alguma dúvida sobre tratamentos, utilizei o formulário desta página.

Perguntas e respostas sobre o tema:

Confira abaixo, as respostas para as perguntas enviadas pelos participantes durante a apresentação realizada pela Fanpage do Hospital Santa Mônica.

O uso excessivo das Redes Sociais pode afetar a Saúde Mental dos adolescentes?
Sim, principalmente quando o adolescente usa as redes sociais para se esconder, mostrar quem não é, e balizar sua auto estima pelo número de “likes”

Existe alguma forma de curar 100% os problemas mentais da adolescência para não ter sequelas na vida adulta?
Não se pode falar em cura, tampouco em 100%. Os cérebros não são perfeitos. O importante são os agentes protetores e usar o cérebro em prol da saúde, do auto conhecimento e do aprendizado.

É normal um adolescente ter um excesso de vaidade? Ex: Não gostar do cabelo, formato do nariz, estatura, etc?
Sim é normal. É uma fase de mudança de um corpo e do cérebro. E segundo a música do Caetano Veloso, “Narciso acha feio o que não é espelho”. Ou seja, o jovem está passando por mudanças e toda mudança gera desconforto.

Como reagir ao se deparar com um adolescente (seja filho, sobrinho, etc) que tem se cortado (auto-mutilação), mas não conta os motivos? Qual a melhor forma de abordagem para que ele não fica evasivo?
Colocar a disposição dele um terapeuta, que por ser profissional da saúde e não família, pode ter uma escuta e orientações mais valiosas para o adolescente.

Jovens hoje em dia não aceitam conselhos dos Pais. Como abordar um jovem com essa característica?
Aproximá-lo convidando os amigos para ir em sua casa, conversar sobre assuntos que interessam a ele(a), compartilhar sua adolescência e dizer o quanto ele é importante.

Como lidar com o adolescente no caso de separação dos pais, quando o pai abandona.
Conversar muito, incentivar relacionamento com tio, avô ou outro adulto do sexo masculino.

Pode recomendar alguma literatura que fala dessa fase?
Procurar pelos livros de Tania Zagury, Içami Tiba e Hans.

É possível o adolescente vivenciar um processo de luto por conta dessa fase?
Sim, pois a adolescência é o luto da infância.

Como reagir com o adolescente, que antes era companheiro do pai, um bom aluno, um bom filho e agora totalmente rebelde? Sai com os amigos, viaja e não avisa para os pais, deixando-os preocupados. É uma fase?
Sim, pode ser uma fase, mas nem por isso vocês pais devem se afastar. Também pontuar que sua casa não é pensão, e fazê-lo participar da rotina é educativo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *