OMS alerta para o aumento do número de casos de depressão - Hospital Santa Mônica

“Hoje as pessoas vivem uma vida mais acelerada, o tempo para se cuidar e se dedicar a saúde e aos cuidados pessoais de um modo geral, está cada vez mais difícil de arrumar. As pessoas saem cedo de casa para trabalhar e voltam muito tarde”, alerta o médico psiquiatra Paulo Issa.

Dados da Organização Mundial de Saúde indicam que o quadro de depressão tem se gravado globalmente. De acordo com a OMS, nas últimas décadas o numero de pessoas com depressão e/ou ansiedade aumentou em quase 50%, passando de 416 milhões para 615 milhões. Isso significa que cerca de 10% da população global é afetada pelo problema e que as desordens mentais respondem por 30% das doenças não fatais registradas no mundo. “Hoje as pessoas vivem uma vida mais acelerada, o tempo para se cuidar e se dedicar a saúde e aos cuidados pessoais de um modo geral, está cada vez mais difícil de arrumar.

As pessoas saem cedo de casa para trabalhar e voltam muito tarde”, lembra o médico psiquiatra Paulo Issa. Ainda segundo a OMS, 9,5% das mulheres e 5,8% dos homens são ou serão vítimas da doença em algum momento da vida. Segundo Issa, não apenas a falta de tempo, mas a má utilização do tempo também é um dos fatores que agravam os quadros de doenças psiquiátricas como a depressão e a ansiedade. “As pessoas utilizam o tempo que lhes restam muita das vezes ficando no celular, na internet, vão dormir mais tarde, acabam tendo menos contato físico com os amigos e com a família. Então, a falta e o mau uso do tempo faz com que o aumento do stress seja muito significativo”.

Ainda de acordo com o psiquiatra, a carga horária puxada e exaustiva jornada de trabalho hoje em dia, o cenário mundial atual cheio de incertezas e crises em todos os setores fazem com que os quadros das doenças se agravem e que se crie toda uma atmosfera tendenciosa as doenças psiquiatras e emocionais. “As mesmas substâncias que estão envolvidas no processo de depressão são as mesmas no processo da ansiedade e a ansiedade pode gerar uma série de transtornos como o pânico, que seria a crise da ansiedade, ou às vezes o toque que são aquelas manias, fobias alguns medos,” explica Issa.

Preocupação com a juventude

Nos adolescentes, os sintomas mais comuns são queda do rendimento escolar, mudanças bruscas de humor, irritabilidade, falta de energia, tristeza e perda de interesse pelas atividades cotidianas. É importante estar atento, pois os sintomas são confundidos facilmente com comportamentos típicos adolescentes. Quem é que nunca ficou meio ‘de bode’ ou revoltado uma vez na vida? Até a década de 1970, acreditava-se que a depressão era exclusividade de adultos, mas, hoje, sabe-se que crianças, adolescentes e até bebês podem sofrer com a doença.

Na maioria dos casos, o tratamento mais indicado é a psicoterapia em alguns casos acompanhada do uso de medicamentos antidepressivos. “Primeiro a gente avalia se realmente é necessária uma psicoterapia com a psicóloga, geralmente usamos antidepressivos ou às vezes o uso de ansiolíticos que podem ser calmantes ou não,” explica Issa. O psiquiatra ainda alerta sobre a medicação recomendada: “Nem todo remédio vai deixar o dopado como as pessoas acham e nem todo remédio vai deixar dependência, qualquer pessoa pode fazer o tratamento e levar sua vida normal. Tentamos antes conversar com o paciente e estimular o mesmo a, primeiramente, mudar seu estilo de vida para uma melhora da qualidade desta para assim depois avaliar a real necessidade do uso e do tipo de medicação”, atenta o psiquiatra.

De acordo com as previsões da OMS feitas em pesquisa no século passado, em 2030 o mal da depressão seria responsável por 9,8% do total de anos de vida saudável perdidos para doenças, pois esse índice foi atingido em 2010. A pesquisa calculou os gastos com tratamento e os resultados em saúde de 36 países de baixa, média e alta renda. Os custos estimados para ampliar o tratamento, principalmente o aconselhamento psicossocial e a medicação antidepressiva, totalizaram US$ 147 milhões. O retorno, entretanto, supera de longe a cifra: uma melhora de 5% na participação da força de trabalho, o que torna a produtividade avaliada em US$ 399 bilhões. A melhora na saúde do paciente acrescenta mais US$ 310 bilhões à economia.

De acordo com a revista britânica “The Economist”, que promoveu um seminário em Londres sobre a crise global da depressão, as perspectivas de melhoras não são nenhum pouco positivas ,segundo o ex secretario geral das Nações Unidas Kofi Annan, um dos palestrantes , “a doença incapacita de tal forma os atingidos colocando enorme peso em sua famílias e rouba da economia a energia e o talento das pessoas.”

Confira a matéria original aqui

Fonte: Net Diário

Planos de Saúde

Interclinicas do Brasil
Vale Saúde
Unimed Intercâmbio
Unimed Federal
Unimed CT Nacional
Unimed ABC
Transmontano
SulAmérica
Sompo
Sinpeem
Sepaco
Saúde Caixa
Santa Amália
Sabesprev
Prodesp (GAMA)
Prime Saúde
Prevent Sênior
Plan-Assiste (MP FEDERAL)
Panamed Saúde
Omint
NotreDame Intermédica
Nipomed
Metrus
Mediservice
Master Line
Mapfre Saúde
Life Empresarial
Intermédica
Green Line
Gama Saúde
Fusex
EMBRATEL
Economus
Correios / Postal Saúde
Caixa Econômica Federal
Bradesco Saúde
Banco Central
APCEF/SP
AMAFRESP
Alvorecer Saúde
Aeronáutica
ABRASA
ABET
Ver todos
Consulta e Internação 24h